As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Judas e o messias negro

Marco Buti, série ATACAMACHAÇA
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme dirigido por Shaka King.

Judas e o messias negro, de Shaka King, é um drama histórico-policial cujo alcance vai muito além do episódio real específico que aborda: a atuação de um espião infiltrado pelo FBI nas fileiras dos Panteras Negras e sua contribuição para o assassinato do jovem líder Fred Hampton. O filme está em cartaz nos cinemas de algumas cidades brasileiras e em pré-lançamento no canal de streaming Now.

O agente em questão é o também jovem Bill O’Neal (LaKeith Stanfield), um pequeno marginal negro de Chicago que usava uma credencial falsa de agente federal para tapear cidadãos e roubar seus carros. Flagrado em seu esquema, ele acaba virando de fato um instrumento do FBI para monitorar a célula dos Panteras Negras na cidade, liderada pelo brilhante e carismático Hampton (Daniel Kaluuya, premiado com o Oscar de coadjuvante).

O detalhe da credencial é quase uma metonímia do tema geral do filme, pois condensa duas ideias que lhe são centrais: identidade e poder. O policial que interroga Bill, e que acabará por recrutá-lo para a ação de infiltração, manifesta curiosidade: por que a credencial falsa? “Porque um negro pobre pode até ter uma arma, mas quem tem uma credencial conta com todo o poder do exército americano atrás de si”, responde o ladrãozinho. Com a falsa identidade de policial, Bill extorquia negros da periferia como ele, acusando-os de ter roubado seus próprios automóveis.

Ocorre então uma inversão: se antes exibia uma credencial falsa para se impor como agente da lei, depois ele passa a servir secretamente à “lei” misturado aos militantes do movimento negro, para monitorá-los. Nessa ironia reside boa parte do sentido político do filme. Pois não serão poucos os crimes que presenciaremos, perpetrados pelos representantes do Bureau comandado por J. Edgar Hoover (Martin Sheen, irreconhecível), supostamente em defesa da lei e da ordem.

A defesa da ordem, parece dizer o filme, é sempre a defesa de uma certa ordem. Mas, se esse é o tema político subjacente, o foco é o drama pessoal do infiltrado Bill O’Neal, que já na primeira cena aparece dando uma entrevista à série televisiva documental Eyes on the prize, sobre seu papel nos acontecimentos que levaram à morte do líder Hampton.

Um pouco como o policial negro de Infiltrado na Klan, de Spike Lee, que tem sua consciência racial despertada ao se misturar com militantes do movimento pelos direitos civis, Bill também balança visivelmente ao ouvir os discursos épicos de Fred Hampton e acompanhar o apaixonado trabalho de base dos Panteras, que inclui escolas, creches e atendimento médico às populações negras desassistidas. A certa altura, não sabemos mais para que lado pendem seus sentimentos e, sobretudo, sua lealdade.

A julgar pelo filme, as autoridades temiam que Fred Hampton, então com apenas 20 anos, viesse a se tornar um líder da dimensão de um Malcolm X ou de um Stokely Carmichael. O que mais as apavorava era a tentativa de Hampton de unificar na luta por emancipação toda a comunidade pobre de Chicago, incluindo gangues de traficantes, grupos religiosos, latinos explorados e até brancos insatisfeitos.

Ancorado nessas bases sólidas – evento histórico real, eixo político claro, drama íntimo do protagonista –, Shaka King constrói uma narrativa de thriller policial envolvente, ajudado pelo fato de que qualquer história de agente duplo (seja espião internacional, membro de gangue ou informante da polícia) propicia suspense a cada momento, bem como uma exploração dos limites psicológicos e éticos do indivíduo em questão.

Mais até do que Spike Lee em Infiltrado na Klan, quem trafega muito bem nesse terreno movediço é Martin Scorsese em Os infiltrados. Em Judas e o messias negro há uma espécie de equilíbrio entre a abordagem político-racial do primeiro e a habilidade do segundo na condução da tensão narrativa e do crescendo de violência.

Uma das sagacidades do diretor Shaka King é não se restringir ao ponto de vista do protagonista, eludindo assim vários momentos da sua vida e mantendo sombras de incerteza ao seu redor. No fim das contas, há um núcleo nele que permanece impenetrado. Quem é Bill O’Neal, afinal? O que estava pensando e sentindo?

O verdadeiro William O’Neal morreu aos 40 anos, meses depois da entrevista à série Eyes on the prize. Invadiu a pista de uma avenida movimentada e foi atropelado. Suicídio, ao que tudo indica. Segundo o tio a quem ele acabara de visitar, o sobrinho estava “torturado pela culpa”.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


Judas e o messias negro (Judas and the Black Messiah).
EUA, 2020, 126 minutos.
Direção: Shaka King.
Elenco:Daniel Kaluuya, LaKeith Stanfield, Jesse Plemons, Dominique Fishback, Ashton Sanders, Algee Smith.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Micaelson Lacerda Morais Annateresa Fabris Bruno Machado Samuel Kilsztajn Slavoj Žižek Luiz Renato Martins Gabriel Cohn Valerio Arcary Kátia Gerab Baggio Julian Rodrigues Ricardo Musse Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Maria Rita Kehl Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Yuri Martins-Fontes Roberto Bueno João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Dênis de Moraes Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Érico Andrade Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Atilio A. Boron Afrânio Catani Roberto Noritomi Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko José Costa Júnior Jean Marc Von Der Weid João Paulo Ayub Fonseca Marjorie C. Marona Gilberto Lopes Tales Ab'Sáber Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Anselm Jappe Liszt Vieira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilena Chauí Osvaldo Coggiola Renato Dagnino Daniel Afonso da Silva Manuel Domingos Neto Remy José Fontana José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Priscila Figueiredo Denilson Cordeiro Rubens Pinto Lyra Daniel Costa Otaviano Helene Chico Whitaker Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro Gerson Almeida Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Caio Bugiato Eleonora Albano Salem Nasser Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Vladimir Safatle José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Paulo Fernandes Silveira Anderson Alves Esteves Vanderlei Tenório Lucas Fiaschetti Estevez Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Leonardo Boff André Singer Ricardo Antunes Jorge Branco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Carlos Tautz Henri Acselrad Ricardo Abramovay Mário Maestri Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Alexandre Aragão de Albuquerque Sandra Bitencourt João Lanari Bo Dennis Oliveira Vinício Carrilho Martinez Michael Löwy Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Marcus Ianoni Thomas Piketty João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Sacramento José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Henry Burnett Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Heraldo Campos Bento Prado Jr. Antonio Martins Celso Frederico Marcos Silva José Dirceu Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Milton Pinheiro Eduardo Borges Valério Arcary Walnice Nogueira Galvão Gilberto Maringoni Tarso Genro Paulo Martins Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Celso Favaretto Michael Roberts Daniel Brazil Ladislau Dowbor Tadeu Valadares Berenice Bento Armando Boito

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada