As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O desafio do bolsonarismo

Clara Figueiredo, série_ Brasília_ fungos e simulacros, super quadra, 2018
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DAVID MACIEL*

Não basta vencer Bolsonaro, é preciso também reconquistar a iniciativa política

Os resultados do 1º turno das eleições presidenciais, realizado no dia 2 de outubro, revelam processos que estão em curso na sociedade brasileira há algum tempo e indicam tendências políticas e ideológicas extremamente preocupantes para as classes trabalhadoras, os movimentos sociais e as organizações de esquerda, particularmente aquelas da esquerda socialista.

O maior realce vem da votação maciça dos candidatos de extrema direita em todas as esferas de disputa, conquistando espaço político e institucional maior do que nas eleições anteriores, com grande peso na disputa para o segundo turno e na luta política futura. Apesar do descalabro econômico, político e moral do governo de Jair Bolsonaro, este conquistou uma votação surpreendente na disputa presidencial, particularmente junto aos setores proletarizados, enquanto o bolsonarismo e seus aliados avançaram de maneira expressiva nos governos estaduais, na Câmara dos Deputados e no Senado.

Tais resultados mostram a grande inserção da perspectiva político-ideológica conservadora e mesmo fascista em largas parcelas da população, revelando um enraizamento que coloca em xeque a tática e a estratégia de luta da esquerda da ordem e da própria candidatura Lula. Enquanto a campanha bolsonarista partiu para o enfrentamento, fazendo uso e abuso das vantagens que lhe foram concedidas pelo “estado de emergência” para mobilizar sua base e intimidar a oposição – ameaça golpista, violência política, assistencialismo eleitoreiro, fake news, “voto de cabresto” miliciano, evangélico e/ou empresarial –, a candidatura de Lula se limitou a operar nos marcos da ordem, apresentando-se como fiador do “sistema”, das “instituições”, como se estas, completamente esgarçadas, ainda gozassem de alguma legitimidade junto à massa da população.

Diante do desafio apresentado pelo bolsonarismo, a campanha lulista optou pelo “quietismo”, não pela mobilização de massas e pela organização de base; costurou alianças “pelo alto” com as forças e lideranças de centro-direita, em acelerado processo de derretimento eleitoral, tratando os movimentos sociais e organizações de esquerda como meros apêndices da “grande aliança”; prometeu a restauração de um passado idealizado e historicamente superado, ao invés de apresentar um programa tanto de reversão das medidas autoritárias, das contrarreformas e do neoliberalismo extremado, quanto de ampliação dos direitos políticos, sociais e trabalhistas dos trabalhadores.

Nas semanas finais da campanha para o 1º turno, Lula apelou para o discurso monocórdio do “voto útil” pela defesa do “Estado democrático de direito”, tema completamente abstrato para a maioria da população e que não condiz em absoluto com a realidade política e institucional do país desde o golpe de 2016.

Essa tática eleitoral se insere numa estratégia política de acomodação com as mudanças políticas, institucionais e econômicas adotadas desde o golpe de 2016, e mais ainda com o próprio bolsonarismo, à medida que aposta na conciliação de classes e na conquista do governo por dentro da própria institucionalidade autoritária atualmente vigente. Para tanto, foi preciso frear a mobilização popular pelo impeachment de Jair Bolsonaro e contra a escalada fascistizante e neoliberal dirigida pelo governo e pelo Centrão ao longo deste ano, permitindo assim a presença de Lula na disputa eleitoral como “adversário ideal” para fazer contraponto a Jair Bolsonaro.

Além de impotente para confrontar o avanço do bolsonarismo e a escalada fascistizante/neoliberal em curso, esta estratégia remete para as calendas gregas a necessária superação política, institucional e econômica do golpe de 2016, fortalecendo sua legitimação política pela via eleitoral e permitindo apenas “correções” pontuais aqui e acolá. Correções que não alteram a correlação de forças em favor dos trabalhadores, nem modificam o atual modelo econômico de ultraprecarização e superexploração do trabalho, primarização econômica, acirramento da dependência e pilhagem dos bens e recursos públicos e naturais sob o garrote do capital financeiro.

No entanto, apesar das contradições entre as frações burguesas bolsonaristas e não bolsonaristas, para o conjunto do bloco no poder esta situação é extremamente confortável, pois nestas circunstâncias a possibilidade de legitimação política e de aprofundamento das medidas autoritárias, das contrarreformas e da política econômica neoliberal se fortalece, independentemente do resultado do segundo turno.

Na estratégia burguesa, combinam-se tanto a licença dada a Jair Bolsonaro pelo “estado de emergência” para que cometa crimes eleitorais, mobilize sua base para a violência política e vitamine sua candidatura, quanto a pressão sobre a candidatura Lula para que mantenha o ajuste fiscal, o teto de gastos, as contrarreformas neoliberais, o tripé da politica econômica (superávit primário, regime de metas de inflação e câmbio flutuante) e outras medidas que favorecem a exploração dos trabalhadores, a acumulação capitalista e a privatização de bens, recursos e direitos em nome da manutenção do “Estado democrático de direito”! Ou seja, para o bloco no poder, o curso histórico iniciado em 2016 não tem volta, deve ser legitimado, mantido e aprofundado.

Diante deste quadro e dos resultados do primeiro turno, torna-se evidente que não é possível combater a guerra total movida pelo bolsonarismo, nem a perspectiva burguesa de legitimação do atual status quo, com acordos de gabinete, adesão de artistas e celebridades ou reminiscências do passado. É preciso que os trabalhadores, movimentos sociais e organizações de esquerda transformem a campanha eleitoral num amplo movimento pelo Fora Bolsonaro e contra a legitimação do golpe de 2016 por meio da eleição de Lula e da criação de comitês populares permanentes, que não se desarticulem após as eleições.

Portanto, não se trata apenas de eleger Lula e assim evitar a vitória de Jair Bolsonaro e impedir a continuidade de um governo desastroso e absolutamente hostil aos mais comezinhos interesses dos trabalhadores. Trata-se também de reconquistar a iniciativa política, retomar a mobilização de massas e avançar na organização de base, para que a crise capitalista e o golpe de 2016 sejam superados pela ampliação das liberdades democráticas e direitos sociais e pelo controle dos bens e recursos públicos pelos trabalhadores. As forças da esquerda socialista e os movimentos sociais estão chamados a cumprir esta tarefa histórica sem demora nem tergiversação.

*David Maciel é professor de história. Autor de História, política e revolução em Marx e Engels (edições Gárgula).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henry Burnett Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Luiz Roberto Alves André Singer Marcelo Guimarães Lima Gilberto Lopes José Luís Fiori Caio Bugiato Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Avritzer Jorge Branco Remy José Fontana Priscila Figueiredo Antonio Martins Otaviano Helene Anderson Alves Esteves Fábio Konder Comparato Manchetômetro Eleutério F. S. Prado Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Marcus Ianoni Antonino Infranca Renato Dagnino Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Gilberto Maringoni João Carlos Salles José Micaelson Lacerda Morais Valério Arcary Eleonora Albano Luiz Werneck Vianna Marcos Silva Luciano Nascimento Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Chico Alencar Anselm Jappe Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Denilson Cordeiro Roberto Noritomi Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Dennis Oliveira Érico Andrade Flávio R. Kothe Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Mariarosaria Fabris Vinício Carrilho Martinez Ricardo Fabbrini Tales Ab'Sáber Lincoln Secco Vladimir Safatle Eduardo Borges Berenice Bento João Lanari Bo Celso Frederico Claudio Katz Gabriel Cohn Leonardo Sacramento Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Luiz Costa Lima Leonardo Boff Ronald León Núñez Daniel Brazil Afrânio Catani Julian Rodrigues Salem Nasser Ladislau Dowbor Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Liszt Vieira Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Milton Pinheiro Ricardo Antunes Armando Boito Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Thomas Piketty Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva José Dirceu André Márcio Neves Soares Carlos Tautz Valerio Arcary Heraldo Campos Bernardo Ricupero Fernão Pessoa Ramos Paulo Martins Eugênio Trivinho Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Henri Acselrad Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Musse Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca Vanderlei Tenório Tadeu Valadares Luiz Marques Samuel Kilsztajn Atilio A. Boron Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Gerson Almeida João Carlos Loebens Marjorie C. Marona Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Maria Rita Kehl Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Roberto Bueno Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Tarso Genro Ricardo Abramovay José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Paulo Nogueira Batista Jr Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada