As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Relações glaciais

Imagem: Lilartsy
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por NOURIEL ROUBINI*

A reunião do G7 deixou claro que os EUA e seus aliados pretendem unir forças para combater a China

Os países do G7, em sua recente cúpula em Hiroshima, podem ter tentado dissuadir a China sem entrar efetivamente em uma nova guerra fria, mas da perspectiva de Pequim, eles falharam. Agora está claro para todos que os Estados Unidos, seus aliados e quaisquer parceiros que possam recrutar estão comprometidos em conter a ascensão da China.

Após a cúpula do G7 em maio último, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que espera um “degelo” nas relações com a China. No entanto, apesar de algumas reuniões bilaterais oficiais recentes – com a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, expressando esperanças de uma visita à China em breve – as relações permanecem frias, cada vez mais geladas.

Na verdade, longe de descongelar, a nova guerra fria está ficando mais e mais glacial. A própria cúpula do G7 ampliou as preocupações chinesas em relação aos Estados Unidos, já que parece ver que eles vão seguir uma estratégia de “contenção, cerco e supressão abrangentes”. Ao contrário das reuniões anteriores, quando os líderes do G7 ofereceram principalmente conversas e pouca ação, esta cúpula acabou sendo uma das mais importantes da história do grupo. Os EUA, o Japão, a Europa e seus amigos e aliados deixaram mais claro do que nunca que pretendem unir forças para combater a China.

Além disso, o Japão (que atualmente detém a presidência rotativa do grupo) fez questão de convidar os principais líderes do Sul Global, incluindo o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi. Ao estender a mão às potências emergentes e médias, o G7 quer persuadir outros a se juntarem à sua resposta como mais músculo à ascensão da China. Muitos provavelmente concordarão em ver a China como uma potência autoritária e capitalista de Estado que é cada vez mais assertiva na projeção de poder na Ásia e globalmente.

Embora a Índia (que detém a presidência do G20 deste ano) tenha assumido uma posição neutra sobre a guerra da Rússia na Ucrânia, há muito tempo vem travando uma competição com a China. Essa rivalidade estratégica se deve, em parte, ao fato de que os dois países compartilham uma longa fronteira, grande parte da qual está em disputa. Assim, mesmo que a Índia não se torne um aliado formal dos países ocidentais, continuará a se posicionar como uma potência global independente e em ascensão, cujos interesses estão mais alinhados ao Ocidente do que com a China e os aliados de fato da China (Rússia, Irã, Coreia do Norte e Paquistão).

Além disso, a Índia é um membro formal do QUAD – Diálogo de Segurança Quadrilateral –, um grupo de segurança formado por ela, os EUA, o Japão e a Austrália cujo propósito explícito é dissuadir a China; e o Japão e a Índia têm relações amistosas de longa data e uma história compartilhada de relações adversárias com a China.

O Japão também convidou a Indonésia, a Coreia do Sul (com a qual está buscando um degelo diplomático, impulsionado por preocupações comuns com a China), o Brasil (outra importante potência do Sul Global), a presidente da União Africana, Azali Assoumani, e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky. A mensagem era clara: a amizade sino-russa “sem limites” terá sérias consequências na forma como as outras potências percebem a China.

Mas, indo ainda mais longe, o G7 dedicou uma parte substancial de seu comunicado final para explicar como enfrentará e dissuadirá a China nos próximos anos. Entre outras coisas, o documento critica as políticas chinesas de “coerção econômica” e destaca a importância de uma parceria Indo-Pacífico para frustrar os esforços da China para dominar a Ásia. Critica o expansionismo chinês nos mares do Leste e do Sul da China e inclui um aviso claro à China para não atacar ou invadir Taiwan.

Ao tomar medidas para “triscar” suas relações com a China, os líderes ocidentais estabeleceram uma linguagem que é apenas um pouco menos agressiva do que “desacoplamento”. Mas, mais do que isso, a nomenclatura diplomática mudou. De acordo com o comunicado, os esforços de contenção ocidentais serão acompanhados por uma política para envolver o Sul Global com grandes investimentos na transição de energia limpa, para que países-chave não sejam atraídos para a esfera de influência da China.

Não admira que a China não tenha conseguido conter a sua fúria contra o G7. Além de se sobrepor a uma reunião do QUAD, a cúpula de Hiroshima ocorre em um momento em que a OTAN iniciou seu próprio pivô para a Ásia. Eis que a aliança composta por Austrália, Reino Unido e EUA se prepara para enfrentar a China no Pacífico.

Enquanto isso, a guerra tecnológica e econômica entre ocidentais e chineses continua a escalar. O Japão está impondo restrições às exportações de semicondutores para a China que não são menos draconianas do que as implementadas pelos EUA; ademais, o governo Biden está pressionando Taiwan e Coreia do Sul a seguirem o exemplo. Em resposta, a China proibiu os chips fabricados pela norte-americana Micron.

Com a fabricante de chips americana Nvidia está rapidamente se tornando uma superpotência corporativa – devido à crescente demanda por seus chips avançados para alimentar aplicações de Inteligência artificial – ela também provavelmente enfrentará novas restrições na venda para a China. Os formuladores de políticas dos EUA deixaram claro que pretendem manter a China pelo menos uma geração atrás na corrida pela supremacia da Inteligência artificial. No ano passado, o “Chips and Science Act” introduziu incentivos maciços para a retomada da produção de chips no território norte-americano.

O risco agora é que a China, esforçando-se para fechar sua lacuna tecnológica com o Ocidente, aproveite seu papel dominante na produção e refino de metais de terras raras – que são cruciais para a transição verde – para retaliar contra as sanções e restrições comerciais dos EUA. A China já aumentou suas exportações de veículos elétricos em quase 700% desde 2019, e agora está começando a implantar aviões comerciais para competir com a Boeing e a Airbus.

Assim, embora o G7 possa ter se proposto a dissuadir a China sem escalar a Guerra Fria, a percepção em Pequim sugere que os líderes ocidentais falharam em atingir os seus objetivos. Agora está mais claro do que nunca que os EUA e o Ocidente em geral estão comprometidos em conter a ascensão da China.

É claro que os chineses gostariam de esquecer que a escalada de hoje se deve tanto, se não mais, às suas próprias políticas agressivas em relação às estratégias norte-americanas. Em entrevistas recentes que marcaram seu 100º aniversário, Henry Kissinger – o arquiteto da “abertura dos Estados Unidos à China” em 1972 – alertou que, a menos que os dois países encontrem um novo entendimento estratégico, permanecerão em rota de colisão. Quanto mais profundo o congelamento, maior o risco de uma rachadura violenta.

*Nouriel Roubini é professor de economia na Stern School of Business da New York University. Autor, entre outros livros, de MegaThreats: ten dangerous trends that imperil our future (Little, Brown and Company).

Tradução: Eleutério F. S. Prado.

Publicado originalmente no portal Project Syndicate.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Liszt Vieira José Dirceu Alysson Leandro Mascaro André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Valério Arcary José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Manchetômetro Luciano Nascimento Leonardo Boff Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Marcos Silva Heraldo Campos Salem Nasser Jorge Branco Anderson Alves Esteves Roberto Noritomi Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Dennis Oliveira Alexandre Aragão de Albuquerque Priscila Figueiredo Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Rodrigo de Faria Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Leda Maria Paulani Ronald León Núñez Chico Whitaker Marcelo Módolo Gilberto Maringoni Juarez Guimarães Paulo Martins Otaviano Helene José Luís Fiori Slavoj Žižek Celso Favaretto Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Sergio Amadeu da Silveira Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan Osvaldo Coggiola José Raimundo Trindade Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Lincoln Secco Gerson Almeida José Machado Moita Neto Annateresa Fabris Henri Acselrad Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Armando Boito Thomas Piketty Daniel Afonso da Silva Luiz Marques Mário Maestri Anselm Jappe Ronald Rocha João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Renato Dagnino Berenice Bento Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Gabriel Cohn Chico Alencar Bruno Machado Flávio R. Kothe Roberto Bueno Rubens Pinto Lyra Afrânio Catani João Carlos Salles João Adolfo Hansen Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Ricardo Musse Antonino Infranca Eliziário Andrade Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay José Micaelson Lacerda Morais Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Érico Andrade Dênis de Moraes Michael Löwy Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Eduardo Borges Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa Remy José Fontana Julian Rodrigues Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Daniel Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Tarso Genro Bernardo Ricupero Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Carlos Tautz Leonardo Avritzer Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Carla Teixeira Gilberto Lopes Denilson Cordeiro João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Caio Bugiato Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Luiz Renato Martins André Singer Ricardo Antunes João Feres Júnior Daniel Brazil Samuel Kilsztajn Marcus Ianoni Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Francisco Fernandes Ladeira Luiz Costa Lima Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Andrew Korybko

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada