As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Direitos humanos fundamentais – a supressão da mentira

Imagem: Alexey Demidov
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VINÍCIO CARRILHO MARTINEZ*

1° de abril é o dia da mentira e do golpe de 1964

Considerações iniciais

Objetivamente, diremos que: onde desfila a miséria humana, já se destilou o ódio social – objetivando-se quem “poderia” sofrer violências e negações. Esse é o tipo de ódio que gruda e teima, como segunda pele. É esse ódio que faz distinção de vida: quem deve viver, quem pode (“merece”) morrer. Esse tipo de ódio é retratado em nossa história como um contínuo, um assombroso eterno retorno, em continuidade ao escravismo em sua mentalidade e nas suas práticas.

Esse ódio social nos explica porque modos de produção antigos, obsoletos, necrosados, atávicos como marquises de mitologias degeneradas, ainda subsistem no Brasil. Trata-se de um ódio escravista, encrustado, sacramentado religiosamente, supremacista, condescendente com a morte planejada e aguardada. Por isso vemos tantas pessoas serem resgatadas das condições de trabalho análogas à escravidão. Em alguns casos há até grilhões.

Esse ódio social ainda exemplifica o fato de que o Brasil combinou perfeitamente, num hibridismo de plantation, a escravidão e o capitalismo – na fase de acumulação primitiva de capitais. O consumo e o bem-estar sempre foram do colonizador.

Desse modo, resta evidente que, a luta pela integralidade dos Direitos Humanos Fundamentais, classistas, contudo, pela angular de quem olha a “contrapelo”, tem por objeto central a derrota do ódio social, racista, misógino, disruptivo da dignidade humana.

Um pouco mais sobre o objeto

A luta pelos Direitos humanos continua, é contínua e é sempre uma luta sistêmica, especialmente contra o arbítrio, as desigualdades, as intolerâncias, e toda forma de autocracia. É uma Luta pelo Direito, no sentido de Rudolf Von Ihering,[1] como luta política por dentro da luta de classes.

Para vermos a luta de classes, basta-nos abrir a janela e olhar para as ruas – sobretudo, se estiverem afastadas do conforto das classes médias em seus labirintos de condomínios excludentes, prontos a repelir, banir, como ávidos e hábeis sistemas banópticos.

O dia 1º de Abril de 2023, o primeiro sob a vigência da democracia ainda insuficiente, no pós-golpe de Estado de 2016, deve assim ser visto: ícone do atentado contra a nação, o povo, a classe trabalhadora, os pobres, as mulheres negras e os indígenas.

O golpe de 1964 só trouxe arbítrio e trevas, gerou por exemplo 2018 e as piores sequelas fascistas. Ainda estão em todo lugar. Assim, o dia 1° de abril é o dia da mentira e do golpe de 1964.

O golpe foi real, até hoje tem efeitos maléficos no povo e no Estado, porém, é Mentira (maiúscula) que houvesse iminência de comunismo. E, pior ainda, que o comunismo fosse prejudicial ao país. O comunismo não come criancinhas, mas fascistas degenerados sim; aliás, o fascista-mor desse país gaba-se de “ter pintado um clima”, com meninas de 12 anos.

O entreguismo da soberania nacional, as torturas, os assassinatos, as gravíssimas violações de direitos humanos, o AI-5 que eliminou formalmente os direitos fundamentais, tudo isso foi muito real, no pós-64. Os efeitos dessa realidade, escondidos em escombros de mentiras, tudo isso foi e ainda é muito real.

Portanto, o dia 1° de Abril deve ser considerado como o dia da pior mentira nacional. O dia em que teve início o planejamento meticuloso da corrupção dos nossos símbolos, das nossas riquezas nacionais, da própria “alma brasilis” – com reflexos na incapacidade de reflexão histórica que ainda nos compele.

Também deve ser tido como o dia da verdade, da verdade histórica impulsionada pelas inúmeras lutas de resistência política e popular. O dia da verdade que até hoje buscamos, e lutamos para que não seja esquecido. tratamos da luta de todos e de todas que perseveram na luta pelos direitos humanos – agora como eixo da diversidade cultural brasileira, nosso processo civilizatório, pela dignidade do povo, pela mais justa e equilibrada “unidade na diversidade”.

Pois, é disso que tratam os Direitos Humanos. Acrescente-se que devemos tratar dos direitos humanos fundamentais, ou seja, da fixação de urgência da dignidade do povo pobre, negro e oprimido. Como urgência, urgentíssima, afinal, a fome não espera. A fome de tudo, porque tudo lhes é negado.

Este deve ser o fundamento do Estado democrático de direito. Em que pese o fato óbvio que a dignidade humana de ninguém possa ser mitigada, secundarizada, é ainda mais óbvio e contundente (a quem tenha inteligência social) que a dignidade do povo pobre, negro e oprimido deve ser a guia social, política e econômica.

Se contabilizarmos os esforços por dizimar os povos tradicionais, os indígenas, os povos da floresta, os quilombolas, os miscigenados à força, a conta crescerá muito. Porém, ainda devemos acrescentar todos os atos criadores de privilégios, em benefício da tecnocracia, das hostes do poder público, aburguesadas e enviesadas pelo capital concêntrico, aglutinador de espólios e da renda nacional. Esse é, por exemplo, o perfil do Poder Judiciário, encastelado em redomas, sob a vertigem de uma casta que flutua sobre a realidade prosaica dos “reles mortais” (os contribuintes de suas benesses). Essa história, se não fosse um conto do vigário, seria uma replicação de Kafka, em seu processo descontínuo da credibilidade (honestidade pública) e do seu Castelo: onde vivem os jurisconsultos herdeiros dos piores tipos da Roma antiga.

Somemos a isso os verdadeiros atentados político-jurídicos cometidos contra a classe trabalhadora, as reformas trabalhistas que, praticamente, nunca trouxeram um benefício, um direito real aos trabalhadores – menos ainda para a mulher negra da classe trabalhadora.

Não é difícil perceber, entender, quando temos alguma inteligência social, que a luta pelos Direitos Humanos é muito mais do que uma luta pelo Direito; efetivamente, é uma luta política por meio da luta de classes. É uma luta que tem hora para começar, hoje, agora mesmo, neste instante em que escrevo, mas que não tem término: o malfeito sempre nos atingirá. E o pior a se fazer é, notoriamente, nada fazer.

Daí que a luta pela eficácia dos direitos humanos fundamentais é o miolo de urgência na retomada do Estado democrático de direito. Trata-se, então, de colocar a dignidade do povo pobre, negro e oprimido, como requisito essencial da luta pela recuperação dos Direitos Humanos neste país. Esta é a premissa do que aqui considero como direitos humanos fundamentais: lastrear a dignidade do povo pobre, negro e oprimido para que não mais conheçamos a miséria humana.

Por isso insistimos, mais do nunca: é imperiosa a luta pelo direito, como luta política por meio da luta de classes, em defesa e na promoção da efetivação dos direitos humanos fundamentais do povo pobre, negro e oprimido.

*Vinício Carrilho Martinez é professor do Departamento de Educação da UFSCar.

Nota


IHERING, Von Rudolf. A luta pelo direito. São Paulo, Martin Claret, 2002.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Marcelo Módolo Jorge Luiz Souto Maior Luís Fernando Vitagliano José Micaelson Lacerda Morais Paulo Sérgio Pinheiro Manchetômetro Flávio Aguiar Chico Alencar João Carlos Salles Jorge Branco Henry Burnett Leonardo Avritzer Tarso Genro Ronald Rocha Alexandre Aragão de Albuquerque Marjorie C. Marona Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca João Feres Júnior Luiz Eduardo Soares José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Gilberto Maringoni Celso Frederico José Dirceu Luiz Bernardo Pericás Luiz Costa Lima Fábio Konder Comparato Marcos Silva Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Sandra Bitencourt Walnice Nogueira Galvão Eleonora Albano Roberto Bueno Heraldo Campos Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Liszt Vieira Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Leda Maria Paulani Berenice Bento Afrânio Catani Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Andrew Korybko Atilio A. Boron Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins Lincoln Secco Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Airton Paschoa João Carlos Loebens Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Eduardo Borges José Geraldo Couto Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima Claudio Katz Lorenzo Vitral Flávio R. Kothe Caio Bugiato Valério Arcary Marcus Ianoni Gabriel Cohn Paulo Capel Narvai Bruno Machado Milton Pinheiro Antonino Infranca Rodrigo de Faria Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Anselm Jappe André Singer Vanderlei Tenório Daniel Costa Tadeu Valadares Tales Ab'Sáber Eliziário Andrade Thomas Piketty Manuel Domingos Neto João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto Gilberto Lopes Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Leonardo Sacramento Priscila Figueiredo Roberto Noritomi Renato Dagnino Érico Andrade Henri Acselrad Michael Roberts Valerio Arcary Anderson Alves Esteves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Luiz Marques Michael Löwy Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira João Adolfo Hansen José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris Slavoj Žižek Ricardo Musse Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Paulo Fernandes Silveira Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves Paulo Martins Lucas Fiaschetti Estevez Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Antônio Sales Rios Neto Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Leonardo Boff Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Gerson Almeida André Márcio Neves Soares Maria Rita Kehl Fernão Pessoa Ramos Armando Boito Marilena Chauí José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Rafael R. Ioris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada