Luz para Todos na Amazônia

Imagem: Luca Nardone
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ ENRIQUE VIEIRA DE SOUZA, RODOLFO DOURADO MAIA GOMES, ALINA M. GILMANOVA CAVALCANTE & MÁRCIO G. PEREIRA*

O governo precisa incorporar a sociedade civil nos processos de implementação, avaliação e monitoramento do Luz para Todos

“Vamos levar energia a todos os brasileiros”. Com essas palavras, o presidente Lula anunciou em Parintins a reedição do Programa Luz para Todos, que já beneficiou mais de 18 milhões de pessoas desde sua primeira edição, em 2003. Trata-se de um dos maiores programas de combate à pobreza energética do mundo, reconhecido internacionalmente por garantir direitos fundamentais e melhorar a vida das parcelas desfavorecidas.

Porém, ao longo dessas duas décadas, pesquisadores e ativistas sociais ressaltaram que não basta “iluminar a pobreza”, é preciso conceder incentivos para que as comunidades utilizem a eletricidade de modo a promover o desenvolvimento local segundo seus próprios parâmetros e necessidades.

Esse salto qualitativo depende de um rearranjo institucional que torne a governança do programa transversal e inclusiva. Além disso, requer a criação e implementação de sistemas de avaliação e monitoramento que assegurem não apenas o bom funcionamento técnico e otimização do recurso financeiro, mas que também estimule projetos de responsabilidade social, como a implantação de equipamentos elétricos para o beneficiamento da produção rural, como ecofogões, máquinas de farinha, freezers, etc.

Essas medidas convergem com os objetivos estabelecidos pelo governo, segundo os quais o Luz para Todos deve contribuir para “reduzir as desigualdades sociais e regionais do País, promover a inclusão social e produtiva de comunidades vulneráveis, (…) a cidadania e a qualidade de vida no meio rural e em regiões remotas da Amazônia Legal, por meio do combate à pobreza energética” (No. 11.628, 04/08/2023, Art. 2º., inciso III). Vale sublinhar que a ênfase na região amazônica decorre do fato de que cerca de um milhão de habitantes da Amazônia Legal (AL) permanecem “no escuro”, sem acesso à energia elétrica (IEMA/USP).

O Ministério de Minas e Energia (MME) alega que as demandas das comunidades da Amazônia ainda não foram priorizadas por razões logísticas. Reconhece-se que muitas situam-se em áreas remotas, de baixa densidade populacional, e a construção de novas linhas de transmissão para atendê-las seria financeira e ambientalmente inviável. No entanto, essas regiões tornaram-se as últimas fronteiras para a universalização do acesso à eletricidade, e os Sistemas de Geração Distribuída (SGDs) – que funcionam por meio da associação entre painéis fotovoltaicos e baterias – oferecem uma alternativa para superar tais obstáculos de maneira econômica e ambientalmente responsável.

Na prática, porém, o que se observa desde o discurso de Parintins é a continuidade de um modelo no qual as distribuidoras encaram a expansão do acesso à eletricidade segundo uma perspectiva puramente quantitativa. Sua preocupação é atingir um número suficiente de novas ligações, cumprir metas e apresentar estatísticas que lhes credenciem aos benefícios estabelecidos nos contratos firmados com o governo.

Em outras palavras, o Luz para Todos não produzirá os efeitos econômicos e sociais multiplicadores na escala desejada, enquanto o governo não promover um arranjo institucional que o aborde como uma política pública transversal. O programa é de responsabilidade do Ministério de Minas e Energia e não existem canais eficazes com outros órgãos que colaborem para transformá-lo em vetor de desenvolvimento.

Exemplo disso foi a criação de uma Secretaria Nacional de Bioeconomia, que visa promover o “aproveitamento dos ativos ambientais, inclusive os produtos da Sociobiodiversidade”, mas que ainda não estabeleceu pontes com o Ministério de Minas e Energia para que a bioeconomia disponha da infraestrutura energética, inclusive nas regiões remotas.

Ainda não existe articulação consistente para que o bioma amazônico venha a ser uma “incubadora de cooperativas sustentáveis”. A maioria dos bioprodutos são recursos naturais exportados como commodities ou comercializados com outras regiões do Brasil, sem uma política que de fato estimule novas cadeias de valor e facilitem o acesso das comunidades a tecnologias de beneficiamento que permitam conciliar qualidade de vida digna e manutenção da floresta em pé. Não se trata de utopia nem de criar algo do zero, pois já existem algumas iniciativas bem-sucedidas que poderiam servir de referência, como os Centros Comunitários de Produção (CCP), que beneficiam mais de mil famílias oferecendo apoio para o uso eficiente e produtivo da energia elétrica.

É verdade que o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar e o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional também elaboraram projetos para a região Amazônica, mas cada um deles persegue suas próprias metas, sem um efetivo diálogo institucional com os responsáveis pelo planejamento energético. Uma exceção é o programa “Escolas Conectadas”, que tem por objetivo garantir que todas as escolas brasileiras tenham acesso à internet. Para isso, o Ministério da Educação estabeleceu um canal com o Ministério de Minas e Energia, responsável pela infraestrutura energética dos computadores e outros dispositivos necessários para a conexão.

Uma potencial solução estratégica para contornar essa desarticulação institucional seria tornar a Casa Civil corresponsável pela implantação do Luz para Todos. Com seu poder de ascendência sobre todos os ministérios, a Casa Civil mobilizaria os recursos necessários, estabelecendo diálogos interministeriais para que o programa fomente o desenvolvimento regional, estimule o empreendedorismo, a inovação, a transição para uma economia de alta densidade tecnológica e o melhor aproveitamento da sociobiodiversidade amazônica.

Uma governança efetiva e ao mesmo tempo inclusiva também depende da criação de mecanismos de monitoramento e avaliação do Luz para Todos. Isso quer dizer que não basta uma visita técnica no momento de instalação dos pontos de eletricidade. É preciso que informações relevantes sobre as comunidades sejam registradas e que se criem indicadores quantitativos e qualitativos para analisar os impactos reais da eletricidade na economia local e na qualidade de vida dos beneficiários, incluindo questões de saúde, eficiência energética, educação, gênero, conectividade, inovação e empreendedorismo.

Mais do que respostas ágeis às falhas técnicas no fornecimento de energia, as políticas de avaliação e monitoramento permitiriam adaptar os serviços de eletricidade às dinâmicas locais. Isso significaria, por exemplo, identificar as regiões em que a capacidade instalada já não é suficiente para suprir as necessidades socioeconômicas das comunidades.

Essas medidas dependem do engajamento de um número suficiente de quadros do governo. Porém, assim como outros órgãos governamentais, o Departamento de Universalização e Políticas Sociais de Energia Elétrica, que gere o Luz para Todos, foi paulatinamente desmantelado nos últimos anos, de modo que a escassez de profissionais prejudica a universalização do acesso à eletricidade e a transição energética. Assim, é preciso reconhecer que os principais programas do governo Lula para o setor energético dificilmente serão bem-sucedidos enquanto não suprirem o déficit de profissionais capacitados no Ministério de Minas e Energia.

De maneira complementar e não substitutiva, o governo precisa incorporar a sociedade civil nos processos de implementação, avaliação e monitoramento do Luz para Todos. Dezenas de povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e extrativistas reuniram-se em Belém (9 a 11 de maio) para debater e redigir uma carta com demandas relativas à “exclusão energética e resiliência dos povos da Amazônia Legal”.

Esses atores conhecem as especificidades de seus territórios e vêm prestando uma contribuição inestimável como “guardiões da floresta” no enfrentamento aos grileiros, madeireiros e ao garimpo ilegal. Inteligência no combate ao desmatamento também significa levar energia elétrica a esses territórios e prover suas populações com internet, drones e outras tecnologias necessárias para que eles continuem a ser os principais aliados das instituições responsáveis pela preservação da floresta.

*Luiz Enrique Vieira de Souza é doutor em sociologia pela Universidade de São Paulo (USP).

*Rodolfo Dourado Maia Gomes é diretor-Executivo da International Energy Initiative.

*Alina M. Gilmanova Cavalcante é doutora em ciências sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

*Márcio G. Pereira é doutor em planejamento energético pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Henri Acselrad Atilio A. Boron Milton Pinheiro Mário Maestri Dennis Oliveira Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Vanderlei Tenório José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Kátia Gerab Baggio João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Paulo Nogueira Batista Jr Liszt Vieira Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior Paulo Martins Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Rodrigo de Faria Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Bento Prado Jr. Thomas Piketty João Paulo Ayub Fonseca Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Geraldo Couto Anselm Jappe Michel Goulart da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Flávio Aguiar Armando Boito Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Frederico Celso Favaretto Lorenzo Vitral Salem Nasser Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Luiz Bernardo Pericás José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Daniel Brazil Fernando Nogueira da Costa Francisco Pereira de Farias Henry Burnett Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Roberts Daniel Afonso da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Ari Marcelo Solon Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse José Costa Júnior Matheus Silveira de Souza Marcos Aurélio da Silva João Carlos Salles Vladimir Safatle Marcos Silva Sergio Amadeu da Silveira Eduardo Borges Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Dênis de Moraes Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Otaviano Helene Manuel Domingos Neto Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Juarez Guimarães Paulo Fernandes Silveira Valerio Arcary Ricardo Antunes Elias Jabbour Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris José Micaelson Lacerda Morais Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Tarso Genro Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Maria Rita Kehl Luiz Eduardo Soares Luciano Nascimento Renato Dagnino André Singer Remy José Fontana Érico Andrade Julian Rodrigues Paulo Sérgio Pinheiro Claudio Katz Leda Maria Paulani Lincoln Secco Valerio Arcary Priscila Figueiredo Eleonora Albano Eugênio Trivinho Gilberto Lopes Chico Alencar Gerson Almeida José Machado Moita Neto Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Gilberto Maringoni Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Caio Bugiato Denilson Cordeiro Eliziário Andrade Antonino Infranca Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro Ronaldo Tadeu de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Andrés del Río Ronald Rocha Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada