A Terra se defende

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

O planeta não só possui vida sobre ele. Ele próprio é vivo. Emerge como um Ente vivo, como um sistema que regula os elementos físico-químicos e ecológicos. Chamaram-no de Gaia.

A pandemia do coronavírus nos revela que o modo como habitamos a Casa Comum é nocivo à sua natureza. A lição que nos transmite soa: é imperioso reformatar a nossa forma de viver sobre ela, enquanto planeta vivo. Ela nos está alertando que assim como estamos nos comportando não podemos continuar. Caso contrário a própria Terra irá se livrar de nós, seres excessivamente agressivos e  maléficos ao sistema-vida.

Nesse momento, face ao fato de estarmos no meio da primeira guerra global, é importante conscientizar nossa relação para com ela e a responsabilidade que temos pelo destino comum Terra viva-Humanidade.

Acompanhem-me neste raciocínio: o universo existe já há 13,7 bilhões de anos desde quando ocorreu o big bang. A Terra há 4,4 bilhões. A vida há 3,8 bilhões. O ser humano há 7-8 milhões. Nós, o homo sapiens/demens atual há 100 mil anos. Todos formados com os mesmos elementos físico-químicos (cerca de 100) que se forjaram, como numa fornalha, no interior das grandes estrelas vermelhas, por 2-3 bilhões de anos (portanto há 10-12 bilhões de anos): o universo, a Terra e nós mesmos.

A vida, provavelmente, começou a partir de uma bactéria originária, mãe de todos os viventes. Acompanhou-a um número inimaginável de micro-organismos. Diz-nos Edward O. Wilson, talvez o maior biólogo vivo: só num grama de terra vivem cerca de 10 bilhões de bactérias de até seis mil espécies diferentes (A criação: como salvar a vida na Terra, Companhia das Letras, p. 26). Imaginemos a quantidade incontável desses micro-organismos, em toda a Terra, sendo que somente 5% da vida é visível e 95%, invisível: o reino das bactérias, fungos e vírus.

Acompanhem-me ainda o raciocínio: hoje é tido como um dado científico, depois de 2002, quando James Lovelock e sua equipe demonstraram perante uma comunidade científica de milhares de cientistas na Holanda, que a Terra não só possui vida sobre ela. Ela mesma é viva. Emerge como um Ente vivo, não como um animal, senão como um sistema que regula os elementos físico-químicos e ecológicos, como fazem os demais organismos vivos, de tal forma que se mantém vivo e continua a produzir uma miríade de formas de vida. Chamaram-na de Gaia.

Outro dado que muda nossa percepção da realidade. Na perspectiva dos astronautas seja da Lua seja das naves espaciais, assim testemunharam muitos deles, não vigora uma distinção entre Terra e Humanidade. Ambos formam uma única e complexa entidade. Conseguiu-se fazer uma foto da Terra, antes de ela penetrar no espaço sideral, fora do sistema solar: aí ela aparece, no dizer do cosmólogo Carl Sagan, apenas como “um pálido ponto azul”. Pois, nós estamos dentro deste pálido ponto azul, como aquela porção da Terra que num momento de alta complexidade, começou a sentir, a pensar, a amar e a perceber-se parte de um Todo maior. Portanto, nós, homens e mulheres, somos Terra, que se deriva de húmus (terra fértil), ou do Adam bíblico (terra arável).

Ocorre que nós, esquecendo que somos uma porção da própria Terra, começamos a saquear suas riquezas no solo, no subsolo, no ar, no mar e em todas as partes. Buscava-se realizar um projeto ousado de acumular o mais possível bens materiais para o desfrute humano, na verdade, para a subporção poderosa e já rica da humanidade. Em função desse propósito se criou a ciência e a técnica.

Atacando a Terra, atacamos a nós mesmos que somos Terra pensante. Levou-se tão longe a cobiça deste grupo pequeno voraz, que ela atualmente se sente exaurida a ponto de terem sido tocados seus limites intransponíveis. É o que chamamos tecnicamente de “Sobrecarga da Terra” (the Earth overshoot). Tiramos mais do que ela pode dar. Agora não consegue repor o que lhe subtraímos. Então dá sinais de que adoeceu, perdeu seu equilíbrio dinâmico, aquecendo-se de forma crescente, formando tufões e terremotos, nevascas nunca dantes vistas, estiagens prolongadas e inundações devastadoras.

Mais ainda: liberou micro-organismos como o sars, o ebola, o dengue, a chikungunya e agora o coronavírus. São formas das mais primitivas de vida, quase no nível de nanopartículas, só detectáveis sob potentes microscópios eletrônicos. E podem dizimar o ser mais complexo que ela produziu e que é parte de si mesma, o ser humano, homem e mulher, pouco importa seu nível social.

Até agora o coronavírus não pôde ser destruído, apenas impedido de se propagar. Mas está ai produzindo uma desestabilização geral na sociedade, na economia, na política, na saúde, nos costumes, na escala de valores estabelecidos.

De repente, acordamos assustados e perplexos: esta porção da Terra que somos nós pode desaparecer. Em outras palavras, a própria Terra se defende contra a parte rebelada e doentia dela mesma. Pode sentir-se obrigada a fazer uma amputação como fazemos de uma perna necrosada. Só que desta vez, é toda esta porção tida por inteligente e amante, que a Terra não quer mais que lhe pertença e acabe eliminando-a.

Será assim o fim desta espécie de vida que, com sua singularidade de autoconsciência, é uma entre milhões de outras existentes, também partes da Terra. Esta continuará girando ao redor do sol, empobrecida, até que ela faça surgir outro ser que também é expressão dela, capaz de sensibilidade, de inteligência e de amor. Novamente se irá percorrer um longo caminho de moldagem da Casa Comum, com outras formas de convivência, esperamos, melhores que aquela que nós moldamos.

Seremos capazes de captar o sinal que o coronavírus nos está passando ou continuaremos fazendo mais do mesmo, ferindo a Terra e nos autoferindo no afã de enriquecer?

*Leonardo Boff é teólogo, autor, entre outros livros, de Cuidar da Terra – proteger a vida: como escapar do fim do mundo (Record).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valerio Arcary Flávio R. Kothe Anselm Jappe André Singer André Márcio Neves Soares Michel Goulart da Silva Benicio Viero Schmidt Vladimir Safatle Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Marcos Aurélio da Silva Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Eduardo Borges Renato Dagnino Fernando Nogueira da Costa Daniel Afonso da Silva Tarso Genro Luis Felipe Miguel Remy José Fontana Francisco de Oliveira Barros Júnior Lincoln Secco João Carlos Loebens João Carlos Salles Leonardo Avritzer Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Osvaldo Coggiola Marcus Ianoni Annateresa Fabris Paulo Fernandes Silveira Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Daniel Costa Slavoj Žižek Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Claudio Katz Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Bucci José Dirceu Eugênio Trivinho Gilberto Maringoni Ronald Rocha Marcos Silva Ricardo Abramovay Thomas Piketty Salem Nasser Atilio A. Boron João Adolfo Hansen Henry Burnett Érico Andrade Carlos Tautz Milton Pinheiro Daniel Brazil Mário Maestri Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima Rubens Pinto Lyra José Geraldo Couto Marilena Chauí Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Boff Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Caio Bugiato Vanderlei Tenório Michael Roberts Rafael R. Ioris José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Bruno Machado Leda Maria Paulani Everaldo de Oliveira Andrade José Raimundo Trindade Luiz Renato Martins Marcelo Módolo Airton Paschoa Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Chico Whitaker Luiz Marques Ricardo Fabbrini Luciano Nascimento João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Lorenzo Vitral Dennis Oliveira Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Eliziário Andrade Tadeu Valadares Matheus Silveira de Souza Kátia Gerab Baggio José Machado Moita Neto Gabriel Cohn Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Liszt Vieira Eleonora Albano Celso Frederico Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Andrés del Río Paulo Capel Narvai Juarez Guimarães Francisco Fernandes Ladeira Priscila Figueiredo Ladislau Dowbor Armando Boito Julian Rodrigues Ricardo Antunes José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Elias Jabbour Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Maria Rita Kehl Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Michael Löwy Otaviano Helene Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada