Ainda a solução dos dois Estados

Imagem: Fidan Nazim qizi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ LEON CROCHIK*

Parece haver juízos consolidados e enlouquecidos de todos os lados; sua negação: a superação do conflito, com a pacificação das relações, que é o negativo do conflito, ainda não se apresentou

O terror assombrou Israel no dia 7 de outubro: assassinatos generalizados, corpos mutilados, queimados; denúncias de estupros; humilhação das mulheres; pessoas sequestradas. Como era de se esperar a resposta não tardou e veio forte. O inesperado horror gerando o horror esperado.

Nas frases e nos atos do Hamas e de seus apoiadores: desterro dos judeus; nos ataques descomunais do exército israelense: milhares de civis – mulheres, crianças, idosos – massacrados.

Que há israelenses, também no governo, que tenham intenções genocidas, difícil de duvidar. Todos os israelenses desejam isso? Só uma percepção alterada da realidade para afirmar isso. Afirmar que todos os palestinos desejam a morte dos judeus, também só pode ser obra de deturpação da realidade.

Nesses casos, perde-se a diferenciação que todos os povos têm internamente, o que retira a possibilidade de compreender o que ocorre. Junte-se a isso, os interesses dos dirigentes envolvidos dos dois lados de permanecerem no poder. Não parece que o Hamas represente todos os palestinos da Faixa de Gaza; esse também é o caso em Israel.

Não bastasse os diretamente envolvidos no conflito, há os que têm interesses de domínio regional e outros no domínio global, na nova composição de blocos que está se formando; há o interesse da indústria bélica; há o interesse dos abutres que esperam o conflito terminar para voar e comer a carniça que restar.

Nos que estão longe do conflito e não estão direta ou indiretamente envolvidos, em vez de tentarem soluções para sua resolução, agem como torcidas fanáticas de times de futebol, com a diferença que seu ódio punitivo agora pode ser realizado com a satisfação do desejo da morte dos outros, considerados como não-humanos; nisso, não é de menor importância o crescimento do antissemitismo e da islamofobia.

E a solução de dois Estados, cujas populações possam viver seguras, com o devido reconhecimento do direito à existência de ambos? É retaliada de todos os lados com razões milenares ou seculares.

O nacionalismo exacerbado deve ser enfrentado. A ideia da terra como posse universal deve se realizar, mas se há limites para isso neste momento, pode-se empreender esforços para a convivência entre duas culturas milenares que muito contribuíram e continuarão a contribuir para todos.

Max Horkheimer e Theodor Adorno escreveram: “O verdadeiro tresloucar (das Verrückte) consiste na impossibilidade de se deslocar (Unverrübarkeit), na incapacidade do pensamento de atingir essa negatividade, em que consiste, diferentemente do juízo consolidado, o verdadeiro pensamento”.[1]

Parece haver juízos consolidados e enlouquecidos de todos os lados; sua negação: a superação do conflito, com a pacificação das relações, que é o negativo do conflito, ainda não se apresentou. Onde está o “verdadeiro pensamento”, o que busca a pacificação, na qual não haja derrotados? Não se deve retornar ao ponto inicial deste embate, e, sim, voltar à negociação dos dois Estados.

*José Leon Crochik é professor titular aposentado do Instituto de Psicologia da USP e professor visitante da Unifesp. Autor, entre outros livros, de Teoria crítica da sociedade e psicologia. Alguns ensaios (Junqueira e Marin). [https://amzn.to/47xsPud]

Nota


[1] Horkheimer, M. & Adorno, T.W, Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed,. 1985, p. 181.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES