A esquerda e o cerco ao governo Lula

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARTUR SCAVONE*

Levar em conta a conjuntura política nacional e internacional para avaliar a potência e a capacidade de ação do governo eleito

Diversos setores e personalidades de esquerda têm exigido – além da apuração e punição rigorosa dos atos golpistas do último dia 8 de janeiro – que o governo Lula promova imediatamente medidas como o fim da PM, o afastamento do alto comando das FFAA (cf. Vladimir Safatle), a destituição do ministro José Múcio Monteiro, a prisão do general golpista e outros itens de igual gravidade (cf. Gilberto Maringoni, Breno Altman). Não há qualquer sombra de dúvida: tais reivindicações têm bases reais fundadas na simples constatação do desenrolar dos fatos recentes que desembocaram nos acontecimentos do dia 8 de janeiro.

A derrocada do atentado golpista foi uma vitória ímpar devida à capacidade de Lula e das lideranças ao seu lado de reagir rapidamente ao golpe por meio de uma intervenção civil inovadora na história do país, conforme ressalta Francisco Carlos Teixeira da Silva em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo. E – é preciso reconhecer o papel do indivíduo na história – à ação determinada e corajosa do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes que conseguiu unificar em grande medida a alta corte do país.

A divisão dos diversos setores burgueses provocada pelas facções que relutaram em apoiar a articulação do golpe – porque não identificaram mais em Jair Bolsonaro uma solução interessante para seus interesses – e a ação unificada do judiciário, colocaram o alto comando das Forças Armadas em situação de relutância, o que impediu os militares de aderirem ao golpe em andamento.

É preciso, entretanto, levar em conta a conjuntura política nacional e internacional em que estamos metidos para avaliar a potência e a capacidade de ação do governo eleito. Essa avaliação é essencial para podermos pensar na proposição de linhas de ação consequentes.

Lula e Geraldo Alckmin foram eleitos no bojo da formação de uma ampla frente democrática, em um processo difícil. A vitória foi obtida com estreita margem e há um contingente expressivo da população encantado com os cânticos da direita fascista. E não podemos desconsiderar o avanço da direita mundialmente, já que a própria tentativa de golpe tupiniquim teve articulações vindas da direita norte-americana com apoio de outros setores na Europa. Em outras palavras, o governo eleito estará sob permanente ataque, sitiado interna e externamente.

Não é necessário descrever a estratégia pretendida pelos fascistas, já tão analisada. Mas é necessário discutir outra questão: como reagir aos golpistas? Com certeza as reivindicações com as quais iniciei este texto são procedentes. Alguém duvida que Lula e seus assessores próximos têm certeza da necessidade de desmontar essa estrutura da direita? O problema real não é pontuar esses objetivos diretos e exigir sua execução, mas discutir e propor caminhos que construam as condições hegemônicas para sua concretização.

Se é verdade inquestionável que é necessário apurar, investigar e condenar os golpistas nas suas diversas dimensões, têm razão aqueles que afirmam a necessidade de uma contraofensiva para além da resposta institucional, porque será nas ruas que se medirá forças com o golpismo (cf. Valério Arcary). Assim como é fundamental defender que sejam estruturadas de forma permanente as forças políticas que constituíram a frente democrática (cf. Vereda Popular). Eu incluiria ainda outros itens: agilizar as conferências setoriais do governo; restabelecer o orçamento participativo; operacionalizar as formas de controle da sociedade sobre o Estado, promovendo ampla participação popular. Além da facilitação da organização dos movimentos sociais. Com certeza falta acrescentar e estruturar outros itens a esta proposta, mas o esboço de um programa mínimo de resistência pode ser encontrado no artigo de Raimundo Trindade, publicado no site A Terra é Redonda. Esta é a discussão a ser feita.

Trata-se, portanto, de ter clareza da necessidade de fazer a disputa pela hegemonia política na sociedade e para tanto a frente democrática que venceu as eleições deve ser o ponto de convergência desse processo junto com uma ampla mobilização popular. Não podemos desconsiderar a vitória tão estreita da última eleição. Somente com o respaldo de um amplo movimento na sociedade será possível tomar atitudes fortes que desmontem o golpismo da direita fascista, o que não depende apenas da vontade de Lula.

*Artur Scavone é jornalista e mestre em filosofia pela USP.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Armando Boito Rafael R. Ioris Bernardo Ricupero João Lanari Bo Daniel Brazil Gilberto Lopes Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Leonardo Sacramento André Singer Otaviano Helene Daniel Costa Claudio Katz Valerio Arcary Manchetômetro Andrés del Río Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Tadeu Valadares Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Luiz Werneck Vianna Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Samuel Kilsztajn João Feres Júnior Celso Favaretto Michael Löwy Chico Whitaker Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Marques Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Jean Pierre Chauvin Marjorie C. Marona Ronald Rocha Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Gerson Almeida José Machado Moita Neto Ronaldo Tadeu de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henry Burnett Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Caio Bugiato Matheus Silveira de Souza Ricardo Musse Flávio Aguiar Henri Acselrad Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle Fábio Konder Comparato Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Eleonora Albano Celso Frederico José Dirceu Eduardo Borges Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Bruno Machado Anselm Jappe Manuel Domingos Neto Jorge Branco João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Antunes Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Michael Roberts Paulo Martins José Geraldo Couto Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Mariarosaria Fabris Maria Rita Kehl Leonardo Boff Francisco Fernandes Ladeira Dênis de Moraes Sergio Amadeu da Silveira Heraldo Campos Chico Alencar João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Antonio Martins Milton Pinheiro Marcus Ianoni Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Bento Prado Jr. Carlos Tautz Slavoj Žižek Thomas Piketty Anderson Alves Esteves Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Airton Paschoa Rubens Pinto Lyra Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Salem Nasser Gabriel Cohn Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Benicio Viero Schmidt Michel Goulart da Silva Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini Tarso Genro Vanderlei Tenório Gilberto Maringoni Alexandre de Freitas Barbosa José Raimundo Trindade Érico Andrade Antonino Infranca Flávio R. Kothe Valerio Arcary André Márcio Neves Soares Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Carla Teixeira Leonardo Avritzer José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Marcelo Guimarães Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada