As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Futuro duvidoso

Imagem: Tejas Prajapati
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Os golpes da atualidade podem ocorrer sem movimentos de tropa, como demonstrado em 2016

Impossível evitar especulações sobre o que nos aguarda no curto prazo. Os que temem um golpe, não estão desprovidos de senso. O presidente é irresponsável o bastante não se conformar com a derrota cada vez mais certa. Perde apoio continuamente e se desespera com o desempenho de seu único adversário eleitoral efetivo.

O homem não está sozinho em seu desespero e sabe cultivar a turba desvairada. Atende aos alérgicos à mudança social. Conta com amparos em instituições descoladas das aspirações dos brasileiros. Cativa integrantes dos instrumentos de força secularmente calejados na manutenção da ordem social iníqua. Dispõe da simpatia de movimentos ultradireitistas em clara ascensão pelo mundo.

A maioria dos brasileiros, quando pensa em golpe de Estado, viaja para os idos de 1964. Alguns retroagem à 1937. Muita coisa mudou. A tropa é a mesma, formada por jovens sem oportunidades, mas os comandantes são outros. Não há mais generais legendários, experientes no confronto de ideias e com veleidades de construir um país digno das corporações modernizadas, como aqueles formados por franceses entre as duas guerras mundiais que deliberaram impor a “política do Exército”.

A indigência intelectual dos atuais comandantes foi recentemente explicitada com o tal “Projeto de Nação”, repertório de aleivosias fundadas no neoconservadorismo estadunidense.

Os golpes da atualidade podem ocorrer sem movimentos de tropa, como demonstrado em 2016. Além da formação do ambiente que os enfileirados chamam de “psicossocial” e de “sinergias” com os braços civis do Estado, os golpes de hoje também podem se dar com explosões de violência que justifiquem a saída dos quartéis para a preservação da lei e da ordem.

Ao chamado do atual mandatário, é possível que marombados desandem a bater e matar sem encontrar a devida repressão. O homem já provou sua insensibilidade diante da morte de compatriotas. Arruaças e tumultos podem ser facilmente provocados de norte ao sul. Possíveis ondas de saques ao comércio serão turbinadas pelos milhões de famintos.

Não será difícil traumatizar a sociedade com atentados contra lideranças políticas. O caos seria estimulado por sabotagens em serviços públicos. Religiosos ávidos de grana podem induzir fiéis a entrar na bagunça.

Impossível saber se governadores e prefeitos conseguiriam controlar seus policiais-militares e guardas civis. E quem consegue adivinhar o comportamento das casas legislativas e do Judiciário? Este último não conteve em tempo hábil a degradação institucional lavajatista. Agora, por instinto de sobrevivência, tenta se aprumar, mas não tem unidade e age com medo.

As forças democráticas demoram a captar que a democracia está na corda bamba. Que confiança nas instituições! Foi-se o tempo em que as campanhas eleitorais da esquerda alimentavam a cultura democrática. Certos clientelismos fariam inveja aos homens da Velha República. Na caça ao voto, em prejuízo do debate político, os candidatos se limitam às reivindicações específicas de seus “colégios eleitorais”.

Alguns se tranquilizam pensando que Washington não avalizaria um golpe no Brasil. Por que não? Washington não se guia por amor à democracia. E se, do lance, resultar a aceleração da entrega do patrimônio dos brasileiros?

É improvável que as fileiras patrocinem aventuras de um presidente tão desgastado. Mas ainda podem usar sua figura estrambótica. O homem poderá finalizar seu serviço sujo armando um grande barraco. Aí, as impolutas salvadoras da pátria atacarão mais uma vez. Quem se atreve a prever o final da tragédia?

É hora de discutirmos as armadilhas do Estado contra a soberania popular. Não cabe apenas ganhar eleições, mas envolver a maioria na defesa do regime democrático. A institucionalidade de que dispomos não foi construída para atender à vontade dos de baixo, mas para a preservação do patriarcalismo, do legado escravocrata e da subordinação aos que se imaginam donos do mundo.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleonora Albano Marcelo Guimarães Lima Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Jean Pierre Chauvin Luiz Renato Martins Afrânio Catani Leonardo Sacramento Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Tales Ab'Sáber Leda Maria Paulani Marcus Ianoni Daniel Costa Leonardo Boff Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Lincoln Secco Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Manchetômetro Benicio Viero Schmidt Luiz Marques Elias Jabbour Anselm Jappe Otaviano Helene José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Juarez Guimarães Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu Ronald León Núñez Renato Dagnino Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Lopes João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Michael Löwy Marcos Aurélio da Silva Ricardo Abramovay José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Eduardo Borges Ricardo Fabbrini Mário Maestri Antonio Martins Bernardo Ricupero Ricardo Musse Igor Felippe Santos Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Paulo Nogueira Batista Jr Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Marilena Chauí Roberto Bueno Vanderlei Tenório Paulo Martins Fernando Nogueira da Costa Luiz Bernardo Pericás Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Celso Favaretto Luiz Costa Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Brazil João Lanari Bo Tadeu Valadares Thomas Piketty Eugênio Bucci Ricardo Antunes Caio Bugiato Gabriel Cohn Valério Arcary Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Luiz Roberto Alves José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris Salem Nasser Gerson Almeida José Costa Júnior Gilberto Maringoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Julian Rodrigues Dennis Oliveira Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro Chico Whitaker Valerio Arcary Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Antonino Infranca Chico Alencar Celso Frederico Annateresa Fabris Andrew Korybko Henry Burnett Michael Roberts Armando Boito Fernão Pessoa Ramos João Carlos Salles Carlos Tautz Dênis de Moraes Lorenzo Vitral Slavoj Žižek Bruno Machado Anderson Alves Esteves Jorge Branco Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Luiz Eduardo Soares Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Fernandes Silveira André Singer João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Flávio Aguiar Carla Teixeira Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alysson Leandro Mascaro Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana João Feres Júnior José Luís Fiori Liszt Vieira Marcos Silva Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada