As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A recapitulação da guerra

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GONZALO LIRA*

Trata-se de uma clássica guerra por procuração e a Ucrânia pagará o preço

Recapitulação rápida para aqueles que não estão acompanhando o que tem acontecido na Ucrânia, mas querem entender: 24/02, os russos invadiram do sul, sudeste, leste e norte, numa campanha relâmpago. Os russos invadiram com 190 mil soldados – contra 250 mil tropas de combate da Ucrânia.

A Rússia colocou 30 mil soldados perto de Kiev – longe de ser o suficiente para capturar a cidade, mas o suficiente para prender cerca de 100 mil defensores das Forças Armadas da Ucrânia. A Rússia também lançou vários eixos de ataque, com reforços em prontidão (incluindo uma famosa coluna de tanques de 40 km de comprimento), para ver onde poderiam ser necessários.

O fundamental é que a blitz russa em vários eixos preveniu uma iminente blitzkrieg ucraniana. As Forças Armadas da Ucrânia estiveram prestes a invadir o Donbas. Esta era a motivação imediata para a invasão russa: para vencê-los com um soco e sabotar a iminente invasão ucraniana – o que fizeram.

Além disso, ao atacar do norte e do sul, os russos interromperam a cadeia de fornecimento de armas da OTAN. Se a Rússia só tivesse atacado no leste para evitar a invasão do Donbas pelas Forças Armadas da Ucrânia, haveria um corredor aberto para reabastecimento a partir do oeste. Ameaçando Kiev, isso parou. Assim, as principais forças das Ucrânia ficaram retidas no leste do país, com o resto das forças isoladas e presas – sem reabastecimento fácil a partir do oeste. A Rússia então passou a atingir os elos de comando/controle e reabastecimento das Forças Armadas da Ucrânia, isolando e imobilizando ainda mais as forças ucranianas.

Os russos logo controlaram nominalmente terras do tamanho do Reino Unido na Ucrânia – mas era um controle tênue. O sul da Ucrânia estava mais completamente sob controle da Rússia. As Forças Armadas da Ucrânia em torno de Kherson simplesmente dispersaram-se. Mariupol tornou-se um claro campo de batalha, assim como o próprio Donbas.

Fazer curto-circuito na iminente invasão de Donbas – o que fizeram. Assustar o regime Zelensky para negociar um acordo político – o que não conseguiram fazer.

Kiev não tinha intenção de negociar um cessar-fogo devido às ordens dadas a eles por Washington: “lutar contra a Rússia até o último ucraniano!”. Além disso, os capangas neonazistas ao redor de Volodymyr Zelensky o ameaçaram caso ele negociasse e se rendesse porque eles estão aterrorizados com os russos.

Assim, Volodymyr Zelensky lançou uma campanha massiva de relações públicas e propaganda, principalmente para motivar as forças das Ucrânia a lutar até a morte. Mitos foram criados (o Fantasma de Kiev), ataques de falsa bandeira foram realizados (Bucha, Kramatorsk) e histórias implacáveis da mídia foram implacavelmente açoitadas.

Os russos continuaram negociando e tentando não destruir a infraestrutura da Ucrânia. Na verdade, no início, eles estavam até tentando minimizar as baixas das Forças Armadas da Ucrânia. A evidência disso é avassaladora: a Rússia não atingiu a infraestrutura civil – água, eletricidade, telefone, transporte. Eles não atingiram os quartéis das Forças Armadas da Ucrânia, centros de comando, prédios governamentais, etc.

A prioridade inicial dos russos era um acordo negociado. Mas, no final de março, eles perceberam que isto era impossível. Foi por isso que a Rússia se retirou de Kiev. Não fazia sentido colocar homens perto da cidade quando eles não estavam fazendo o que deveriam fazer – exercer pressão política sobre o regime de Volodymyr Zelensky para negociar. Esta retirada foi reivindicada como uma “vitória” na “Batalha de Kiev”!

A partir do final de março, os russos recuaram e solidificaram seu controle sobre a área que haviam capturado, cedendo para as Forças Armadas da Ucrânia as áreas que ou eram inúteis ou potencialmente muito caras para controlar. A máquina de propaganda da Ucrânia chamou todos esses recuos de “vitórias”.

Ainda havia um vislumbre de que a guerra poderia terminar em um acordo negociado, mas que acabou no início de abril. Após as conversas de Istambul em 30 de março, o lado ucraniano concordou cautelosamente com alguns compromissos, mas em uma semana desautorizou publicamente essas concessões.

Foi quando os russos perceberam que o regime de Volodymyr Zelensky era inapto para acordos: seus mestres de Washington, Victoria Nuland e Anthony Blinken em particular, não permitiriam a paz. Eles querem que esta guerra enfraqueça a Rússia. É uma clássica guerra por procuração e a Ucrânia pagará o preço.

Algo mais que os russos perceberam: sanções. Elas machucaram, mas a Rússia deu a volta por cima com notável rapidez. Na verdade, elas não machucaram tanto assim. Mas o roubo dos 300 bilhões de dólares em reservas estrangeiras da Rússia pelo Ocidente machucou – muito. Os russos perceberam que estavam numa guerra total com o Ocidente e, como suas reservas estrangeiras foram perdidas para sempre (provavelmente para serem roubadas por políticos ocidentais corruptos), os russos agora não têm mais nada a perder. Ao roubar suas reservas, o Ocidente perdeu todo o poder sobre a Rússia.

Isto selou o destino da Ucrânia: os russos agora não têm nenhum incentivo para desistir do que conquistaram. Isso custou-lhes muito em termos de homens e riquezas. E eles sabem que não podem negociar um cessar-fogo. O regime de Volodymyr Zelensky irá simplesmente rompê-lo mais adiante.

Os russos pretendem conquistar e anexar permanentemente todo o sul e leste da Ucrânia. É por isso que sua estratégia no campo de batalha mudou drasticamente: agora eles estão levando a cabo uma lenta e metódica trituração e destruição das Forças Armadas da Ucrânia.

A guerra nos primeiros 30 dias foi rápida, com simulações, capturando nominalmente vastas porções do território ucraniano, com o objetivo de pressionar o regime de Zelensky para um acordo negociado. Mas a total ruptura financeira e política do Ocidente com a Rússia significa que eles não têm nada a perder. E eles têm muito a ganhar: o Donbas é rico em minerais, as terras agrícolas realmente produtivas da Ucrânia estão no leste e no sul, Carcóvia é uma grande cidade industrial, o mar de Azov tem reservas incalculáveis de gás natural. E, ao lado disso, o povo os ama. Por que os russos desistiriam agora deste prêmio tão duramente conquistado?

E eles ganharam – não se enganem. Pergunte a qualquer militar que não seja um porco do sistema, e ele lhe dirá: não há como as Forças Armadas da Ucrânia reconquistar seu país. Eles não têm blindados, não têm defesa aérea, não têm combustível, não têm comunicações – acabou.

A grande tragédia é que muitos milhares de jovens morrerão, e morrerão desnecessariamente, a fim de adiar o inevitável. Estes corajosos rapazes terão lutado tão valentemente – e morrido tão jovens, tão cruelmente – por causa da maldade do regime de Zelensky. Essa é a dura verdade.

E, no final, este será o mapa que permanecerá – uma imagem amarga do futuro da Ucrânia. A Rússia despejará bilhões em seu território recém-adquirido. Ela prosperará e florescerá. Mas o estado remanescente da Ucrânia será deixado pobre, destruído, esquecido. Uma tragédia.[1]

 

*Gonzalo Lira é romancista e cineasta. Autor, entre outros livros, de Counterparts (Putnam and Sons).

Tradução: Fernando Lima das Neves.

 

Nota


[1] Complementação por Bernhard Horstmann (também conhecido como Moon of Alabama) desta recapitulação: “Eu concordo com o acima exposto, exceto por dois pequenos detalhes. A mudança em Kiev não teve como objetivo dificultar o reabastecimento das tropas ucranianas no Donbas, mas “corrigir” o potencial de reforço em torno da capital. Isso permitiu às tropas russas abrir o corredor da Crimeia até a fronteira russa, bem como atravessar o Dnieper no sul e tomar Kherson. Esses foram os movimentos mais importantes para o desenvolvimento futuro da guerra.

Também não acredito que a Rússia “anexará” as áreas que está libertando do controle fascista. Uma vez libertado, o povo dessas áreas votará para tornar-se independente da Ucrânia, e as várias regiões, Donbas, Luhansk, Kherson, Odessa, formarão estados que se tornarão parte da República Federal da Nova Rússia. Esse país será reconhecido e apoiado pela Rússia e seus aliados”.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Milton Pinheiro Ronald Rocha Carla Teixeira Otaviano Helene Rodrigo de Faria Antonio Martins Flávio Aguiar José Luís Fiori Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Andrew Korybko Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Tadeu Valadares Armando Boito Ladislau Dowbor Leonardo Boff Benicio Viero Schmidt Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Marjorie C. Marona Luciano Nascimento Salem Nasser Lincoln Secco Heraldo Campos Francisco Pereira de Farias Anselm Jappe Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles Bruno Machado Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Rubens Pinto Lyra Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe Priscila Figueiredo Ricardo Abramovay Chico Alencar José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Valério Arcary André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Marcus Ianoni José Costa Júnior Eliziário Andrade Carlos Tautz Mário Maestri Eduardo Borges Luiz Costa Lima Walnice Nogueira Galvão Bento Prado Jr. Ricardo Musse Alexandre Aragão de Albuquerque Yuri Martins-Fontes Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Eugênio Trivinho Luiz Eduardo Soares Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Denilson Cordeiro Fábio Konder Comparato Osvaldo Coggiola João Feres Júnior Marcelo Módolo Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto João Adolfo Hansen Vinício Carrilho Martinez Alysson Leandro Mascaro Roberto Noritomi Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni Antônio Sales Rios Neto Luiz Marques Jorge Branco Ronald León Núñez Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Avritzer Sergio Amadeu da Silveira Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Eleonora Albano Henri Acselrad Luiz Werneck Vianna Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sandra Bitencourt Ricardo Antunes Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Marcos Silva Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Lucas Fiaschetti Estevez Gabriel Cohn Tarso Genro Michael Roberts Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Berenice Bento Remy José Fontana Annateresa Fabris Ari Marcelo Solon Juarez Guimarães Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Claudio Katz Marilena Chauí Luiz Renato Martins Renato Dagnino Roberto Bueno Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Chico Whitaker Manchetômetro Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Michael Löwy Caio Bugiato Gerson Almeida João Sette Whitaker Ferreira Elias Jabbour Dênis de Moraes Celso Frederico Érico Andrade Luiz Roberto Alves Rafael R. Ioris Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva José Dirceu Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada