As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os eternos coveiros do PT

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

Por sobre a malta de seus eternos coveiros, o PT continua sendo o maior partido de esquerda do Brasil, um dos maiores e melhores da América Latina e do mundo

Esclareço desde logo: em São Paulo, apoiei Boulos e Erundina desde a primeira hora. Respeito as demais opções à esquerda. Esclareço: na paulistânia, Boulos, além de ser um super-quadro, traz o vento favorável da renovação geracional, e injeta racionalidade no PSOL, para longe do primarismo ressentido anti-petista  que caracterizou várias lideranças do partido, do norte ao sul, de leste a oeste. E Erundina, do alto de seus oitenta anos, se renova, junto a Boulos.

Dito isto, sublinho: por sobre a malta de seus eternos coveiros, o PT continua sendo o maior partido de esquerda do Brasil, um dos maiores e melhores da América Latina e do mundo. Que se defenda a frente anti-bolsonaro que se queira: ampla, popular, de esquerda, de centro-esquerda, etc. Qualquer delas, sem o PT, sem o Lula, não vai prosperar.

Ao contrário do que alardeiam seus coveiros, o PT saiu-se galhardamente nestas eleições municipais. Nunca um partido e suas lideranças foram tão enxovalhadas e desacreditadas pela mídia mainstream do Brasil por tão longo tempo e com argumentos tão falsos e contundentes, tão mais contundentes quanto mais falsos, porque esta equação exige uma operação interna de quem nela embarca de mãos e pés juntos, qual seja, aquilo que em inglês se chama “suspension of disbelief”, a “suspensão da descrença”. No campo político isto significa o abandono de qualquer espírito crítico e independente, para aderir à grosseria das falsificações mais grosseiras. Não que o PT seja um convento onde entram apenas monjas e monges “sans taches et sans reproche”, longe disto. Mas a mídia mainstream e os inimigos do povo quiseram fazer dele o bode expiatório de todos os males que afligem o campo político brasileiro e mundial. Jogaram em cima do PT a pecha de ser o partido mais corrupto da nossa história, quase o fundador da corrupção; de ter jogado zilhões de reais fora para ajudar regimes supostamente ditatoriais e comunistas. Na verdade, nunca a corrupção foi tão investigada quanto sob os governos do PT; e foi sob estes governos que o Brasil juntou o lastro indispensável de reservas expressivas em moedas internacionais, para ser um receptor seguro de investimentos em escala mundial, já que a nossa burguesia prefere cada vez mais investir suas polpudas reservas em paraísos fiscais de reputação mais que suspeita, além dos supermercados de Miami.  E algumas vezes houve a ajuda de expressivas lideranças de esquerda: não me esqueço das cenas televisivas da líder psolista, com sua camisetinha t-shirt, ombro a ombro com Netinho (apelido mais carinhoso de ACM Neto), investigando as supostas mazelas do suposto mensalão, cuja existência nunca foi provada e, parodiando o Ulisses de Fernando Pessoa, “por não ter vindo, veio e ficou”. Mais ainda: pela esquerda, acusou-se o PT e Lula de tudo. Desde terem “desarmado as massas”, que nesta visada estavam sempre prontas para invadir o Palácio do Planalto como se fosse o de Inverno em São Petersburgo em 1917, até terem desavergonhadamente favorecido o capital através do incentivo ao consumismo por parte dos pobres e miseráveis.

Enfim, vou encurtar a história: nesta nossa, o PT veio para ficar. Ele faz parte inalienável da pluralidade das nossas esquerdas. Já falei de Boulos e do PSOL; para não dizer que não falei de flores, parodiando o Vandré, vamos de Manuela e PCdoB/PT em Porto Alegre. E em tempo: os coveiros do PT ganharam agora um valioso aliado, o Sr. Barack Obama, através de suas memórias; muito coerente, pois, afinal, a Lava Jato foi gestada em sua terra durante seu governo.

*Flávio Aguiar é jornalista, escritor e professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Ricardo Abramovay José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Antonio Martins Sandra Bitencourt João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Módolo Mariarosaria Fabris Daniel Afonso da Silva Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Luiz Marques Valério Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Costa Lima Heraldo Campos Antônio Sales Rios Neto Airton Paschoa Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Luis Felipe Miguel Eugênio Trivinho Anselm Jappe Marilena Chauí Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Berenice Bento Ronald Rocha Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Ronald León Núñez Carlos Tautz José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Bruno Machado Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Jorge Branco Eugênio Bucci Caio Bugiato Rafael R. Ioris Eduardo Borges Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Lopes Bento Prado Jr. Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Afrânio Catani Luiz Werneck Vianna Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Ricardo Fabbrini Alysson Leandro Mascaro Roberto Noritomi Anderson Alves Esteves Renato Dagnino Bernardo Ricupero Valerio Arcary Michael Roberts Lucas Fiaschetti Estevez Samuel Kilsztajn Érico Andrade Flávio Aguiar Carla Teixeira Manuel Domingos Neto Daniel Brazil Eleonora Albano Marcos Aurélio da Silva Luiz Renato Martins Manchetômetro Tarso Genro Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Tales Ab'Sáber Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn Eliziário Andrade José Machado Moita Neto Celso Frederico Fábio Konder Comparato Gerson Almeida Leonardo Sacramento Juarez Guimarães Vladimir Safatle Otaviano Helene Luciano Nascimento Francisco Fernandes Ladeira Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria André Márcio Neves Soares Leonardo Avritzer José Luís Fiori Paulo Capel Narvai Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes Julian Rodrigues Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Michael Löwy Remy José Fontana Gilberto Maringoni Paulo Martins Ricardo Musse Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Chico Alencar Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Roberto Bueno Liszt Vieira Slavoj Žižek Milton Pinheiro Leonardo Boff Celso Favaretto Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko João Carlos Salles Daniel Costa Armando Boito Luiz Eduardo Soares Jorge Luiz Souto Maior Yuri Martins-Fontes Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Marjorie C. Marona Salem Nasser Marcus Ianoni André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada