Joe Biden e Bernie Sanders

Imagem: Luiz Armando Bagolin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LIZA FEATHERSTONE*

A melhor estratégia da esquerda é não ignorar a ascensão desse novo Biden, nem insistir que o antigo foi embora para sempre

Joe Biden, sejamos francos, é uma figura bem improvável de sustentar uma agenda política que mire na transformação. Ele está implicado profundamente em muito do que há de errado com os Estados Unidos e o mundo de hoje: já trabalhou feliz da vida com segregacionistas nos anos 1970, depois virou um criminoso parlamentar, fato que resultou em encarceramento em massa, e foi também um campeão da guerra do Iraque, que matou dezenas de milhares de civis iraquianos e soldados estadunidenses. Em Yesterday’s Man (Verso, 2020), o novo livro de Branko Marcetic, você pode conhecer mais sobre essa deprimente figura pública do conservadorismo.

Vale perguntar por que, então, dado este histórico e contexto, a nova agenda política de Biden parece surpreendentemente decente? Parte disso se explica com a tentativa de desfazer o estrago e as falhas críticas dos últimos quatro anos; sabemos que seu antecessor, um aspirante a ditador adorado por fascistas ao redor do mundo, acabou com qualquer parâmetro. Entretanto, esta não é toda a história.

Ontem, durante seu primeiro dia de mandato, Biden assinou uma série de decretos executivos. Alguns deles acenam para o que qualquer democrata faria, mas ainda assim, são dignos de nota, já que são cruciais para a sobrevivência humana: ele assinou um decreto que obriga o uso de máscaras em todos as propriedades públicas, retornou ao acordo de Paris e a Organização Mundial da Saúde (OMS), e restaurou a capacidade deste governo de lidar com a pandemia de maneira coordenada.

Também deu fim à comissão racista e anti-intelectual de Trump, a Comissão 1776, e colocou os imigrantes mais próximos da residência permanente de novo. Os outros decretos visam reverter o ataque bárbaro à classe trabalhadora internacional empregado pelo governo Trump: o fim do “banimento muçulmano” (impedimento de entrada de pessoas de certos países, todos muçulmanos), a retomada das aplicações para vistos destes países, em um movimento para reunir famílias separadas na fronteira, criar proteções contra a discriminação racial, parar com a construção do muro, e reinserir não-cidadãos estadunidenses no Censo nacional.

Ainda, alguns desses decretos foram mais longe ainda, incorporando um afastamento mais decidido da política econômica bipartidária da era Reagan do que esperamos. Ele interrompeu o oleoduto Keystone, revogou permissões de combustível e gás em todos os monumentos nacionais, estendeu ordens de despejo e encerrou moratórias, pausou o pagamento de empréstimos estudantis e congelou as regulações contra o meio-ambiente de Donald Trump.

Sua agenda legislativa também se afasta da austeridade que muitos de nós esperávamos dele um ano atrás. Qualquer democrata em sã consciência – torcemos – rejeitaria a besteira anticientífica e machista que foi a resposta de Trump à pandemia e ao menos tentaria um estímulo econômico meia-boca para enfrentar a recessão.

A coisa é que Biden está propondo gastar dinheiro de verdade com essas urgências. E pediu ao Congresso 1.9 trilhões de dólares para vacinar todos o mais rápido possível, investir no auxílio às famílias estadunidenses, ajudar escolas a abrirem em segurança, os governos estaduais a sanar problemas públicos vitais, e aumentar o salário mínimo para 15 dólares/hora. Ele nomeou Janet Yellen para a secretaria do Tesouro e não um urubu capitalista qualquer. Biden parece aberto à ideia de taxar os ricos. Diz ele que quer expandir o acesso à saúde.

Ele também colocou uma ênfase sem precedentes na mudança climática, mesmo em meio à outras crises que naquele momento os eleitores considerassem mais urgentes, e nomeou um time de especialistas no clima para sua equipe na Casa Branca, estabelecendo a meta de descarbonizar o sistema elétrico em quinze anos, ação que surpreendeu tanto a indústria de combustível fóssil quanto ativistas climáticos.

Os planos de Biden não são a mesma coisa que a agenda social-democrata de Bernie Sanders. Ele não está insistindo no Medicare for All, no Green New Deal pra valer ou na gratuidade do ensino superior. Sanders promoveria o cancelamento de dívidas de aluguel e estudantis – esta última, para sempre. Ainda assim, após a revirada impensável, Joe Biden está parecendo, por enquanto, um bom liberal.

Essa espécie há muito em extinção tende a florescer quando seu habitat inclui duas condições históricas de uma vez: crise profunda e um movimento social organizado. Sem a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial, Franklin D. Roosevelt provavelmente seria lembrado agora como um bem reputado branco de classe média com uma esposa com consciência social diferenciada e uma vida nada convencional.

Você consegue imaginar Joe Biden sem a devastadora pandemia da COVID-19, a recessão, os protestos em massa contra a brutalidade policial no último verão ou as duas campanhas presidenciais de Bernie Sanders e suas consequências (a viabilização de novos políticos socialistas democráticos como Alexandria Ocasio-Cortez, Cori Bush e Jamaal Bowman, novas prioridades dentro da social-democracia como saúde e moradia e o crescimento da militância organizada de esquerda)?

Claro que consegue! Todos conhecemos esse Joe Biden.

A melhor estratégia da esquerda é não ignorar a ascensão desse novo Biden, nem insistir que o antigo foi embora para sempre. Ao invés disso, nós devemos reivindicar o crédito por esse liberal bonzinho que começa agora sua passagem pela Casa Branca e criar as condições necessárias para garantir que ele faça tudo que prometeu e muito mais. Principalmente sobre o clima, uma pauta onde não existe tempo a ser desperdiçado e tem muito potencial para a ação.

Nós, da esquerda, parecemos ser mais inteligentes e realistas com nossos camaradas quando viramos nossos olhos e dispensamos a possibilidade de extrair alguma coisa desses democratas, quando ignoramos essas nuances e ficamos chamando nossos oponentes de neoliberais como se nada estivesse acontecendo. Precisamos também reivindicar as vitórias da esquerda e compreender a dramática crise global que produziu a nova encarnação de Joe Biden.

Desistir de pressionar o governo seria um erro; nós precisamos exigir que Biden cumpra suas promessas, enquanto também nos explica por que nosso mundo precisa de algo a mais que um bom liberalismo: se a história nos ensina alguma coisa é que a política externa de Biden tenderá a ser profundamente antissocialista e sangrentamente intervencionista.

Acima de tudo, nós precisamos construir o socialismo, a esquerda, e o poder operário da base, focando nos governos locais e estaduais e em nossos locais de trabalho. Esta é a única maneira de garantir que as futuras gerações possam esperar algo melhor que a versão liberal de Joe Biden. Não podemos permitir que esse momento caótico e complicado seja desperdiçado.

*Liza Featherstone é professora na School of International and Public Affairs, Columbia University (EUA). Autora, entre outros livros, de Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart.

Tradução: Guilherme Ziggy para a revista Jacobin Brasil.

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lucas Fiaschetti Estevez Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Abramovay Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Anselm Jappe Daniel Brazil Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Machado Airton Paschoa Vanderlei Tenório Sergio Amadeu da Silveira Henri Acselrad Michael Löwy Berenice Bento Priscila Figueiredo Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris Andrés del Río André Singer João Carlos Salles João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Matheus Silveira de Souza Manuel Domingos Neto Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Luiz Werneck Vianna Manchetômetro Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Ricardo Musse Dênis de Moraes Lincoln Secco Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Eliziário Andrade Milton Pinheiro Paulo Sérgio Pinheiro Flávio Aguiar Luiz Marques Michel Goulart da Silva Slavoj Žižek Carla Teixeira Leonardo Avritzer Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Valerio Arcary José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Samuel Kilsztajn Armando Boito José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Marcus Ianoni Annateresa Fabris Paulo Capel Narvai Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Walnice Nogueira Galvão Daniel Afonso da Silva Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Celso Favaretto Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Eduardo Borges Renato Dagnino Gilberto Lopes Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Antonino Infranca Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl Alexandre Aragão de Albuquerque Caio Bugiato Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Jorge Branco Luiz Roberto Alves Antonio Martins Paulo Martins Thomas Piketty Jean Marc Von Der Weid Henry Burnett Tadeu Valadares Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins José Geraldo Couto Gabriel Cohn José Dirceu Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Bento Prado Jr. Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Carlos Tautz Leonardo Boff Liszt Vieira Benicio Viero Schmidt Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Eleonora Albano Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Ari Marcelo Solon Ricardo Antunes Marilena Chauí Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Paulo Nogueira Batista Jr Fernando Nogueira da Costa Marcos Silva Marjorie C. Marona Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe José Luís Fiori Heraldo Campos Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Ronald Rocha Gilberto Maringoni Claudio Katz Luiz Eduardo Soares Chico Whitaker Érico Andrade Michael Roberts Kátia Gerab Baggio Daniel Costa João Lanari Bo Alysson Leandro Mascaro

NOVAS PUBLICAÇÕES