Foi no carnaval que passou

Imagem: Gareth Nyandoro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO DE OLIVEIRA BARROS JÚNIOR*

Comentários sobre audições de sambas carnavalescos

O carnaval passou, mas sigo selecionando as minhas pérolas musicais. Ainda ouvindo CD’s, faço a minha lista de audições. Repertório sintonizado com o carnaval. Nos tons da diversidade dos ritmos e batidas, entro no Bloco do Amor da Beatriz Rabello. O título do disco é uma canção do Paulinho da Viola. Em outra das suas treze faixas, ele tem uma participação especial, com voz e violão em “Só o Tempo”, de sua autoria. Nós, os foliões, somos levados por “Sonho de um Carnaval” (Chico Buarque), “Enredo do Meu Samba” (Dona Ivone Lara e Jorge Aragão), “Marcha de Quarta-Feira de Cinzas” (Carlos Lyra e Vinícius de Moraes), entre outras poéticas e amorosas canções para embalarem os brincantes nos dias da folia.

O Centro Cultural Cartola, o Museu do Samba e o selo Biscoito Fino lançaram, em 2015, o CD duplo Sambas para a Mangueira. De A a Z, 31 nomes, de várias gerações, exaltando a verde e rosa. Personalidades artísticas ligadas a outras agremiações sambistas, deixam de lado as rivalidades e participam da exaltação fonográfica. No CD 1, o portelense Monarco, em dueto intergeracional com Dudu Nobre, cantam “Silenciar a Mangueira Não” (Cartola). E seguem os títulos das faixas com o nome da agremiação homenageada: “Sempre Mangueira” (Nelson Cavaquinho e Geraldo Queiroz), “A Mangueira me Chama” (Nelson Cavaquinho, Bernardo de A. Soares e José Ribeiro), “Mangueira, Divina e Maravilhosa” (Nelson Sargento), “Quem se Muda pra Mangueira” (Zé da Zilda). “Mangueirense Feliz” (Jorge Zagaia e Moacyr Luz), na voz de Martinho da Vila Isabel, mostra a recepção dos mangueirenses aos chamados “de fora” para homenageá-la. Nas suas receptivas salas, com Cartola, abraçam “o inimigo como se fosse irmão”.

Na “Capital do Samba” (José Ramos), a Velha Guarda da Mangueira e seus plantados bambas, afirmam: “E a semente do samba só a Mangueira possui”. Na lista dos recepcionados, mangueirenses históricos e partideiros de outras escolas, cantam para exaltar “o que a Mangueira tem”. Na declaração vocal de amor à musa do Morro, a “estação primeira”, os tons de Beth Carvalho, Sandra Portella, Tantinho, Alcione, Xande de Pilares, Sombrinha, Leci Brandão, Nelson Sargento, Rody, Sapoti e Marquinho Diniz. Todos(as) exaltam a “grande campeã”, a que “faz hoje o sambista de amanhã”.

No CD 2 dos Sambas para a Mangueira, chegamos à “Estação Derradeira” (Chico Buarque), com Leny Andrade no vocal. A reverenciada escola de samba ganha a escrita musical do portelense Paulinho da Viola na composição “Sei Lá Mangueira”, com a parceria de Hermínio Bello de Carvalho. No canto, Moyseis Marques realça a poesia, a beleza e a grandeza do cenário mangueirense, “que nem cabe explicação” na linguagem dos músicos. Tradicional e falante Mangueira com o gingado das “suas cabrochas” e o repique dos “seus tamborins”. Com o seu passado glorioso, “gravado na história”, a “verde-rosa” ganha a exaltação de Teresa Cristina.

A Mangueira chega, esplendorosa, e o morro, “com seus barracões de zinco”, mostra o belo gerado pela sua gente. “Lá em Mangueira” (Herivelto Martins e Heitor dos Prazeres), os amantes enluarados dão seus corações e quase sempre choram ao deixarem os barracões mangueirenses. Romantismo com violão, cavaco, flauta, surdo, tamborim, tantã, reco-reco, pandeiro, repique de anel, cuíca e ganzá.

“Mundo de Zinco” (Wilson Baptista e Antônio Nássara) que “fica pertinho do céu”. “Os Meninos da Mangueira” (Sérgio Cabral e Rildo Hora) e as suas referências batuqueiras: Dona Zica, “Carlos Cachaça, o menestrel”; “Mestre Cartola, o bacharel”; “Seu Delegado, um dançarino” e Marcelino. E a meninada interpela “Pandeirinho”, “Preto Rico” e “Dona Neuma, maravilhosa”, “a primeira mulher da verde-rosa”. Carlos Cachaça é cantado como “gênio da raça”. Moacyr Luz e o parceiro Aldir Blanc, no “quilombo da estação primeira” e seus tambores, em reescrita histórica, poetizam o momento em que “o arvoredo amanhece” e veste “o rosa da aurora bordadeira” na bandeira mangueirense. Na cadência dos seus sambistas e das suas morenas faceiras, a “Mangueira” (Assis Valente e Zequinha Reis), como ela “não há” e “está sempre em primeiro lugar”.

Jurandir da Mangueira, João Boa Gente, Noel Rosa, Estudande da Mangueira, Benedito Lacerda, Eratóstenes Frazão, José Ramos e Xangô da Mangueira, receberam inspiração para fazerem sambas nos barracos pobres do povo sofrido. Subindo e descendo, ele jorra humanidade. Dá tapas e beijos, trabalha e brinca. Gente anônima, valiosa, arteira, apesar das goteiras do barraco pobre e esburacado. Ais de dor e carnavais “tradicionais” e “sensacionais”. Por tudo isso, a Mangueira mora no coração dos seus exaltadores do passado, do presente e do futuro. Sambas compostos para a agremiação carnavalesca e cantados por diferentes gerações.

Para ela, com o carinho vocal de Ana Costa, Leo Russo, Nilcemar Nogueira, Ataulpho Jr., Flavia Saolli, Rixxa, Gabrielzinho do Irajá, Nilze Carvalho, Dorina e Paulo Márquez. Sambas para a Mangueira, em dose dupla, apresentado pela Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, através da Secretaria Municipal da Cultura, é um tributo ao fascínio lírico gerado pela Mangueira, no som de Cartola, cujo sonho de transfundir o seu sangue verde e rosa ganha concretude com os jovens compositores que, como ele, declaram os seus amores pela Mangueira. Declaração amorosa durante “todo o tempo que eu viver”, na lírica cartolense.

Outro CD duplo faz parte do meu show carnavalesco: 100 anos de carnaval – Banda do Canecão. Do “Zé Pereira” a “Tomara que Chova”. De “Madalena” a “Cidade Maravilhosa”, 141 músicas com livretos narrando a história e as fotos para pesquisadores lerem, ouvirem e verem. Datado de 1974, em tempos de generais no poder brasileiro, o carnavalesco documento sonoro traz, nos seus créditos, os nomes de expressivos estudiosos no grupo de pesquisa das músicas. Destaco as participações de José Ramos Tinhorão e Sérgio Cabral. Abramos alas com a Chiquinha Gonzaga de 1899 para chegarmos ao “mundo melhor de Pixinguinha”, na Portela de 1974. Os séculos passam e os brincantes, de máscaras negras, seguem implicando com a “cabeleira do Zézé” na “festa para um rei negro”. “Será que ele é?”.

Na festa momina, entre um samba, uma marchinha e uma loa de maracatu, sobra espaço para a companhia das letras. Referências bibliográficas para melhor conjugar o verbo sambar. A crônica carnavalesca, as “tentadoras” e “irresistíveis” músicas do carnaval, as marchas humorísticas, reis momos e rainhas sambistas, as “fantasias e adereços dos antigos carnavais”, os carros alegóricos “dos primeiros desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro” e nomes como o de “Paulo Benjamin de Oliveira”, “o Paulo da Portela”, compõem acervo de imagens evocativas dos embriões do processo histórico da “afirmação do samba como gênero musical” (NETO, 2017). Prazer e dor nos bailes de máscaras. Alegria, extravagância e delícias festeiras reinam nos “clubes elegantes” e nas ruas. “O carnaval é a maior caricatura, na folia o povo esquece a amargura”, cantam os salgueirenses do G.R.E.S Acadêmicos do Salgueiro, desfilando o samba-enredo “traços e troços” (Celso Trindade, Bala), em 1983.

De Anacleto de Medeiros a Cartola, “a perenidade do samba como forma africana no Brasil” é vista de uma ótica historiográfica na qual “o gênero musical” e seus produtores sambistas exaltam o “papel criador” e a “erudição dos negros”, sintonizados com a identidade nacional. Na multiculturalidade brasileira, em um diverso mosaico cultural, o carnaval encontra o povo nas ruas e brinca com a pretensão de respeito pela diversidade étnica, a face de um país de “muitas identidades” (SIQUEIRA, 2012).

Criadores e eruditos, entoam a liberdade e a alegria na travessia da passarela iluminada. Com euforia, brincam com uma pergunta do imaginário dos contos de fadas infantis: “diga espelho meu, se há na avenida alguém mais feliz que eu?”. Indagação marcante cantada no samba-enredo “É Hoje” (Didi, Mestrinho), em memorável desfile da G.R.E.S União da Ilha do Governador, no ano de 1982. “Isso sim é carnaval!”.

*Francisco de Oliveira Barros Júnior é professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Piauí.

Referências


NETO, Lira. Uma História do Samba: vol. I (As origens). São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SIQUEIRA, Magno Bissoli. Samba e Identidade Nacional: das origens à era Vargas. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Renato Dagnino Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Jorge Branco Carla Teixeira Heraldo Campos Marilena Chauí Marcos Silva Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse José Geraldo Couto Denilson Cordeiro Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Kátia Gerab Baggio Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Bernardo Pericás Ricardo Antunes Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Valerio Arcary Michel Goulart da Silva Luis Felipe Miguel Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen Priscila Figueiredo Caio Bugiato Juarez Guimarães Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Jean Pierre Chauvin Annateresa Fabris Liszt Vieira Julian Rodrigues Bento Prado Jr. Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Lucas Fiaschetti Estevez Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Elias Jabbour Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Freitas Barbosa Atilio A. Boron Mário Maestri Benicio Viero Schmidt Maria Rita Kehl Armando Boito Érico Andrade Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Vladimir Safatle Osvaldo Coggiola José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos João Lanari Bo Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Tales Ab'Sáber Eliziário Andrade Gerson Almeida Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Daniel Brazil Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento André Singer José Luís Fiori João Carlos Loebens José Dirceu Luiz Renato Martins Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Tarso Genro Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Luciano Nascimento Dênis de Moraes Gilberto Maringoni Chico Alencar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Afrânio Catani Anderson Alves Esteves Michael Löwy Paulo Fernandes Silveira Andrew Korybko Dennis Oliveira Leda Maria Paulani Leonardo Boff Eduardo Borges Rubens Pinto Lyra Matheus Silveira de Souza Leonardo Avritzer Eleonora Albano Lorenzo Vitral Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Fábio Konder Comparato Daniel Costa Claudio Katz Henry Burnett Alysson Leandro Mascaro Rafael R. Ioris Airton Paschoa Luiz Werneck Vianna João Feres Júnior Manchetômetro Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto Gabriel Cohn Ari Marcelo Solon João Carlos Salles Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Marcelo Módolo Flávio Aguiar Marjorie C. Marona Henri Acselrad José Costa Júnior Andrés del Río

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada