As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Na foz do rio Amazonas

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHAEL LÖWY*

Em vez de se lançar na aventura regressiva e ecologicamente catastrófica desta exploração off-shore, o Brasil poderia se tornar um exemplo de vanguarda na transição ecológica

A confrontação entre o Ibama e Marina Silva, de um lado, e a Petrobras – apoiada por uma aliança de desenvolvimentistas e de ruralistas – de outro, é uma batalha decisiva. Não so para a população local e as comunidades indígenas da Amazonia; mas para todo o povo brasileiro – o que será do Sul do país sem os rios de chuva da Amazônia? – e para toda a humanidade.

Não só pelo risco – imenso – de acidente, com a resultante destruição ecológica de toda a região da foz do rio Amazonas, mas porque esse petróleo vai contribuir notavelmente para as emissões de CO2, responsáveis pela mudança climática.

O argumento demagógico da Petrobras é que a exploração deste petroleio off shore trará recursos para o Brasil, que serviriam para desenvolver o país. Uma das formas de responder a este argumento é com uma proposta semelhante ao que foi o Plano Parque Yasuni no Equador. O Parque Yasuni era uma região da Amazônia no Equador, com uma enorme riqueza de biodiversidade, habitada por comunidades indígenas, que continha quantidades consideráveis de petróleo em seu subsolo.

Os indígenas e ecologistas, com o apoio do então Ministro da Energia, Alberto Acosta, propuseram um plano, que foi aceito, e oficialmente anunciado na Assembleia Geral das Nações Unidas em 2007, pelo governo do Presidente Rafael Correa. O Plano Parque Yasuni consistia no seguinte: o Equador manteria os 850 milhões de barris do petróleo sob o solo do Yasuni. Como contrapartida aos recursos que o Estado equatoriano deixaria de arrecadar com a exploração e venda desse petróleo, a comunidade internacional seria estimulada a compensá-lo financeiramente pela aplicação dessa difícil decisão, que, segundo a proposta, traria benefícios a todo o planeta, graças a preservação desse precioso bioma amazoniano, e graças à enorme quantidade de CO2 que não seria emitida por este petróleo.

A expectativa do governo equatoriano era receber pelo menos 3,6 bilhões de dólares, equivalentes a 50% dos recursos que o Estado arrecadaria caso optasse pela exploração petroleira na região. Entretanto, os governos dos países ricos, que deveriam assumir este compromisso, se abstiveram, ou propuseram um financiamento muito inferior. O resultado foi que em 2013 o governo de Rafael Correa abandonou o Plano, o que provocou um conflito com o movimento indígena no Equador que dura até hoje.

O governo Lula poderia propor algo equivalente, um Plano Foz do Amazonas: o Brasil renunciaria à exploração deste petróleo off-shore, e em troca, os governos dos países mais ricos (Europa, América do Norte, Japão) indenizariam o país pela metade do valor deste petróleo. Este dinheiro seria colocado num fundo destinado a proteger a Amazônia e promover a transição ecológica no Brasil, com o desenvolvimento de uma agricultura orgânica (familiar ou cooperativa), de um serviço publico gratuito de transporte coletivo nas grandes cidades, etc.

A diferença com a experiência do Equador seria que, mesmo se, num primeiro momento, os países capitalistas avançados não manifestarem muito entusiasmo pela proposta, o governo brasileiro não voltaria atrás. Com a pressão crescente da juventude e do movimento ecológico – preciosos aliados do Brasil neste combate – e com o agravamento da crise climática, propostas de “deixar o petróleo debaixo da terra” se tornarão cada vez mais centrais no debate político. Seria uma batalha política levada pelo Brasil no plano internacional, e talvez um exemplo a ser seguido por outros países do Sul global.

O petróleo – como o carvão – é uma fonte de energia condenada pela história. Em vez de se lançar, com o Petrobras, na aventura regressiva e ecologicamente catastrofica desta exploração off-shore, o Brasil poderia se tornar un exemplo de vanguarda na transição ecológica.

*Michael Löwy é diretor de pesquisa em sociologia no Centre nationale de la recherche scientifique (CNRS). Autor, entre outros livros, de O que é o ecossocialismo (Cortez).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Abramovay Lorenzo Vitral Ronald Rocha Jean Marc Von Der Weid Priscila Figueiredo Eleonora Albano Vladimir Safatle Gabriel Cohn Milton Pinheiro Otaviano Helene Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Heraldo Campos Jorge Luiz Souto Maior Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Ronaldo Tadeu de Souza Tales Ab'Sáber Armando Boito Renato Dagnino Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Eugênio Bucci Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Carlos Tautz Francisco Fernandes Ladeira Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Carla Teixeira Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Luiz Marques Eduardo Borges Henri Acselrad José Dirceu Leonardo Sacramento Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Marcos Silva Benicio Viero Schmidt Rodrigo de Faria Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Luiz Costa Lima Slavoj Žižek Celso Frederico Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil Flávio Aguiar Daniel Costa Eugênio Trivinho Anderson Alves Esteves Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Érico Andrade Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Alexandre Aragão de Albuquerque Lincoln Secco Luiz Renato Martins Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Gilberto Maringoni Afrânio Catani Flávio R. Kothe Chico Alencar Leonardo Boff Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo José Raimundo Trindade Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Vinício Carrilho Martinez Michael Löwy Roberto Noritomi Henry Burnett Valério Arcary Gilberto Lopes Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Lucas Fiaschetti Estevez Tarso Genro Rafael R. Ioris Sergio Amadeu da Silveira Salem Nasser Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Elias Jabbour Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Chico Whitaker Anselm Jappe Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Ladislau Dowbor André Singer Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Alexandre de Lima Castro Tranjan Daniel Afonso da Silva Berenice Bento Bruno Machado Luiz Werneck Vianna Marcos Aurélio da Silva Michael Roberts Eliziário Andrade Bento Prado Jr. Ricardo Musse Gerson Almeida Remy José Fontana Vanderlei Tenório Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento João Carlos Loebens Paulo Martins Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto José Luís Fiori Antônio Sales Rios Neto João Feres Júnior Ricardo Antunes Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary João Adolfo Hansen Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada