Em destaque – VI

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

Um dos destaques da semana passada – e que deve permanecer como uma questão saliente nesta semana e nas próximas – foi a operação contra o senador José Serra, que teve seus escritórios e suas residências visitados pela Polícia Federal, em busca de provas da aludida ajuda que foi dada pela Odebrecht às suas campanhas eleitorais, perfazendo um total de 27 milhões de reais. Trata-se, sem dúvida, de uma questão polêmica que irá suscitar muitas controvérsias, porque Serra é um dos últimos tucanos históricos, faz parte do grupo dos fundadores do PSDB e é considerado como reserva política e moral do partido. Um partido que modificou tanto o seu perfil nos últimos anos a ponto de ser liderado em São Paulo por João Dória.

A segunda questão que permanece surpreendentemente em suspenso é a nomeação do ministro da Educação. Feder, o secretário paranaense, talvez prevendo um desenlace igual ao de seu contemporâneo Sérgio Moro, resolveu não aceitar a parada. O que traz outro problema para o governo, que fica assim mergulhado na polêmica entre os olavistas históricos e suas alas mais tecnocráticas etc. Curiosamente, uma das pessoas cogitadas, a professora Ilona Becskeházy, foi participante ativa da campanha de Ciro Gomes na última eleição. Portanto, deve ter pouca chance de ser ministra da Educação.

Enquanto isso, professores de cem universidades, entre membros de conselho e coordenadores de curso de pós-graduação, assinaram uma carta se posicionando contra duas diretrizes do atual diretor presidente de um dos órgãos do MEC, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). A carta contesta a nova política de destinação das bolsas de estudos, especialmente das novas, e a intenção de reduzir a nove as atuais 47 áreas do conhecimento avaliadas pelas comissões da CAPES. Os coordenadores destas cem universidades alegam que tradicionalmente medidas deste teor só foram adotadas após amplas deliberações em conselhos e em reuniões entre os representantes acadêmicos e a direção da CAPES. Eles se opõem, portanto, a essa mudança de rumo, pela qual a direção se arroga o direito de tomar decisões centralizadas e uninominais.

Persiste ainda a pressão internacional contra o desmatamento da Amazônia e os produtos originários das áreas ali desmatadas. Isso é mais sério do que se imagina, pois está associado à perda de posições do Brasil no Banco Interamericano e no Banco Mundial. Uma questão que irá permanecer e que tende a se agravar.

Chamou a atenção nos últimos dias a busca por protagonismo do ex-ministro Sérgio Moro. Ele concedeu inúmeras entrevistas na televisão, nas rádios e na imprensa escrita, arrependendo-se, piamente, da famosa reunião de 22 de abril, reconhecendo que deveria ter reagido de outra forma na ocasião e também em relação às posições que adotou acerca da política armamentista do presidente Bolsonaro e no combate à corrupção. É recomendável prestar atenção nessas eventualidades, porque dependendo das circunstâncias, da repercussão dos seus pronunciamentos, Moro tem condições de voltar ao campo da disputa presidencial ou a algo equivalente.

Não há como deixar de ressaltar a necrofilia de Bolsonaro no veto presidencial à obrigação de uso de máscaras em templos religiosos, em conglomerações humanas e nos presídios. Essa medida não faz o menor sentido, antes sinaliza um cultivo da morte, pois seus resultados já são conhecidos.

Por último, uma observação a respeito do curto-circuito entre a política preconizada pelo ministro Paulo Guedes e o que está efetivamente sendo feito, capitaneado pela Presidência da República. O programa de Paulo Guedes prevê políticas amplamente liberais e de desencargo dos direitos sociais dos trabalhadores. Na carteira verde-amarela, por exemplo, o trabalhador não contará com fundo de garantia, nem com cobertura do INSS, podendo ser contratado por horas independentemente de quem seja o contratante, até mesmo no mesmo dia. Isso reforçará a precarização do trabalho e das condições de reprodução da mão de obra.

Se, por um lado, se coloca em prática uma política que, respondendo às urgências impostas pela pandemia, é uma tentativa de proteger os desempregados e os trabalhadores informais com o auxílio emergencial; de outro lado, incentiva-se uma política de precarização da mão de obra e se despreza o diálogo com as entidades sindicais e suas centrais.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Salem Nasser Andrew Korybko Samuel Kilsztajn José Raimundo Trindade Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Jean Pierre Chauvin Everaldo de Oliveira Andrade Henri Acselrad Gabriel Cohn Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza Remy José Fontana João Carlos Salles Bernardo Ricupero Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Ladislau Dowbor Eliziário Andrade Caio Bugiato Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Daniel Costa José Dirceu Milton Pinheiro Gerson Almeida Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Berenice Bento Priscila Figueiredo Elias Jabbour Heraldo Campos Ronald León Núñez Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto Valerio Arcary Henry Burnett Vladimir Safatle Ronald Rocha Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Tarso Genro Michael Löwy André Márcio Neves Soares Manchetômetro Sandra Bitencourt Armando Boito Marcos Silva Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão Rodrigo de Faria José Luís Fiori Lorenzo Vitral Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Thomas Piketty Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Slavoj Žižek José Costa Júnior Tadeu Valadares José Machado Moita Neto Dennis Oliveira João Lanari Bo Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Renato Dagnino Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Mário Maestri Daniel Afonso da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Anselm Jappe Luis Felipe Miguel Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Annateresa Fabris Yuri Martins-Fontes João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Marilena Chauí João Carlos Loebens Érico Andrade Jorge Branco Eugênio Bucci José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Ricardo Abramovay Lincoln Secco Michel Goulart da Silva Kátia Gerab Baggio Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Tales Ab'Sáber João Sette Whitaker Ferreira Celso Frederico Carla Teixeira Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Chico Alencar Rubens Pinto Lyra Andrés del Río Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Carlos Tautz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Alysson Leandro Mascaro André Singer Eugênio Trivinho Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque João Feres Júnior Matheus Silveira de Souza Francisco Pereira de Farias Michael Roberts Antonino Infranca Ricardo Antunes Bruno Machado Paulo Sérgio Pinheiro Eleonora Albano

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada