Cais do Porto

Imagem_Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

Lembremos que nós, homens e mulheres, fazemos parte do meio ambiente e que ele vem sendo aniquilado pelo presidente e seu governo mesquinho a cada dia que passa

Outro dia um amigo enviou um e-mail e perguntou: qual foi a maior tragédia da história do Brasil?

Não titubeei na resposta e cravei em caixa alta: GOVERNO BOLSONARO.

Um governo responsável por mais de 69 mil mortes, pelo descaso e falta de compaixão com que trata a pandemia do coronavírus e pratica, deliberadamente, a eugenia, aos quatro ventos, é a maior tragédia da história do Brasil.

Existe muita surpresa nisso?

Lembremos que nós, homens e mulheres, fazemos parte do meio ambiente e que ele vem sendo aniquilado pelo presidente e seu governo mesquinho a cada dia que passa.

Na realidade, quem falou que ia deixar passar a boiada para a devastação ambiental, antes de ser eleito e durante a sua campanha, foi o presidente e não seu ministro do Meio Ambiente, que só abriu a porteira para a boiada. E, mesmo assim, votaram nele, com base em fake news criminosas conforme, recentemente, mais do que demonstrado e comprovado.

Como o presidente e sua equipe sempre estão trabalhando para desviar a atenção dos graves problemas diários que passa a maioria da população, agora a bola da vez é a suposta contaminação do presidente pelo coronavírus.

Isso vai render muito espaço na mídia e é tudo o que essa gente “estudada” mais quer. Ser tratado a pão de ló no palácio, com equipe médica 24 horas por dia, é fácil. Quero ver ir cantar de galo forte na Rocinha, no Rio de Janeiro, ou em Paraisópolis, em São Paulo, sem segurança e sem milícia por perto.

Por isso, pouco se fala de outras tragédias que ocorreram na gestão do GOVERNO BOLSONARO como a mineração em Brumadinho, a grilagem de terras com as queimadas criminosas na Amazônia e a sabotagem com o derramamento de óleo nas costas do nordeste brasileiro, somente para citar algumas mais conhecidas.

Lembram-se disso?

Além disso, como sabemos, as populações indígenas são as mais vulneráveis para a infecção pelo coronavírus. E o que o presidente faz por elas? Com um requinte de maldade, simplesmente vetou o texto que o Congresso havia aprovado, desautorizando o governo federal, entre outras coisas, a fornecer água potável e leitos hospitalares aos índios o que seria, no mínimo, o que se esperar de um governo humanitário.

Nesse cenário pavoroso, dantesco, o que podemos esperar daqui para frente no curto prazo? Um impeachment do presidente ou a cassação da chapa militar-presidencial?

O tempo está correndo muito depressa e precisamos avistar o cais do porto para dar sentido, segurança e alguma esperança para nossas vidas.

“Cais do porto / Tenha pena de mim / Já é dia, nem vestígio sequer / Não será cais do porto / Aquela luzinha que lá longe apaga e acende / Fazendo sinal quem sabe pra mim” (trecho de Cais do Porto de Inezita Barroso).

*Heraldo Campos é doutor em ciências pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Musse Vanderlei Tenório Michael Roberts José Dirceu Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Matheus Silveira de Souza Afrânio Catani Heraldo Campos Flávio R. Kothe Marilena Chauí Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Valerio Arcary João Adolfo Hansen Dênis de Moraes Anselm Jappe Gilberto Maringoni Francisco Pereira de Farias Alexandre de Lima Castro Tranjan Daniel Brazil Michel Goulart da Silva Érico Andrade Michael Löwy Ronald Rocha Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Sérgio Pinheiro Eliziário Andrade Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Ricardo Abramovay Juarez Guimarães João Lanari Bo Julian Rodrigues Atilio A. Boron João Carlos Loebens Andrés del Río José Machado Moita Neto Liszt Vieira Paulo Martins Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Jorge Branco Lincoln Secco Luiz Marques Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Flávio Aguiar João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Chico Alencar Rodrigo de Faria Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Igor Felippe Santos Tarso Genro Chico Whitaker Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Slavoj Žižek Marcelo Guimarães Lima Marcos Aurélio da Silva Ricardo Antunes Marcelo Módolo Osvaldo Coggiola Anderson Alves Esteves Manuel Domingos Neto Samuel Kilsztajn Antonino Infranca Lucas Fiaschetti Estevez Denilson Cordeiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida André Márcio Neves Soares José Costa Júnior Claudio Katz Priscila Figueiredo Renato Dagnino Marcus Ianoni Elias Jabbour Caio Bugiato Antônio Sales Rios Neto Luiz Eduardo Soares Daniel Afonso da Silva João Sette Whitaker Ferreira Paulo Capel Narvai Remy José Fontana Henri Acselrad Marcos Silva Luiz Roberto Alves Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Luciano Nascimento Annateresa Fabris José Micaelson Lacerda Morais Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira Daniel Costa Gabriel Cohn Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Mário Maestri Carlos Tautz Leonardo Avritzer Leonardo Sacramento Bruno Machado Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Eugênio Bucci Boaventura de Sousa Santos André Singer Tales Ab'Sáber Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Alexandre Aragão de Albuquerque Luís Fernando Vitagliano Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Eleonora Albano Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Dennis Oliveira Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Gilberto Lopes Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Manchetômetro Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Andrew Korybko João Paulo Ayub Fonseca Airton Paschoa Eugênio Trivinho Rafael R. Ioris Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada