As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

BRICS e o dólar

Imagem: Feson Xie
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDREW KORYBKO*

Os BRICS querem “jogar seguramente” porque todos os seus membros, à exceção da Rússia, têm relações de interdependência econômico-financeira complexas com o Ocidente

No mês passado, “a comunidade de mídia alternativa ficou em choque depois que o Banco dos BRICS confirmou que cumpre as sanções ocidentais”, e agora essa mesma comunidade de mídia alternativa acaba de ser atingida com mais duas bombas de verdade depois que outros funcionários importantes confirmaram que não querem desdolarizar-se e não são antiocidentais. O ministro das Finanças sul-africano, Enoch Godongwana, disse à Reuters no início deste mês, numa entrevista, que o foco do grupo é expandir o uso de moedas nacionais e não a desdolarização.

O veículo de comunicação também citou o diretor financeiro do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, popularmente chamado de Banco dos BRICS), Leslie Maasdorp, no mesmo artigo, que lhes disse que “a moeda operacional do banco é o dólar por uma razão muito específica, os dólares americanos estão onde se encontram os maiores poços de liquidez… Não se pode sair do universo do dólar e operar num universo paralelo”. A confirmação oficial de que os BRICS não querem desdolarizar-se levou diretamente ao esclarecimento seguinte sobre o fato de não serem antiocidentais.

O embaixador sul-africano no BRICS, Anil Sooklal, corrigiu falsas percepções sobre o papel global da organização numa entrevista à Bloomberg, há alguns dias, na qual afirmou que “há uma narrativa infeliz que está sendo desenvolvida, segundo a qual o BRICS é antiocidente, que o BRICS foi criado para competir com o G7 ou o Norte Global, e isso é incorreto. O que nós procuramos é fazer avançar a agenda do Sul Global e construir uma arquitetura global mais inclusiva, representativa, justa e equitativa”.

Em conexão com este propósito, ele também confirmou o que Godongwana e Maasdorp disseram no início do mês sobre como os BRICS não desejam desdolarizar-se. Nas palavras de Sooklal, “o comércio em moedas locais está firmemente na agenda (mas) não há nenhum item de desdolarização na agenda dos BRICS. Os BRICS não estão fazendo um apelo à desdolarização. O dólar continuará sendo a principal moeda global – Isso é uma realidade”. Estas revelações sobre os BRICS podem, compreensivelmente, confundir o membro médio da comunidade de mídia alternativa.

Afinal de contas, muitos deles foram induzidos a erro pelos principais influenciadores, imaginando que este grupo está conspirando para dar um golpe mortal no dólar por ódio ao Ocidente, mas nada poderia estar mais longe da verdade depois do que os principais funcionários revelaram nas últimas três semanas. A presidente do Banco dos BRICS, Dilma Rousseff, confirmou que o banco cumpre as sanções anti-russas do Ocidente; Godongwana, Maasdorp e Sooklal confirmaram que o banco não quer desdolarizar-se; e este último também confirmou que não é antiocidental.

Os BRICS ainda podem “fazer avançar a agenda do Sul Global e construir uma arquitetura global mais inclusiva, representativa, justa e equitativa”, exatamente como Sooklal esclareceu ser sua intenção a despeito dos fatos “politicamente inconvenientes” que acabaram de ser compartilhados, mas isso se dará num ritmo gradual e não acelerado. É aí que reside o cerne das percepções errôneas sobre o assunto, que a Rússia procurou corrigir no início do mês, depois de ter finalmente percebido que seus interesses de soft power estão ameaçados pelas expectativas irrealistas de seus apoiadores.

Uma massa crítica da comunidade de mídia alternativa convenceu-se de que o BRICS era algo que não é, através de uma combinação de influenciadores bem-intencionados, mas ingênuos, que forçavam seus desejos sobre isso, e outros que, maliciosamente, faziam o mesmo para gerar influência, promover sua ideologia e/ou trapacear. Paralelamente, alguns dos rivais deste campo na mídia tradicional fizeram alarmismo em relação ao BRICS com o objetivo oculto de galvanizar os ocidentais contra ele, mas que também deram um falso crédito às afirmações populistas da comunidade de mídia alternativa.

Em conjunto, é fácil, em retrospectiva, entender por que tantas pessoas caíram na falsa narrativa de que os BRICS estão conspirando para dar um golpe mortal no dólar por ódio ao Ocidente, razão pela qual os responsáveis da organização decidiram esclarecer as coisas nas últimas semanas antes de sua próxima cúpula. Não queriam que as expectativas irrealistas de seus apoiadores conduzissem a uma profunda desilusão que, por sua vez, os tornasse suscetíveis a sugestões hostis, nem queriam assustar o Ocidente, levando-o a reagir de forma exagerada.

O primeiro resultado potencial que poderia ter acontecido se os esclarecimentos mencionados anteriormente não tivessem sido feitos era o risco de encher seus apoiadores com tal desespero que eles poderiam tornar-se apáticos em relação ao BRICS ou até mesmo voltar-se contra ele depois de se sentirem enganados. Quanto ao segundo, alguns no Ocidente poderiam ter intensificado suas campanhas de pressão contra o BRICS e seus parceiros, incluindo chantagem, ingerência política e ameaças de sanções, tudo para parar o bloco em seu caminho.

Depois de desmascarar a desinformação que tem sido expelida sobre sua organização tanto pela comunidade de mídia alternativa como pela mídia tradicional, cada um com agendas polares opostas, mas ainda suspeitamente confiando em narrativas praticamente idênticas, os funcionários do BRICS estão agora mais confiantes de que estes piores cenários podem ser evitados. Esta verificação da realidade acalma seus apoiadores e prepara-os para esperar uma transição prolongada para a multipolaridade, enquanto reduz ao mesmo tempo as hipóteses de que o Ocidente reagirá de forma exagerada aos objetivos de seu grupo.

Para desenvolver a última observação, os acontecimentos dos últimos dezoito meses, desde o início da “operação especial” da Rússia, convenceram o Ocidente de que a transição sistêmica global para a multipolaridade é irreversível, razão pela qual estão agora dispostos a considerar reformas em seus modelos hegemônicos. O chanceler alemão Olaf Scholz, a ex-diretora para a Europa e a Rússia do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Fiona Hill, e o presidente do Goldman Sachs para Assuntos Globais, Jared Cohen sugeriram isso no mesmo dia, em meados de maio.

Eles acreditam que o Ocidente tem que se envolver com o Sul Global num nível mais igualitário, o que exige a diminuição de algumas de suas práticas de exploração mais flagrantes, de modo a não perder mais corações e mentes para a Entente Sino-Russa. Para esse fim, estão positivamente inclinados a aceitar mudanças graduais no sistema financeiro global, como as que os responsáveis dos BRICS confirmaram ter em mente, mas responderão resolutamente a quaisquer desenvolvimentos revolucionários que corram o risco de acelerar drasticamente esta transição.

Em termos simples, os BRICS querem “jogar seguramente” porque todos os seus membros, à exceção da Rússia, têm relações de interdependência econômico-financeira complexas com o Ocidente, que não deverá reagir de forma exagerada às suas reformas fragmentadas, uma vez que seus próprios responsáveis políticos acreditam agora que elas são inevitáveis. Entre esses quatro membros, predominam duas escolas de pensamento, representadas pela China e pela Índia, cujas respectivas diferenças de visão foram explicadas em detalhes aqui.

Em resumo, a China quer acelerar a internacionalização do yuan e integrar os BRICS na Iniciativa Cinturão e Rota, enquanto a Índia quer dar prioridade às moedas nacionais e manter os BRICS oficialmente separados da Iniciativa Cinturão e Rota. No entanto, ambos concordam que as mudanças no sistema financeiro global devem ser graduais, a fim de evitar provocar uma reação excessiva mutuamente prejudicial por parte do Ocidente, com quem todos eles, à exceção da Rússia, mantêm relações de interdependência complexa.

Todos têm direito à sua própria opinião sobre esta realidade que acaba de ser descrita, mas os fatos que foram compartilhados ao longo desta análise em apoio das observações associadas não podem ser negados. Qualquer influenciador importante da comunidade de mídia alternativa que ainda insista na narrativa desmascarada sobre a conspiração dos BRICS para dar um golpe mortal no dólar por ódio ao Ocidente é desonesto. Aqueles que, entre seu público, agora sabem mais, devem educadamente verificar os fatos em seus posts para evitar que outros sejam enganados.

*Andrew Korybko é mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou. Autor do livro Guerras híbridas: das revoluções coloridas aos golpes (Expressão Popular).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Roberto Alves Antonino Infranca Valerio Arcary Sandra Bitencourt Celso Favaretto José Machado Moita Neto Henry Burnett Chico Whitaker Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Heraldo Campos José Raimundo Trindade Antonio Martins Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Celso Frederico Leonardo Avritzer João Sette Whitaker Ferreira Alysson Leandro Mascaro Ricardo Abramovay Valério Arcary Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Salem Nasser Leonardo Sacramento Luiz Marques Francisco Pereira de Farias Roberto Noritomi Ricardo Antunes Leonardo Boff Julian Rodrigues Juarez Guimarães Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Yuri Martins-Fontes Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini André Singer Marcos Silva José Luís Fiori Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani Daniel Afonso da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Anderson Alves Esteves Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida Chico Alencar Eliziário Andrade Afrânio Catani José Dirceu Ari Marcelo Solon Luiz Eduardo Soares Elias Jabbour Bruno Machado Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Caio Bugiato Ricardo Musse Priscila Figueiredo Fernando Nogueira da Costa Luiz Bernardo Pericás Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Luis Felipe Miguel Benicio Viero Schmidt Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Roberto Bueno Francisco Fernandes Ladeira Daniel Brazil Luiz Costa Lima José Geraldo Couto Claudio Katz Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Carla Teixeira Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Jorge Branco João Feres Júnior Michael Roberts João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez João Carlos Salles Daniel Costa Lincoln Secco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Anselm Jappe Marilena Chauí Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Érico Andrade Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Lopes Eleonora Albano Kátia Gerab Baggio Flávio R. Kothe Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Manuel Domingos Neto Bernardo Ricupero Luiz Werneck Vianna Armando Boito Andrew Korybko Eleutério F. S. Prado Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima Ronald Rocha Marcelo Módolo Marcus Ianoni Thomas Piketty Paulo Capel Narvai Flávio Aguiar João Carlos Loebens Paulo Martins Tales Ab'Sáber Dennis Oliveira Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Rodrigo de Faria Maria Rita Kehl André Márcio Neves Soares Manchetômetro Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro Remy José Fontana Renato Dagnino Tarso Genro Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Michael Löwy Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada