A “Lei Ônibus” de Milei na Argentina

Imagem: Lucía Montenegro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MAÍRA VASCONCELOS*

A aprovação da “lei ônibus” se deu após a discussão mais longa da história da Câmara, concessões por parte do governo e intensa repressão nas ruas

Ao redor das 17 horas de ontem [2 fev.], foi confirmada a aprovação na Câmara dos Deputados, com ampla margem de votos, 144 a favor e 109 contra, da chamada “lei ônibus”, projeto impulsionado pelo governo de Javier Milei, e que representa, em grande medida, as profundas reformas neoliberais que o mileismo pretende implementar. Às 18 horas, manifestantes de esquerda e sociedade civil auto convocada estavam reunidos na Praça dos Dois Congresso, bloqueando parte do trânsito da Avenida Rivadavia, uma das mais importantes vias de Buenos Aires, até que uma operação policial desmedida, de proporção descomunal, fez valer o protocolo anti-protesto do ministério de Segurança de Patricia Bullrich, ex-ministra também do governo do ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019), que com o uso de motos e gás pimenta começou a dispersar aqueles que protestavam contra a aprovação da lei. Os manifestantes pediam, entre outras pautas, que a principal força sindical do país, a Confederação Geral do Trabalho (CGT), convoque nova greve geral. A primeira aconteceu no último dia 24 de janeiro, com apenas 45 dias de governo.

Em uníssono e sem qualquer ruptura, o partido de governo La Libertad Avanza (LLA) e o Proposta Republicana (PRO), fundado pelo ex-presidente Macri, votaram positivamente o projeto. O governo fez concessões importantes para conseguir a aprovação da lei. Aceitou diminuir o número de empresas a serem privatizadas e o recorte dos poderes extraordinários concedidos ao presidente. Por isso, a vitória política do governo pode ser considerada parcial, ao menos até agora. Na próxima terça-feira, 6, a partir das 14 horas, a Câmara volta a discutir o texto, dessa vez, artigo por artigo. Por isso, não se pode considerar que a totalidade do projeto conseguiu meia sanção.

A aprovação da “lei ônibus” se deu após a discussão mais longa da história da Câmara, ao menos desde que se tem lembrança, assim comentam os meios de comunicação locais. Após três dias de discussão parlamentar, quase 60 horas de sessão, e três dias de repressão a manifestantes e jornalistas, mais de vinte profissionais ficaram feridos, a lei que originalmente se titula “Bases e Pontos de Partida para a Liberdade dos Argentinos”, chegou ao recinto parlamentar para discussão e votação com 525 artigos, 139 artigos a menos do que a versão original.

Segundo as análises iniciais do jornalista Marcelo Falak, do jornal digital argentino Letra P,  pode-se considerar que a aprovação da lei na Câmara é uma vitória política para Javier Milei, já que o governo apresenta este projeto como algo “fundacional daquilo que será o resto do seu mandato”. No entanto, Falak considera que o texto original ficou extremamente condicionado, segundo os interesses de determinados governadores. A chamada “lei ônibus” tem como título original o nome imperioso de “Bases e Pontos de Partida para a Liberdade dos Argentinos”.

Por isso, de acordo com o jornalista, ainda é muito cedo para determinar vitórias governamentais e esse triunfo ainda é “opinável”, já que a vitória foi “muito custosa” e veio após “enormes esforços” do governo. “Talvez (uma vitória) menos significativa do que aquela que se buscava em um primeiro momento”, ponderou e destacou o fato de se considerar o que virá após a sessão marcada para a próxima terça-feira.

“Será fundamental saber o que acontece a partir da votação em particular (de cada artigo). Assim, vamos saber se os principais alinhamentos desse projeto estão de acordo com o que o governo pensava em um primeiro momento. Por exemplo, sobre as faculdades para delegar por decreto, sobre quais matérias, e com quais prazos. Como fica a lista de empresas a serem privatizadas, se essa privatização terá que passar ou não por instâncias do poder legislativo. São muitos os pontos para que se termine de fazer uma avaliação”, afirmou Falak.

Na semana passada, o ministro da Economia, Luis Caputo, anunciou a remoção do capítulo fiscal do projeto “lei ônibus”, com o intuito de conseguir os votos necessários para a aprovação, que, finalmente, aconteceu. A Câmara dos Deputados é presidida por Martín Menem, sobrinho do ex-presidente Carlos Menem (1989-1999), falecido em 2021, responsável pela implementação das reformas neoliberais dos anos 90, na Argentina. Menem não votou sobre a “lei ônibus”, e foram registradas, ademais, três ausências, sendo que dois dos faltantes são da província de Jujuy, Norte argentino, da coalizão peronista “União pela Pátria”.

Sobre a repressão durante os três dias de discussão do projeto, a ministra de Segurança, Patricia Bullrich, afirmou que não houve “nenhum incidente grave” e que a sua gestão continuará trabalhando para “manter a ordem pública”. Um assessor da bancada do partido “Frente de Izquierda” foi ferido com uma bala de borracha no olho, durante repressão da polícia, no segundo dia de discussão do projeto, e foi operado correndo o risco de perder o olho. O Sindicato de Imprensa de Buenos Aires denunciou que cerca de 20 jornalistas e fotojornalistas foram feridos, na última quinta-feira, durante a cobertura das manifestações nas imediações do Congresso.

*Maíra Vasconcelos é escritora e jornalista. Autora, entre outros livros, de O livro dos outros – poemas dedicados à leitura (Ofícios Terrestres).

Publicado originalmente no GGN.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Geraldo Couto Vanderlei Tenório Ricardo Musse Dênis de Moraes Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Marilena Chauí Antônio Sales Rios Neto Paulo Capel Narvai André Singer Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Eduardo Borges Gilberto Lopes Heraldo Campos Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Michael Roberts Vinício Carrilho Martinez Celso Favaretto Marcelo Módolo Henry Burnett Luiz Roberto Alves Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Anselm Jappe Fernão Pessoa Ramos Remy José Fontana Lorenzo Vitral João Carlos Salles João Adolfo Hansen Valerio Arcary Otaviano Helene Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Ladislau Dowbor Paulo Martins Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt José Dirceu Claudio Katz Eleonora Albano Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Milton Pinheiro Jean Pierre Chauvin Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Benicio Viero Schmidt Eugênio Trivinho Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Carla Teixeira Caio Bugiato Leonardo Avritzer Ronald Rocha Walnice Nogueira Galvão Eliziário Andrade Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Airton Paschoa Tales Ab'Sáber Eleutério F. S. Prado Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Carlos Tautz Liszt Vieira Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Branco Daniel Afonso da Silva Antonio Martins João Feres Júnior Bruno Machado Eugênio Bucci Michel Goulart da Silva Maria Rita Kehl Leonardo Boff Chico Whitaker João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Slavoj Žižek Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Andrew Korybko Daniel Costa Lincoln Secco Chico Alencar Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino João Lanari Bo Marilia Pacheco Fiorillo Armando Boito Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Matheus Silveira de Souza Andrés del Río Mário Maestri Ronald León Núñez Jorge Luiz Souto Maior Salem Nasser Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. Flávio Aguiar Tarso Genro José Luís Fiori Priscila Figueiredo José Machado Moita Neto José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Francisco Pereira de Farias Leda Maria Paulani Samuel Kilsztajn Atilio A. Boron Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Marcelo Guimarães Lima Marjorie C. Marona Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Ricardo Antunes Juarez Guimarães

NOVAS PUBLICAÇÕES