As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Anitta

Imagem_Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUCIANO NASCIMENTO*

A crise política no Brasil é resultado de séculos de falhas – ou de sucessos, quiçá – nos vários projetos educacionais nacionais. Essas falhas atingem em cheio, mais cedo ou mais tarde, os anônimos e os famosos, os agentes políticos involuntários e os voluntários, profissionais ou não

A cantora Anitta respondeu publicamente, em suas redes sociais, às críticas que vem recebendo, nessas mesmas redes, por ter assumido seu relativo desconhecimento no campo da Ciência Política. O raciocínio da artista não poderia ter sido mais preciso, e uma síntese honesta dele é: “Não sei hoje sobre política porque antes não me ensinaram; agora pergunto porque quero aprender para depois decidir melhor meu voto; zombar desse desejo de aprender atrapalha o processo de amadurecimento político pelo qual o Brasil precisa passar”.

Sem dúvida nenhuma todo o episódio diz muito sobre a “briga de foice no escuro” que é a política nacional em 2020, briga atiçada de maneira irresponsável, por vários atores, ao longo dos últimos dez anos, pelo menos. Diz muito também, infelizmente, sobre a misoginia, o elitismo e o racismo “nossos” de cada dia.  Contudo, intrincado nesse episódio das agressões à Anitta, há um aspecto basal – primeiro, portanto – que não pode ser negligenciado. Esse aspecto concerne tanto à Educação quanto à Comunicação: o fluxo de informações e de saberes, em tempos de instantaneidade comunicacional midiática, é um processo melindroso demais para ser confiado ao acaso ou a pressuposições genéricas personalistas, carentes de sustentação objetiva, verificável.

Trocando em miúdos, o Brasil de 2020 é uma evidência cabal do quanto nos faz falta um projeto político educacional orientado para a promoção da efetiva circulação dos múltiplos saberes produzidos pela humanidade. Correndo o risco de pecar por exagero reducionista, a urgência da construção e da adoção, no Brasil, de uma proposta pedagógica assim, transcultural e comunicacional, é o grande alerta pulsante nas páginas de Reinventando a Educação, um dos últimos livros do ex-diretor da Fundação Biblioteca Nacional e professor emérito da UFRJ, o jornalista Muniz Sodré – que, aliás, na data em que escrevo, se recupera da COVID num hospital do Rio de Janeiro, para a alegria de familiares e amigos.

Todo o entorno da cena protagonizada por Anitta atesta uma série de lacunas na educação do povo brasileiro no que concerne a temas relativos à política – Darcy Ribeiro, a propósito, aventou que tais lacunas talvez não sejam acidentais. No evento em questão, elas mostram a amplitude de seu espectro: de um lado, ao contrário do que defendem os adeptos da “Escola sem partido”, a escola brasileira, considerando a evidência empírica dos resultados práticos de sua atuação, não doutrina ninguém, sequer é capaz de oferecer de maneira adequada e ostensiva um mínimo de informação que permita a crianças, adolescentes, jovens e adultos (em formação escolar extemporânea) vislumbrarem a dinâmica de forças políticas que os mantém dominados, facilmente manipuláveis e ignorantes; de outro lado, entre os poucos que de alguma maneira conseguiram escapar dessa máquina de domesticação intelectual e alcançaram algum grau de criticidade, muitas vezes faltam compromisso pedagógico e habilidade política para abraçar quem deseja aprender, se informar e desenvolver senso crítico, iniciativa primordial para o exercício político pleno, mas que, uma vez ridicularizada, rapidamente se transforma em mágoa, ressentimento e aversão, o que, no limite, facilita muito o engodo dos outsiders, como temos visto mundo afora.

A crise política no Brasil é resultado de séculos de falhas – ou de sucessos, quiçá – nos vários projetos educacionais nacionais. Essas falhas atingem em cheio, mais cedo ou mais tarde, os anônimos e os famosos, os agentes políticos involuntários e os voluntários, profissionais ou não. Dentro desse último grupo, o de agentes políticos voluntários, sobretudo entre os profissionais, há quem se beneficie da ignorância política da maioria do povo, e há quem supostamente deseje combatê-la. Já passou da hora de estes sujeitos políticos voluntários, os que se dizem progressistas, compreenderem a urgência medular, vital, de, no momento histórico e social que vivemos, acolher e ensinar política ao maior número possível de pessoas, sem gracejos nem revanchismo. Hoje é claramente matemático o quanto a vida de milhões de brasileiros depende disso.

É hora de afeto e diálogo, dois pilares da pedagogia de Paulo Freire, o mundialmente respeitado patrono da Educação brasileira. E – ponto para Anitta e Gabriela Prioli! – “nenhuma teoria que não possa ser comunicada numa conversa cotidiana pode ser usada para educar o público”, como bem salienta bell hooks (escrito assim mesmo, com iniciais minúsculas, por opção dela, batizada Gloria Watkins); a passagem está em Ensinando a transgredir – a Educação como prática de liberdade. hooks é leitora entusiasmada e assumida de Freire, também lido por Muniz Sodré, outro intelectual defensor da Educação pela Comunicação.

O cruzamento do pensamento de Freire, hooks e Sodré se estampa no confronto entre a inteligente e bela Anitta, e a fera raivosa da deseducação politica brasileira (ora declaradamente fascista, ora só superficialmente progressista). Aprendamos a ler os sinais.

*Luciano Nascimento é doutor em Literaturas pela UFSC e professor do Colégio Pedro II.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carla Teixeira Roberto Bueno Heraldo Campos Antonio Martins Annateresa Fabris Anselm Jappe Chico Whitaker Lincoln Secco Lorenzo Vitral Ladislau Dowbor Celso Frederico Luiz Werneck Vianna Antônio Sales Rios Neto Luís Fernando Vitagliano Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto Leonardo Sacramento João Carlos Loebens Henry Burnett Gerson Almeida Fernão Pessoa Ramos Roberto Noritomi Fábio Konder Comparato Marjorie C. Marona Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Chico Alencar Gilberto Lopes José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Liszt Vieira Igor Felippe Santos João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos Valerio Arcary Michael Roberts Eduardo Borges Luciano Nascimento Caio Bugiato Rodrigo de Faria Ronald Rocha Thomas Piketty Mariarosaria Fabris Marcos Silva Julian Rodrigues José Luís Fiori Osvaldo Coggiola João Adolfo Hansen Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Flávio R. Kothe Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Gilberto Maringoni João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Eugênio Trivinho Valério Arcary Leonardo Avritzer Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff Eleonora Albano Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Jorge Branco Érico Andrade Ricardo Abramovay Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira Dennis Oliveira Milton Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Manchetômetro Eugênio Bucci Everaldo de Oliveira Andrade Jean Pierre Chauvin Luiz Costa Lima José Costa Júnior Dênis de Moraes Flávio Aguiar André Singer Andrew Korybko Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Elias Jabbour Renato Dagnino Antonino Infranca Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Gabriel Cohn Ricardo Musse Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Leda Maria Paulani Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Luiz Renato Martins Luiz Marques Juarez Guimarães João Feres Júnior Afrânio Catani Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira Ricardo Fabbrini Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro Marcelo Guimarães Lima Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Tarso Genro Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Ronald León Núñez Eliziário Andrade Daniel Brazil Sergio Amadeu da Silveira Jorge Luiz Souto Maior Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Alysson Leandro Mascaro Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada