Inteligência altamente artificial

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VINÍCIO CARRILHO MARTINEZ*

Reflexões sobre o caso do metafísico-autômato

Na era da Inteligência artificial, que assombra os que têm inteligência social, há indivíduos que desenvolvem comorbidades sociais, morais, das mais diversas, severas e íntimas. Chamaremos esses indivíduos de “portadores de inteligência altamente artificial” (PITA). Comumente assujeitados, são bem pouco sujeitos de fato e de si (e, por óbvio, desconhecedores da autonomia, do seu próprio significado), acabam envolvidos em seitas fetichistas e maquínicas.

Fetiche para esses indivíduos (que também vamos chamar de “esse-ser-aí”) é algo que se resume a atos libidinosos. Porém, como é muito raro que saibam o que é libido, então, são apenas seguidores de desejos inconfessáveis, impublicáveis e inelegíveis. Esses seres pouco dialogam com outros seres, efetivamente sociais. Portanto, seu fetiche se resume a liquidar todo mundo como mercadorias – ele próprio (“sendo-esse-ser-aí”) aceitaria ser manipulado (abduzido) porque já não é autônomo. São seres tão robotizados que veem máquinas autônomas, ou seja, como se as máquinas fossem (ou pudessem ser, efetivamente) autônomas. Esses indivíduos, em suma, confundem autômatos com autônomos.

Por isso tanto idolatram e confirmam mitos, às vezes, transferindo o fetiche do líder para a acompanhante feminina do mito inelegível. O fetiche é pelo líder, disso não há dúvidas – seja o fetiche “desse-ser-aí” ou maquínico (dele como mercadoria do mito), seja o fetiche sexualizado pela acompanhante do mito. Neste caso, trata-se do mito já caído, inelegível e desprezível. Se é que possa existir algo assim, digamos que seja um inelegível “fetiche reverso”.

Esse é o autômato que nos acompanha nesta série d’O metafísico. Quase inesgotável, tantas são as caricaturas possíveis, “esse-ser-aí-metafísico” é o mesmo já retratado como “admirável gado novo”, à espera da sua hora no abatedouro.

O destaque de hoje vai para a qualidade ou, melhor dizendo, tipo de inteligência que possui – pode-se dizer assim. Trata-se da manifestação que esboçamos no título: a Inteligência altamente artificial. Isso se comprova pelo fato de que o “metafísico-autômato-sendo-assim” ignora os fatos concretos. Alude-se pelas redes sociais, crê piamente em mentiras, nas piores distorções que o juízo desprovido de valor humano possa conferir. Quanto mais mentiroso, compulsivamente mentiroso, mais o metafísico-autômato irá querer para si.

O metafísico-autômato é o indivíduo desprovido de autonomia (portanto, nulo em inteligência social) que vive para receber e multiplicar as mentiras, na prática, como efetivo não-ser, mas sempre como curador e militante da Inteligência altamente artificial.

Por fim, hoje, queremos concluir reforçando sua transferência fetichista, do mito, para sua acompanhante, igualmente impronunciável. Porém, esta é uma tese a ser aprofundada por psicanalistas e psiquiatras: o fetiche pelo mito inelegível transforma-se em fetiche reverso pela acompanhante impronunciável. Nosso argumento é apenas o de que o metafísico-autômato é adorador do fetiche maquínico (sobre si) e replicante da Inteligência altamente artificial.

O metafísico-autômato é a própria sina da sua Inteligência altamente artificial, é o indivíduo que reproduz todo tipo de desinteligência social, pois, é portador de um bastante incomum senso comum. Ainda que seja o único da espécie que não saiba disso. Também seria interessante pensar como seria a vitimologia metafísica do mito caído, inelegível e fetichizado pela desinteligência do metafísico-autômato.

Mas isso já é outra história, e essas histórias fazem mal a quem tenha inteligência social.

*Vinício Carrilho Martinez é professor do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES