As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O teto não se sustenta

Imagem: Paulinho Fluxuz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

A crise apenas se acentua. Bolsonaro entendeu que não poderá dar o golpe e terá de ser reeleito se quiser seguir no poder a partir de 2022. Este teto de gastos não se sustenta

Rodrigo Maia e Paulo Guedes se uniram, há duas semanas, para alertar Bolsonaro que furar o teto de gastos significa entrar numa zona cinzenta que pode levar ao impeachment[i]. A situação é tão grave que os veículos de mídia já perceberam as intenções do governo e, constantemente, enviam recados ao presidente, como o infame editorial da Falha de S. Paulo[ii] e a coluna da Miriam Leitão[iii], em O Globo. A grande imprensa, porta voz dos interesses da elite econômica, é um ótimo termômetro para medir a preocupação do Mercado em relação aos planos políticos-eleitorais de Bolsonaro. Se até agora houve uma resiliência sobre os arroubos e sucessivos crimes de responsabilidade atribuídos ao presidente, percebe-se que a área econômica é o “calcanhar de Aquiles” do governo.

Bolsonaro, em campanha eleitoral para 2022 desde já, está numa sinuca de bico: para se reeleger, precisa furar o teto de gastos e retomar o investimento, gerar emprego e renda. Se descumprir o teto, pode perder a sustentação que possui junto às elites econômicas e então ser submetido a qualquer um dos mais de 50 pedidos de impeachment que descansam na gaveta de Rodrigo Maia enquanto a nação sangra com mais de 117 mil mortos pela covid-19 sem ter, sequer, um ministro da saúde para gerenciar a crise.

A mídia hegemônica, que encena aos incautos uma oposição acomodada ao presidente, não possui grandes interesses em retirá-lo do poder. A direita, cujos partidos foram devastados pela Lava-Jato, não tem candidato para substituir o capitão. Se ruim com ele, pior com a esquerda. Então se referem às políticas sociais de Bolsonaro – cópias mal feitas daquelas elaboradas pelas gestões petistas – como um recurso populista para angariar apoio e melhorar os índices de aprovação do governo[iv].

Convém lembrar que a “teoria modernizante”, desenvolvida nos anos de 1960, nos Estados Unidos, colocava o populismo como uma etapa do desenvolvimento de sociedades patriarcais e rurais para um modelo moderno, industrial e capitalista. Neste sentido, a política populista mescla valores tradicionais e modernos, corresponde a um momento de transição e é vista como uma etapa necessária para uma sociedade desenvolvida e democrática. De modo geral, no Brasil, a conceituação do populismo se deu a partir da culpabilidade do Estado e da vitimização da sociedade. Tal aspecto foi superado a partir da compreensão que longe de serem indivíduos atomizados, as massas populares são constituídas de sujeitos ativos na política nacional.

A mídia, que critica Bolsonaro ante a possibilidade do seu governo furar o teto de gastos em nome da retomada do crescimento econômico e com o intuito de capitalizar popularidade para si, confunde (propositalmente?) políticas populares com populismo e expressa os anseios do “Deus” Mercado que não se importa com as milhares de pessoas que já morreram ou ainda vão morrer vítimas diretas da covid-19 ou das consequências da pandemia, a saber: a política econômica de austeridade que impede o investimento público e a consequente retomada econômica.

Esta seria uma excelente oportunidade para as esquerdas capitalizarem em torno das fissuras do bloco da Direita. Mas, mais uma vez, os partidos políticos estão à reboque da situação, encarcerados em gabinetes e distantes das suas bases sociais. Não se vê a presença dos partidos, especialmente o PT, mas também todos os outros do campo progressista, construindo a luta política junto às populações mais vulneráveis. As manifestações antifascistas e dos entregadores de aplicativos contra o sucateamento das condições de trabalho aconteceram à revelia dos partidos, que apoiaram apenas depois que viram a população nas ruas. Os partidos de esquerda poderiam, por exemplo, realizar ações em torno da própria pandemia, como a distribuição de máscaras, álcool em gel, orientações de prevenção e cuidados básicos para se tomar na atual crise sanitária. Enquanto o MST distribui toneladas de alimentos às populações carentes de todo o Brasil[v], os partidos seguem distribuindo twittes de indignação diante do avanço autoritário, notas de repúdio e lacrações que surtem efeito apenas para sua bolha político-eleitoral. A esquerda, em geral, precisa atuar calcada na solidariedade social, aproveitando o vácuo deixado pelas igrejas evangélicas que, em geral, fazem isso, mas, atualmente, negam a pandemia e mantém seus fiéis alinhados com o governo que, por sua vez, se sustenta e capitaliza politicamente em cima do auxílio emergencial de R$ 600,00 que o próprio Bolsonaro adiou e foi contra, mas teve de engolir e assinar por conta da pressão do Congresso Nacional.

A crise apenas se acentua. Bolsonaro entendeu que não poderá dar o golpe e terá de ser reeleito se quiser seguir no poder a partir de 2022. Este teto de gastos não se sustenta.

Façam suas pipocas e aguardem.

Bolsonaro, o pai dos pobres, vem aí!

Carla Teixeira é doutoranda em História pela UFMG.

Notas


[i] https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,furar-o-teto-de-gastos-poderia-levar-a-impeachment-de-bolsonaro-diz-guedes,70003396178

[ii] https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/08/jair-rousseff.shtml

[iii] https://blogs.oglobo.globo.com/miriam-leitao/post/economia-tem-escolhas-dificeis.html

[iv] https://jornalggn.com.br/coluna-economica/nasce-bolsonaro-o-pai-dos-pobres-por-luis-nassif/

[v] https://www.brasildefato.com.br/2020/06/03/campanha-nacional-do-mst-ja-doou-1-200-toneladas-de-alimentos-durante-pandemia

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Antonino Infranca Ricardo Abramovay Marcelo Módolo Remy José Fontana Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Claudio Katz Igor Felippe Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Lucas Fiaschetti Estevez Juarez Guimarães Roberto Bueno Marilena Chauí Carla Teixeira Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Vladimir Safatle Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Paulo Ayub Fonseca Carlos Tautz Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek Ari Marcelo Solon Chico Alencar José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Sandra Bitencourt Marcus Ianoni André Singer Salem Nasser Alysson Leandro Mascaro José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. Roberto Noritomi Lincoln Secco José Luís Fiori Daniel Afonso da Silva Daniel Brazil Paulo Martins Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Eliziário Andrade Renato Dagnino Maria Rita Kehl Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Tarso Genro Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Anselm Jappe Eduardo Borges Ronald León Núñez Caio Bugiato Fernando Nogueira da Costa José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Celso Favaretto Luís Fernando Vitagliano Paulo Fernandes Silveira Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eugênio Bucci Elias Jabbour Leonardo Boff Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Armando Boito Annateresa Fabris Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Manuel Domingos Neto Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Gabriel Cohn André Márcio Neves Soares Antonio Martins Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Valério Arcary Ricardo Musse Atilio A. Boron Chico Whitaker Thomas Piketty Jorge Branco Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Gilberto Maringoni Dennis Oliveira João Adolfo Hansen Henri Acselrad Gilberto Lopes Ladislau Dowbor Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Celso Frederico João Lanari Bo Liszt Vieira Anderson Alves Esteves Osvaldo Coggiola Samuel Kilsztajn Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Michael Löwy Daniel Costa Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Berenice Bento Eleonora Albano Dênis de Moraes José Dirceu Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani Lorenzo Vitral Sergio Amadeu da Silveira Antônio Sales Rios Neto Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Henry Burnett Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Costa Lima Bruno Machado Érico Andrade Leonardo Sacramento Flávio Aguiar Vanderlei Tenório Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada