As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Revolta dos Alfaiates

Carybé (Hector Julio Páride Bernabó), "Bahia", 1971.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro “Esconjuro!”, de Luís Pimentel

Poucos brasileiros conhecem com alguma profundidade a Conjuração Baiana, que leva o poético (e algo depreciativo) nome de Revolta dos Alfaiates, devido à grande participação de artesãos, pequenos comerciantes, sapateiros e alfaiates. Para os íntimos era a Revolta dos Búzios, um código de identificação dos participantes, que levavam um pequeno búzio amarrado no pulso.

Movimento independentista fomentado em Salvador em 1798, tinha um grande diferencial em relação à Inconfidência Mineira, ocorrida poucos anos antes (1792): a grande participação de negros e mulatos. O grande valor dado a Tiradentes e seus colegas, e o desprezo histórico aos quatro mártires baianos (Lucas Dantas, Manoel Faustino, Luís Gonzaga e João de Deus) diz algo sobre o racismo vigente em nosso país. Todos foram enforcados e esquartejados, mas só o mineiro virou “santo”, sendo idealizado como uma espécie de Cristo nas representações gráficas (todas absurdas, aliás).

A Conjuração Baiana, além de querer a independência de Portugal, pregava o fim da escravatura. Chegavam por aqui as notícias da primeira revolta bem sucedida de escravos, no Haiti, contra o domínio francês (1794). Folhetos colocados nas igrejas de Salvador pelos conspiradores anunciavam: “Animai-vos, povo bahiense! Está para chegar o tempo feliz de nossa liberdade, o tempo em que todos seremos irmãos, o tempo em que todos seremos iguais!”.

Os mineiros não chegaram a tal ousadia. A questão deles era a cobrança de impostos, de modo que todos pudessem continuar mantendo seus escravos numa boa. Eram liberais, digamos. Isso facilitou com que fossem cantados em prosa e verso, tornando-se símbolos pátrios. E, no campo literário, poucas homenagens foram tão bem sucedidas quanto o Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles.

Pois o baiano-carioca Luís Pimentel resolveu abordar a Revolta dos Alfaiates, criando uma obra híbrida Esconjuro!, que utiliza várias linguagens. Alinha fatos históricos com personagens ficcionais, propõe um belo diálogo com as ilustrações de Daniel Viana e cria situações mescladas com teatro e poesia, mais próxima das raízes nordestinas do que da erudição mimética de Cecília. Não à toa o subtítulo do livro é “a corda e o cordel”, uma referência à forca e à forma popular de expressão poética.

O grande ideólogo da Revolta, Cipriano Barata, era um fervoroso adepto dos ideais da Revolução Francesa. Doutor em Cirurgia, Filosofia e Matemática pela Universidade de Coimbra, maçom, foi um grande propagandista da independência, fundando jornais de oposição, trocando ideias com Frei Caneca em Pernambuco, passando por várias prisões em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. Mas era branco e doutor, para ele sobrou o cordel. Para seus companheiros negros, a corda.

Pimentel traça com habilidade o perfil deste e outros personagens, inventa mais alguns, ressalta a participação das mulheres do movimento e produz uma obra original que estimula principalmente os jovens (a quem o livro é destinado) a conhecer mais sobre a história. Mais que isso: cruza referências poéticas atemporais (Gregório de Matos, Dorival Caymmi), alterna vozes narrativas e cria uma narrativa cativante, onde o prazer da leitura se mistura à revolta íntima contra as injustiças do mundo.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Luís Pimentel. Esconjuro!: a corda e o cordel na Revolta dos Alfaiates. Prefácio: Chico Alencar. Rio de Janeiro, Editora Pallas, 2021, 88 págs.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Antônio Sales Rios Neto Ricardo Antunes Luiz Marques Lorenzo Vitral André Márcio Neves Soares Roberto Noritomi Chico Whitaker Eugênio Trivinho Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Flávio R. Kothe Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Tadeu Valadares Renato Dagnino João Feres Júnior Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Osvaldo Coggiola Valerio Arcary Daniel Costa Mário Maestri Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida André Singer Gilberto Maringoni Eliziário Andrade Daniel Brazil Tales Ab'Sáber Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Marjorie C. Marona Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Marcos Silva Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Bernardo Ricupero Fernão Pessoa Ramos Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Eugênio Bucci Dênis de Moraes Rafael R. Ioris Luiz Bernardo Pericás Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Henry Burnett José Raimundo Trindade Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Salem Nasser Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Mariarosaria Fabris Manchetômetro Dennis Oliveira Gabriel Cohn José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Luiz Werneck Vianna Bruno Machado Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Gilberto Lopes Celso Favaretto Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva José Geraldo Couto Luiz Costa Lima João Carlos Loebens Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Michael Roberts João Adolfo Hansen Paulo Martins Claudio Katz Roberto Bueno Vladimir Safatle Caio Bugiato Eduardo Borges Valério Arcary Tarso Genro Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Henri Acselrad José Luís Fiori Celso Frederico Thomas Piketty Marilena Chauí Leonardo Sacramento Samuel Kilsztajn Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Antonio Martins José Dirceu Remy José Fontana Ari Marcelo Solon João Paulo Ayub Fonseca Priscila Figueiredo Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Antonino Infranca Lucas Fiaschetti Estevez Carlos Tautz Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Ronald León Núñez Ricardo Abramovay Igor Felippe Santos Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Armando Boito Ladislau Dowbor Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada