As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A crise política e o “pensamento desejante”

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Análises de conjuntura não devem ser mecanismos terapêuticos, tampouco devem destinar-se à emulação da militância. Crítica ao artigo “A debilidade da esquerda”.

Gosto muito e sempre acompanho as publicações de Luis Felipe Miguel. Atrever-me-ei, todavia, a tecer alguns comentários críticos ao seu artigo publicado no dia 23 de março, no site A Terra é Redonda. Penso que os fundamentos (equivocados, em minha opinião) do raciocínio do cientista político ao analisar a conjuntura atual são compartilhados por parte importante dos quadros e da militância da esquerda brasileira hoje.

De saída confesso minha usual implicância apriorística com toda e qualquer formulação de intelectuais progressistas que falam de nós mesmos na terceira pessoa – o artigo de LFM declara a debilidade “da esquerda”. Penso de cara na imagem dos sábios numa “torre de marfim” e no conceito de práxis. Esforço-me para minimizar arraigado sentimento de que o escrito a ser lido carregará um pouco de soberba e muito descolamento. LFM abre seu artigo constatando o óbvio: a debilidade da esquerda brasileira no atual período histórico. OK, descobriu-se a pólvora.

Depois, o autor trata de puxar a orelha do campo progressista, que deveria estar apresentando “propostas concretas e viáveis”, em um movimento para “estabelecer uma interlocução com os tomadores de decisão que permita a adoção de medidas que protejam as maiorias mais vulneráveis e mobilizar em favor delas o máximo de pressão possível”.

Corretíssimo. Mas, isso tudo já vem sendo feito, e bem feito, na medida do possível. O PT e o campo progressista vêm elaborando, propondo e forçando a aprovação de um conjunto de medidas desde, pelo menos, 16 de março. Uma delas, a renda básica (“seguro-quarentena”), foi aprovada no Congresso no último dia 26, depois de muita pressão e ação contundente do Partido dos Trabalhadores e de toda da centro-esquerda junto ao chamado “centrão”.

LFM erra ao tentar ensinar coisinhas que já estão sendo feitas pela débil esquerda. O artigo cai na armadilha do senso comum. Qualifica as ações de Bolsonaro como “irracionalidade ostensiva”. É um sentimento compreensível, muito presente em nossa base social, na militância menos formada. Bolsonaro e seu entorno não são loucos, nem psicopatas (aliás, nós não somos psiquiatras para fazer diagnósticos, ou somos?). Eles são agentes políticos com um programa neofascista e ultraliberal e contam com um grande apoio de Donald Trump, se articulam internacionalmente. Precisamos deixar de patologizar, ou de usar adjetivos morais para qualificar (xingar) o ex-capitão e sua turma.

Porém, o próprio autor se dá conta, em seguida, de que “a irracionalidade de Bolsonaro tem método”. Parece haver uma tensão no raciocínio do professor, opondo seus sentimentos à frieza analítica. Essa tensão perpassa todo o artigo. Por exemplo, LFM registra: “pesquisa divulgada hoje mostra que uma expressiva minoria – 35% dos consultados – aprova suas ações [de Bolsonaro]”. Imediatamente, cai em um raso julgamento moral, mas é obrigado a reconhecer que o “bolsonarismo” guarda força e tem método: “o dado mostra que Bolsonaro, que ainda conta com o apoio dos líderes inescrupulosos de algumas das maiores seitas cristãs do país, sabe para qual público está falando”.

Parágrafo seguinte, volta a predominar no texto o polo do desejo, o coração do autor: “é ainda mais urgente tirá-lo do cargo”. Eu pergunto: e quando não foi? A eleição de Bolsonaro foi fruto de um golpe. O problema não é nossa vontade de tirá-lo do cargo, mas as condições concretas, a disposição das massas, a correlação de forças.

Depois de mais dois trechos destinados a criticar as direções do PT-PC do B e do PSOL, Luis Felipe Miguel entra no terreno mais pantanoso de sua análise, na minha opinião. Adere, ligeirinho, ao que eu provocativamente denomino #esquerdaMourão. Vejam o que diz o professor da Unb: “a oposição à ideia de impeachment se baseia no risco de conceder a presidência ao general Mourão, num momento em que as circunstâncias podem justificar a adoção de medidas de exceção. No entanto, esse risco é um dado da realidade, que não é afastado por um mero ato de vontade. É melhor manter Bolsonaro no governo? Parece claro que não. Então a questão é: há alguma alternativa viável?”

Bem, primeiro eu pergunto: será que o impeachment é mesmo “viável”? Qual é a posição da burguesia e de suas frações, do governo Trump, das Forças Armadas? O Bolsonaro cairia assim, sem reação? O próprio LFM afirma que Bolsonaro conta com apoio. Muita vontade, pouca razão. Em segundo lugar: por que a esquerda deveria defender o impeachment e não, por exemplo, eleições gerais? Quais são as evidências de que é viável, imediatamente, derrubar Bolsonaro via Congresso Nacional? E mais: os critérios para balizar a ação do campo progressista devem mesmo ser esses (supostas facilidades para um suposto impedimento presidencial)? Seremos – estaríamos condenados a ser – mera “força auxiliar” de um possível governo Mourão-Maia?

LFM reconhece um “congelamento da luta política”. Afirma que não haverá mudança na correlação de forças que seja compatível com a “urgência de tirar Bolsonaro do cargo”. É uma pena que o articulista não desvele seus pressupostos ou não aponte as consequências do que propaga. Trata-se, a rigor, de apelo desesperado a uma espécie de “governo de salvação nacional”, liderado pela burguesia “liberal “ não fascista. Todo poder à Maia e à Globo. É uma posição política, ok, mas seria melhor explicitá-la.

Ao acenar com a possibilidade de “caos social” que nos conduziria a “um governo da lei e da ordem” fica mais nítido o raciocínio de Luis Felipe Miguel. A mim, soa forte como um grito desesperado: “melhor Mourão que a desordem que pode facilitar um golpe”. Parece temer mais a reação das massas do que um arranjo no andar de cima. A propósito, palavras de ordem mais ou menos radicais, por si mesmas, não resolvem nossos problemas, muito menos mudam magicamente o cenário político.

Retomando a tensão que permeia todo artigo – entre análise racional e reprodução de senso comum – é dito: “com ele [Bolsonaro] na presidência, a linha divisória inicial é entre sanidade e insanidade”. Eita! Que impulso quase incontrolável de levar para o campo da saúde mental o que é programa, tática, estratégia e ideologia!!

LFM finaliza assim: “estamos muitas vezes constrangidos a permanecer no mesmo campo de Maia, Dória e Witzel. Sem ele, ficam vencidos os temas óbvios e podemos concentrar o debate nas questões mais importantes: como enfrentar a crise (..) com propostas claras e realistas em defesa dos mais vulneráveis, a esquerda pode obter vitórias importantes”.

Tirando o fato da esquerda já ter propostas claras e relevantes que estão sendo difundidas amplamente e se tornando leis (renda mínima), a conclusão do autor expõe o equívoco fundamental da sua análise. Não há incompatibilidade de conjunto entre o neofascismo e o ultraliberalismo. Bolsonaro precisa das elites “limpinhas” e elas precisam dele, apesar dos ruídos e contradições crescentes.

A pergunta básica é: por qual razão o campo popular deveria optar entre neoliberais e neofascistas? Por que não apresentar nossas propostas de conjunto e disputar o poder, tentando mobilizar a classe trabalhadora, ganhando o povo para nossas ideias? O segundo grande erro é subestimar o “bolsonarismo”. A nave está avariada, mas continua voando. Duas coisas: não há “ordem unida” para operar a queda de Bolsonaro. E quem disse que é fácil derrubar o sujeito? Que basta apertar um botão?

Análises como a de LFM, infelizmente, são cada vez mais comuns em nosso meio. Algo compreensível, pelo grau de desorientação, angústia, tristeza e pela complexidade do cenário. Mas é preciso superar esse viés. Explicações assim exalam idealismo e impressionismo. Análises desse tipo deixam transparecer que bastaria uma palavra de ordem correta, uma boa linha política para orientar a nossa esquerda “toda errada”. Parece que sempre certos estão apenas os “intelectuais críticos” (a despeito, todavia, de não dirigirem nenhuma organização ou partido do campo popular-democrático). Como se mera mudança de palavra de ordem ou postura da esquerda determinassem a queda ou não de Bolsonaro já, imediatamente, right now.

Andamos muito angustiados, irados, tristes, perplexos. Daí que fica mais difícil resistir à tentação de abrigarmo-nos no “pensamento desejante”.  Análises de conjuntura não são, porém, mecanismos terapêuticos e tampouco destinam-se à emulação da militância.

*Julian Rodrigues é jornalista, militante do PT e ativista LTBTI e de Direitos Humanos.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Luís Fiori Claudio Katz João Carlos Salles Lincoln Secco Daniel Brazil Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Celso Frederico Érico Andrade Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor João Lanari Bo Luciano Nascimento Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Bueno Bruno Machado Vanderlei Tenório Bernardo Ricupero Ricardo Fabbrini André Márcio Neves Soares Eleonora Albano André Singer Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo João Sette Whitaker Ferreira Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Alysson Leandro Mascaro Valério Arcary Caio Bugiato Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Antonio Martins Marcelo Guimarães Lima Fernando Nogueira da Costa Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Antonino Infranca Andrew Korybko Tadeu Valadares Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Mário Maestri Luiz Costa Lima João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Avritzer Anselm Jappe Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares Manuel Domingos Neto Marcus Ianoni Julian Rodrigues Michael Löwy Eduardo Borges Tarso Genro Rodrigo de Faria Armando Boito Luiz Marques Igor Felippe Santos Ronald Rocha Paulo Martins Marjorie C. Marona Luiz Bernardo Pericás Tales Ab'Sáber Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Lucas Fiaschetti Estevez Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Leonardo Boff João Feres Júnior Roberto Noritomi Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Jean Pierre Chauvin Paulo Fernandes Silveira Kátia Gerab Baggio Jorge Branco Alexandre de Lima Castro Tranjan Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl Benicio Viero Schmidt Mariarosaria Fabris Berenice Bento José Raimundo Trindade Flávio Aguiar Daniel Costa José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Gabriel Cohn Atilio A. Boron Renato Dagnino Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Remy José Fontana Celso Favaretto Ricardo Musse Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Vladimir Safatle Carlos Tautz Denilson Cordeiro Manchetômetro Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra Afrânio Catani Salem Nasser Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Chico Alencar Leonardo Sacramento Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez José Dirceu Anderson Alves Esteves Henry Burnett Ricardo Abramovay Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Carla Teixeira Marcelo Módolo João Adolfo Hansen Ricardo Antunes Priscila Figueiredo João Carlos Loebens José Micaelson Lacerda Morais Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Marcos Aurélio da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Eliziário Andrade Juarez Guimarães Vinício Carrilho Martinez Leda Maria Paulani Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Dennis Oliveira Liszt Vieira Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Marilena Chauí Otaviano Helene José Geraldo Couto Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada