As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Borba Gato vive!

John Sloan (1871–1951), Cinza e Latão, óleo sobre tela, 55,9 × 68,6 cm, 1907.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Borba Gato é o ídolo oculto de pastores fundamentalistas, dos latifundiários, das elites que acham conveniente elogiar capangas e capachos cumpridores de seu dever

Borba Gato, símbolo paulista mais que quatrocentão, bandeirante de vasta folha corrida, foi um dos primeiros genocidas de nossa história. Além de matar centenas de brasileiros originários, estuprava jovens e crianças indígenas, conforme registros. Serviu aos interesses colonialistas com denodo até se envolver numa treta com o ourives real, Rodrigo de Castelo Branco, que foi encontrado morto numa pirambeira. Borba Gato passou anos escondido no mato, depois desse evento.

Brasil, século XXI. Aldeias indígenas são queimadas de forma criminosa, e um representante da Funai é pego numa gravação dizendo que tem que “mandar bala” nos povos isolados. Favelas encravadas na cidade, em regiões de alto interesse imobiliário, são incendiadas de forma “misteriosa”. Mendigos são queimados com gasolina em via pública. Terreiros de umbanda e candomblé são carbonizados por mãos supostamente cristãs, brancas e defensoras de valores evangélicos. Florestas, campos e cerrados são destruídos por incêndios criminosos, para que novos bandeirantes ocupem aqueles territórios.

Borba Gato está vivo. No espírito do dirigente da Funai, no discurso do Ministro do Meio Ambiente, do Presidente da República, dos dirigentes da Fiesp. Borba Gato é o ídolo oculto de pastores fundamentalistas, dos latifundiários, das elites que acham conveniente elogiar capangas e capachos cumpridores de seu dever.

Incendiar uma estátua de Borba Gato não vai reparar nenhum crime que ele cometeu. Não vai restituir a vida dos milhares de brasileiros que morreram queimados em aldeias, favelas, pontos de ônibus e florestas desde 1718, ano da morte do facínora. Mas certamente vai indignar todos aqueles que se beneficiaram, mesmo sem saber, de sua atuação premonitória e seminal.

Não importa se era uma estátua horrorosa, um bonecão de pastilha, uma homenagem ingênua de Julio Guerra aos bonecos de barro nordestinos, ou um símbolo do bairro de Santo Amaro, erigido em 1963. Não importa o irrelevante valor histórico da obra, que materializa o discurso estético de certa elite paulista decadente.

O que importa é que o espírito de Borba Gato continua vivo. Infelizmente.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Luís Fernando Vitagliano Luiz Renato Martins Ronald León Núñez Marcus Ianoni Manchetômetro Vladimir Safatle Maria Rita Kehl Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório Michael Löwy Annateresa Fabris Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Salem Nasser João Sette Whitaker Ferreira Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Juarez Guimarães José Raimundo Trindade Ricardo Musse Lincoln Secco Everaldo de Oliveira Andrade José Costa Júnior Celso Favaretto Milton Pinheiro Jorge Branco Thomas Piketty Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Daniel Brazil André Singer Marilia Pacheco Fiorillo Lorenzo Vitral Armando Boito Samuel Kilsztajn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Rafael R. Ioris Paulo Martins Roberto Noritomi Jean Pierre Chauvin Eduardo Borges José Dirceu Henri Acselrad João Adolfo Hansen Carla Teixeira Liszt Vieira Marilena Chauí Henry Burnett João Feres Júnior Chico Whitaker Anselm Jappe Ricardo Abramovay Antônio Sales Rios Neto Eugênio Trivinho Valerio Arcary Chico Alencar Alexandre de Lima Castro Tranjan Osvaldo Coggiola Ladislau Dowbor Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Michael Roberts João Carlos Salles Eleonora Albano Caio Bugiato Eliziário Andrade Jean Marc Von Der Weid Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Dênis de Moraes Bruno Machado Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Igor Felippe Santos Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Fernão Pessoa Ramos Kátia Gerab Baggio Ricardo Antunes Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Érico Andrade Luiz Eduardo Soares Marcos Silva Renato Dagnino Daniel Costa André Márcio Neves Soares Luiz Werneck Vianna Afrânio Catani Luiz Marques Slavoj Žižek Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Dennis Oliveira Leonardo Boff Walnice Nogueira Galvão Luiz Costa Lima Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Mariarosaria Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Valério Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Lopes Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Otaviano Helene Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Denilson Cordeiro Heraldo Campos Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Airton Paschoa João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour Andrew Korybko Remy José Fontana Luciano Nascimento Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai José Machado Moita Neto José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Antonino Infranca José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Bento Prado Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada