China, Alemanha, Brasil

Imagem: Kaique Rocha
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

O cenário internacional merece destaque, além das próprias razões intrinsicamente estratégicas, mas também pelo fato de implicar efeitos sobre as possibilidades do Brasil no panorama mundial.

De um lado, a China às voltas com o caso Evergrande, que em primeiro momento atinge um setor responsável por aproximadamente 28% do PIB; mas, ao mesmo tempo, impõe condições sobre a produção de aço para o setor imobiliário afetado, com isso alterando as expectativas de exportação do minério de ferro brasileiro. Importante condição imposta pelas circunstâncias, que afeta o mercado brasileiro como um todo. Nossa dependência da China, principal parceiro econômico, cobra seu preço de instabilidade de preços e incerteza quanto à retomada do crescimento. Aliás, para ilustrar, o crescimento industrial da China neste último mês foi o mais baixo desde 2011.

De outro lado, as eleições parlamentares na Alemanha, com hegemonia socialdemocrata na construção da aliança com os Democratas-Cristãos e os Verdes. Esta aliança corrobora as eleições havidas nos países nórdicos recentemente, onde a socialdemocracia se recuperou de revezes antigos, fortalecendo especialmente suas conexões com ambientalistas de todas as cores. O meio ambiente deve ser o eixo da relação entre Alemanha e Brasil, mais do que nunca. É por parte da Alemanha que, mais fortemente, a Europa critica a política (falta de) ambiental do Brasil bolsonarista. Esta postura vem, na verdade, desde a realização Conferência Rio-92. O então chanceler alemão, Helmut Kohl, em reunião do G-7, sugeriu o lançamento de um programa de proteção às florestas do Brasil, tendo sido proposto o PPG-7 (Programa Piloto para a Proteção das Florestas Brasileiras) . É portanto uma política relativamente antiga, que assume maiores possibilidades de pressão sobre as autoridades brasileiras, agora e no futuro imediato. Nos primeiros anos, com apoio em comunidades indígenas, ONGs, instituições do sistema nacional de meio ambiente e com cobertura do Banco Mundial,  houve 26 projetos envolvendo US$ 460 milhões de dólares. O atual governo, na administração Ricardo Salles, desmobilizou o Fundo Amazônia, que tem a Alemanha e a Noruega como grandes contribuintes . Agora, com aliança com os Verdes alemães, as pressões devem trazer novos e pertinentes incômodos à política ambiental brasileira.

No plano interno a reforma administrativa, devido aos impasses frente às remunerações e prebendas do poder judiciário, é postergada. A pressão dos servidores públicos, por meio de suas entidades representativas, também tem sido decisiva no adiamento do que se avizinha como um ataque frontal à estabilidade dos funcionários públicos em geral; bem como uma estratégia de terceirização de funções públicas para organizações sociais e empresas privadas. A iminência de eleições em 2022 serve de freio às maiores investidas, apesar de sua aparente inexorabilidade legislativa/

A PEC dos Precatórios continua nas Câmaras de conversação entre o Ministério de Economia e os dirigentes do Congresso Nacional. A resolução do impasse afetará a possibilidade de um “Auxílio Brasil” mais vigoroso do que a atual Bolsa Família. O teto dos gastos é o grande óbice à liberação de recursos que favorecem as políticas clientelistas de Bolsonaro.

Na perspectiva eleitoral, destaque-se a pesquisa do IESPE, confirmando o favoritismo de Lula, em qualquer cenário; bem como a desaprovação  do governo federal em 51% dos entrevistados de todas as classes. No mais, vai ser consolidada a fusão entre o DEM e o PSL, no que resultará na sigla UNIÃO BRASIL, que será o maior partido de direita no Congresso Nacional. Anima-os, especificamente, a possibilidade do lançamento de nome apto a quebrar a monotonia Lula-Bolsonaro nas eleições presidenciais. Uma incógnita, que depende de muitos fatores e articulações.

Para ilustrar o desalento com as possibilidades do crescimento econômico do país por parte da população, destaque-se o fato do governo dos Estados Unidos aumentar para três o número semanal de voos com repatriados brasileiros.

A CPI- COVID no Senado prossegue, colecionando provas do comportamento criminoso de autoridades, lobistas e setores médicos no tratamento de pacientes “experimentais” com COVID. Até o encerramento da Comissão (20 de outubro) esperam-se encaminhamentos ao Ministério Público que indiciem e culpem em responsáveis.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Sérgio Pinheiro Michael Löwy Jean Pierre Chauvin Mário Maestri Dennis Oliveira Valerio Arcary Atilio A. Boron Benicio Viero Schmidt Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn Antonino Infranca Andrew Korybko Marcelo Módolo Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Flávio Aguiar Ronald Rocha Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Ricardo Abramovay Alexandre Aragão de Albuquerque Tales Ab'Sáber Claudio Katz Yuri Martins-Fontes Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez Paulo Martins Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor André Márcio Neves Soares Walnice Nogueira Galvão Leonardo Boff Milton Pinheiro Julian Rodrigues Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Chico Alencar Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva Michael Roberts Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Caio Bugiato Salem Nasser Chico Whitaker Anselm Jappe Kátia Gerab Baggio José Costa Júnior Manchetômetro José Dirceu Luiz Roberto Alves Daniel Costa Bruno Machado Otaviano Helene Thomas Piketty Annateresa Fabris Lorenzo Vitral André Singer Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Carla Teixeira José Geraldo Couto Heraldo Campos Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Eugênio Trivinho Carlos Tautz Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Tarso Genro Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Elias Jabbour Juarez Guimarães Luciano Nascimento Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira Luiz Renato Martins Renato Dagnino Dênis de Moraes João Lanari Bo Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Francisco Pereira de Farias Antonio Martins Celso Frederico Luiz Marques Priscila Figueiredo Andrés del Río Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Érico Andrade Marcus Ianoni Eugênio Bucci José Luís Fiori Marilena Chauí Gabriel Cohn Eliziário Andrade João Feres Júnior Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Salles Luis Felipe Miguel Armando Boito Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Celso Favaretto Jorge Luiz Souto Maior Airton Paschoa Lincoln Secco Tadeu Valadares Henri Acselrad Osvaldo Coggiola Ricardo Fabbrini João Adolfo Hansen Eleonora Albano Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Avritzer Matheus Silveira de Souza Marcos Silva Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Bernardo Ricupero Flávio R. Kothe Ronald León Núñez Ricardo Antunes Denilson Cordeiro Vanderlei Tenório

NOVAS PUBLICAÇÕES