As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A derrota de Trump

Imagem: Silvia Faustino Saes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE BRANCO*

Biden não vai inverter a política de austeridade imposta à economia mundial, mas a derrota de Trump abre flancos na guerra de posições entre os trabalhadores e os super ricos

Para que o golpe militar de abril de 1964 no Brasil tivesse sucesso e o regime autoritário tivesse fôlego para se consolidar, foi muito importante o papel do governo estadunidense do Presidente democrata Lyndon Johnson.

Mais de dez anos após, com a eleição do democrata Jimmy Carter em 1976, o governo estadunidense passou a pressionar o Brasil em casos de desrespeito aos direitos humanos e, com isto, começou a erodir o apoio internacional à ditadura brasileira.

Se ambos os presidentes ‘ianques” eram governos do Partido Democrata, se ambos eram apoiados pelo mesmo bloco de forças e representavam os mesmo interesses econômicos, as mesmas frações burguesas e mantiveram, fundamentalmente, a mesma política internacional, a mesma política imperialista de garantira a “América para o americanos”, o que mudou? O que fez com que governos do mesmo partido tivessem posições diferentes sobre a ditadura brasileira?

Uma resposta exaustiva à essa pergunta deve levar em consideração distintos e complexos aspectos. Desde a situação econômica global aos aspectos de conflito entre diferentes grupos das elites políticas locais. Não é o caso de tratarmos aqui. Mas um elemento foi decisivo e salta aos olhos: a partir da tragédia da Guerra do Vietnam, da consolidação das ditaduras na América Latina e da luta por direitos civis cresceu um forte movimento social de contestação da política intervencionista e imperialista dos EUA. A pressão da opinião pública, a mobilização de vários setores à esquerda e a adesão de grande parte da juventude e de setores médios das grandes cidades estadunidenses à crítica ao papel dos estados Unidos no mundo foi decisiva para que o governo Carter tivesse que recuar em seu apoio orgânico às ditaduras, entre elas à do Brasil.

O resultado das eleições presidências nos Estados Unidos, ocorrida agora em novembro de 2020, indica a formação de um colégio eleitoral favorável à Joe Biden e sua vice, Kamala Harris, do Partido Democrata. A vitória de um é obviamente a derrota de seu oponente, neste caso a derrota de Donald Trump.

Muito tem se dito que há pouca diferença, no fundamental, entre Biden e Trump. Em certa medida isto é verdadeiro. São expressões de um mesmo grande campo de interesses econômicos e de uma razão comum, a razão neoliberal e sua política de austeridade, destruição de direitos e contestação de soberanias e autonomias de outros povos e nações.

Porém não é toda a verdade. Se ambos expressam esta razão neoliberal, não o fazem com a mesma estratégia, tampouco não a aplicam com os mesmos métodos e com os mesmo sujeitos. Trata-se de reconhecer a distinção entre um bloco neoliberal humanista e um bloco neoliberal reacionário, na distinção proposta por Nancy Fraser. Entre um bloco que opta pela hegemonia política, incluindo para dominar, e um bloco que opta pela supressão como modo da dominação.

Se ambas resultam na dominação de uma mesma razão e de um mesmo grande bloco, o que importam as diferenças? Importam muito para aqueles que querem subverter essa dominação.

Trump é a liderança de um forte reposicionamento da direita reacionária no mundo que, após anos de recuo e defensiva política, viu a crise macroeconômica crescer como uma oportunidade para se apresentar para o grande capital financeiro como a única corrente política capaz de manter suas altas taxas de acumulação com base na extirpação de direitos para o que precisaria de uma disposição antidemocrática e de guerra. Aquilo que Heinrich Geiselberger chama de “a grande regressão”.

A política e a razão discursiva de Trump tornou-se base de legitimação e apoio não só à direita reacionária brasileira, capitaneada por Bolsonaro, mas também dos reacionários na Europa Ocidental, na Europa Oriental e na Ásia. Alemanha, Bélgica, Itália, Espanha, Suécia, Eslovênia viram crescer, nas últimas eleições, partidos reacionários e neofascistas. De governos reacionários como os da Hungria, Polônia, Áustria, República Tcheca, Índia, Ucrânia e Filipinas. De golpes políticos como os tentados na Venezuela e efetivado na Bolívia, já derrotado.

A derrota eleitoral de Trump é o grande fato político do momento e deve ser medido e compreendido em um contexto de combate à regressão neofascista e neoliberal.

Primeiro, porque sua derrota política e sua reação prometendo combate e denunciar possíveis fraudes no sistema eleitoral estadunidense aponta para uma crise bastante grande nas relações entre os grandes grupos empresariais com possíveis efeitos sobre este consenso reacionário.

Segundo, por que a derrota de Trump é também a expressão de uma forte reação dos movimentos sociais e de uma esquerda, em seu sentido amplo, que ao contestar as políticas reacionárias de Trump criou parcelas importantes das condições para sua derrota. O papel da esquerda socialdemocrata no interior do Partido Democrata, liderados por Bernie Sanders, Stacey Abrams e Alessandra Ocasio-Cortez, dos movimentos antirracistas, dos movimentos anti homofóbico, pelo movimento feminista, pela esquerda socialista anti Wall Street, foi decisivo para balançar o andaime do apoio popular à Trump.

Este resultado cria um novo quadro político de reação internacional ao neoliberalismo reacionário no mundo e assim deve ser lido o resultado do plebiscito no Chile e a vitória de Arce na Bolívia, revertendo um golpe de Estado promovido pela burguesia subordinada boliviana.

Não há aqui qualquer ilusão que Biden vá inverter a política de austeridade imposta à economia mundial, mas a derrota de Trump abre flancos nesta guerra de posições entre os trabalhadores e o super ricos.

*Jorge Branco é doutorando em Ciência Política pela UFRGS.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Celso Frederico Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Mário Maestri Paulo Sérgio Pinheiro Kátia Gerab Baggio Lucas Fiaschetti Estevez Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Marjorie C. Marona Henry Burnett Ronald León Núñez Henri Acselrad Ladislau Dowbor Paulo Capel Narvai Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Bruno Machado Marcus Ianoni Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Mariarosaria Fabris Eliziário Andrade Érico Andrade Samuel Kilsztajn Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Marques Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Luís Fernando Vitagliano Ronaldo Tadeu de Souza João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Slavoj Žižek Remy José Fontana Eduardo Borges João Carlos Salles Marcos Aurélio da Silva Benicio Viero Schmidt Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Jorge Branco Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Roberto Bueno Walnice Nogueira Galvão Juarez Guimarães Valerio Arcary Valério Arcary Marcelo Módolo Armando Boito Lincoln Secco João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Celso Favaretto Milton Pinheiro José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Sandra Bitencourt Chico Alencar Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Boaventura de Sousa Santos Francisco Pereira de Farias Luciano Nascimento Vanderlei Tenório Eleutério F. S. Prado André Singer Carla Teixeira Rodrigo de Faria Annateresa Fabris Marilena Chauí Igor Felippe Santos Renato Dagnino Caio Bugiato Luiz Costa Lima Carlos Tautz José Costa Júnior Fernão Pessoa Ramos Paulo Martins Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Michael Löwy Alexandre de Freitas Barbosa Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Tadeu Valadares Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Lopes Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Dennis Oliveira Luiz Roberto Alves Eugênio Bucci Osvaldo Coggiola Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra José Geraldo Couto Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Gabriel Cohn Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Tarso Genro José Luís Fiori Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Priscila Figueiredo Flávio Aguiar Gerson Almeida Elias Jabbour Berenice Bento Salem Nasser Claudio Katz Daniel Afonso da Silva Marcelo Guimarães Lima Afrânio Catani Chico Whitaker Vladimir Safatle Anselm Jappe Roberto Noritomi José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Eleonora Albano João Carlos Loebens Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Denilson Cordeiro Leonardo Boff Daniel Costa Ari Marcelo Solon Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada