Alegorias da leitura

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO ADOLFO HANSEN*

Comentário sobre o livro de Paul de Man.

Alegorias da leitura foi publicado nos EUA em 1979, tentando ultrapassar os princípios genéticos da história literária. Quando fora daqui ainda se discutia a modernidade, declarada morta pelo “pós-utópico”, o livro incluía-se numa vertente antimetafísica e não-teleológica do “moderno”, deslocando a passagem de Hegel: “O resultado não é senão o mesmo que o início, porque o início é fim”.

Como Lacan, que afirma ser intotalizável a gramática da retórica do inconsciente, De Man propunha a crítica literária como teoria de atos performativos de leitura. Nietzschiano, ainda poderá ser intempestivo por aqui, pois a rarefação a que submete as categorias do contínuo, desnaturalizando-as enquanto desloca todo o campo das letras e da filosofia, é polemicamente não-teleológica.

Pode-se não concordar com sua postulação da radical contingência do sentido, mas deve-se reconhecer o rigor do nominalismo que faz seu texto sutilmente dinamitador do senso comum de doadores de consciência humanista enlatada, que provavelmente o classificarão como pedante ou niilista. Ou de coisa muito pior.

Na juventude, antes de ser professor de literatura em Harvard, Cornell, Johns Hopkins e tornar-se catedrático em Yale, De Man aderiu ao nazismo. Com o chavão “Nietzsche nazista” – fútil como o que responsabiliza Marx pelo stalinismo –, adversários de De Man alegaram que sua desconstrução é irracionalismo complementar de seu nazismo. Outro desconstrutor, Jacques Derrida, defendeu-o desse gênero de acusação e dedicou-lhe um livro.

A asserção de Nietzsche de que não há Ursprung (origem ou início), mas só Erfindung (invenção) é o pressuposto de sua crítica. A origem, a finalidade e o sentido da história seriam ficções contingentes comprováveis pela literatura, uma vez que, de todas as práticas discursivas, ela é a única que afirma explicitamente o próprio caráter de artifício produtor de efeitos fictícios. Com Nietzsche, De Man propõe que a literatura é verdadeira justamente porque assume que é aparência; logo, a constitui como o campo teórico de uma heurística, uma arte da invenção, em que testa as relações contingentes de sentido.

Assim, o título “Alegorias da Leitura” significa pelo menos três coisas: as metáforas literárias lidas nos textos, as metáforas filosóficas com que lê os textos e as metáforas críticas resultantes da intersecção das outras. Como não postula nenhum fundamento, pressupõe que a linguagem se pensa anonimamente a si mesma nos discursos, nos quais deixa traços deslocados de um sentido intotalizável. A postulação da contingência do sentido implica outra, também polêmica, que atinge a filosofia, dada como gênero literário cujo discurso não passaria de ficção com pretensões a verdade. Perguntando: “Qual a Diferença?”, os ensaios sofistas de “Alegorias” constituem a filosofia como uma reflexão infinita sobre sua própria destruição pela literatura.

Vale para De Man o trocadilho com o termo Bunker, “mascarador”, que aplica a Nietzsche e Derrida, “arquidesmascaradores”. Lendo obras de Rilke, Proust, Nietzsche e Rousseau, analisa a retórica dos tropos e figuras que as ordenam. Simultaneamente, desordena sua classificação como “filosofia” e “literatura”: Rilke e Proust são “filosóficos”, assim como são “literários” Nietzsche e Rousseau, pois todos organizam os discursos retoricamente.

Como o Nietzsche do ensaio “Retórica dos Tropos”, De Man recusa-se a entender “retórica” na acepção platonicamente pejorativa de “discurso da opinião” ou no sentido vulgar de “oratória” e “eloquência persuasiva”. Como entende que é a metáfora que estrutura a linguagem, afirma que todo discurso é retórico, inclusive o filosófico.

“Gramática” é o nome para o “corpus” de frases univocamente lógicas que permitiria construir sistemas de definições fixas, e fazer a pergunta teórica sobre a diferença entre filosofia e retórica. De Man argumenta, porém, que o enunciado que a faz pode simultaneamente estar negando a própria possibilidade de fazê-la.

Qualquer frase gramatical se torna enunciado retórico, não porque opõe um significado figurado, “segundo”, a outro literal, “primeiro”, mas porque é impossível decidir qual deles prevalece nos usos. Logo, o “corpus” de frases metaprescritivas de sistemas “gramaticais” constituídos como logicamente unívocos, que fundamentam a representação, a hermenêutica e a história genética, também é entendido como efeito de um artifício retórico. Consequentemente, De Man propõe que as gramáticas estruturalistas da retórica literária feitas nos anos 60-70 reduziram os enunciados literários, que são atos ficticiamente performativos de um sentido indecidível, a uma sintaxe descontextualizada de frases constativas (“Semiologia e Retórica”).

Se o discurso sobre a retórica também é retórico, a definição gramatical do sentido dos textos literários e filosóficos é metáfora. Assim, a própria operação crítica é indecidível: gramaticalizar De Man, lendo-lhe a crítica como sentido literal, duplica metaforicamente sua retórica. Assim, o valor e o sentido de sua operação só se definem quando são deslocados e sempre se deslocam quando definidos: a crítica é uma “ignorância suspensiva”.

Não é negatividade, transformação e superação do presente. Não avança para a utopia do futuro que, segundo a concepção genética, aparece parcialmente (re)velada na representação como sentido primeiro de unidade original. Não postula o contínuo temporal, a consciência, a ideologia e a dialética, pois todo fim contido no início, ou teleologia, é mera contingência ou produto de uma perspectiva singular.

Na medida em que a verdade da literatura é afirmar-se como o efeito que evidencia os processos retóricos de (des)montagem da ficção literária, filosófica e crítica, Proust, Rilke, Nietzsche e Rousseau demonstrariam que a potência da ficção é levar uma questão até seus limites, mantendo sobre ela dois pontos de vista antagônicos, como nos “argumentos duplos” dos sofistas. A literatura é a única prática teórica na qual duas asserções opostas são simultaneamente mantidas e desconstruídas, efetuando-se o sentido como mero diferencial linguístico.

Por exemplo, na crítica retórica da retórica da poesia de Rilke, De Man afirma que a concepção de figura do poeta elimina toda pretensão a verdade. Seus temas seduzem os críticos pela promessa de transcendência da condição humana na imanência neutra das coisas, mas só se realizam poeticamente quando Rilke renuncia à autoridade extratextual, dissolvendo a mesma promessa pela perspectiva da mentira. A promessa de verdade de sua poesia só se torna plenamente inteligível, enfim, quando se demonstra que sua enunciação teatraliza para o destinatário a fraude do seu reconhecimento.

Na passagem de Du Côté de Chez Swann, em que Marcel fala da “obscura claridade” do quarto onde lê, a oposição de “interior/exterior” é dada como artifício retórico que alegoriza a natureza dos tropos e figuras. Tratando da “obscura claridade”, Proust comentaria metaforicamente as potências da própria metáfora que organiza o romance, propondo-a como superior à metonímia. No entanto, a demonstração de tal superioridade tem justamente estrutura metonímica, porque se desloca como encadeamento linear de palavras. Como a verdade rilkiana, a superioridade da metáfora proustiana se dissolve no próprio ato que a afirma.

Se a gente pensasse antes de falar, diz Alice, nunca ninguém diria nada. Aqui, ao contrário, antes que qualquer boca se abra, toda a linguagem se pensa performativamente, num eco heideggeriano que a faz proliferar. “Por que o ser e não antes o nada?”, pergunta-se alegoricamente o desconstrutor Paul de Bunker, que na juventude foi homem do Bunker.

*João Adolfo Hansen é professor titular aposentado e sênior de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Agudezas seiscentistas – Obra reunida, vol 1 (Edusp).

Referência


Paul de Man. Alegorias da leitura. Tradução: Lenita R. Esteves. Rio de Janeiro, Imago, 344 págs.

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas/ Folha de S. Paulo, em abril de 1997.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dênis de Moraes Bruno Machado Leonardo Boff Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira Lincoln Secco Jorge Branco José Machado Moita Neto Andrés del Río Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Fernando Nogueira da Costa José Raimundo Trindade Afrânio Catani Priscila Figueiredo Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Marilena Chauí Salem Nasser Eugênio Trivinho Dennis Oliveira Daniel Costa Bento Prado Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Luiz Renato Martins José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Luiz Marques Manuel Domingos Neto Claudio Katz Valerio Arcary Daniel Brazil Renato Dagnino José Dirceu Otaviano Helene Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque João Sette Whitaker Ferreira Eleutério F. S. Prado Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles José Geraldo Couto Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Michael Roberts Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade Jean Marc Von Der Weid Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza Sandra Bitencourt André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Atilio A. Boron Eleonora Albano Flávio R. Kothe Vladimir Safatle Carlos Tautz Marcos Silva Gabriel Cohn Eugênio Bucci Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Maria Rita Kehl Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Liszt Vieira Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares José Luís Fiori Slavoj Žižek Carla Teixeira Valerio Arcary Denilson Cordeiro Henri Acselrad Heraldo Campos Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Igor Felippe Santos Leda Maria Paulani Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henry Burnett Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Avritzer Caio Bugiato Celso Favaretto João Adolfo Hansen Flávio Aguiar Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Armando Boito João Carlos Loebens João Feres Júnior Manchetômetro Eduardo Borges Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Antonio Martins Matheus Silveira de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri Tarso Genro Annateresa Fabris João Paulo Ayub Fonseca Ronald León Núñez Celso Frederico Gilberto Lopes Fábio Konder Comparato Ronald Rocha Andrew Korybko Eliziário Andrade Marcelo Módolo Luis Felipe Miguel Airton Paschoa Ricardo Abramovay Chico Alencar Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Paulo Martins Michel Goulart da Silva João Lanari Bo Luís Fernando Vitagliano Ricardo Antunes Alysson Leandro Mascaro Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Anselm Jappe

NOVAS PUBLICAÇÕES