As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mundos do trabalho

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCOS SILVA & MARINALVA VILAR DE LIMA*

Comentário sobre o livro organizado por Maria do Rosário Cunha Peixoto e Nelson Tomelin Jr.

Oportunizar ao público leitor brasileiro um debate sobre Mundos do trabalho: séculos XX e XXI é provocar a sociedade para o questionamento sobre os percursos tomados pelo capitalismo em sua incessante “gana” pela exploração e pelo lucro, que enfrenta os trabalhadores e seus projetos de autonomia. Tal questionamento articula os interesses de historiadores que atuam em diferentes Instituições nacionais de pesquisa e ensino, em uma esfera de alcance geográfico que engloba Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, presentes nesta coletânea e articuladas a núcleos similares em diferentes partes do mundo.

Essa reunião de escritos, organizada por Maria do Rosário da Cunha Peixoto e Nelson Tomelin Jr., surge como um dos resultados das pesquisas que têm sido desenvolvidas por professores e discentes da Universidade de São Paulo (USP: Maurício Gomes da Silva, Poliana Santos e Vandré Aparecido Silva, pós graduando e pós graduados, mais o Prefácio de Lincoln Secco, Professor), da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP: Heloísa Faria Cruz, Olga Brites e Maria do Rosário da Cunha Peixoto, Docentes), da Universidade Federal do Amazonas (UFAM: Nelson Tomelin Jr. e Maria Luiza Ugarte Pinheiro) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG: José Otávio Aguiar e Hilmária Xavier Silva, Professor e Pós-graduada), junto ao Projeto PROCAD/CAPES. Ela é uma amostra do esforço feito pela universidade brasileira para pensar Brasil e mundo, dialogar com a sociedade que garante sua existência, ensinar a essa sociedade e aprender com ela.

Os articulistas do livro são professores e/ou pesquisadores daquelas Instituições de ensino superior brasileiras e de unidades de ensino dos níveis fundamental e médio. Seus textos refletem sobrea sociedade brasileira e os caminhos e descaminhos que têm sido tomados na esfera de luta pela sobrevivência material e na definição de vontades e projetos próprios pelos trabalhadores, universo social do qual eles e nós fazemos parte enquanto intelectuais de profissão, sem esquecer que todos os seres humanos são dotados de intelecto, são intelectuais. E que o mundo do trabalho não se reduz aos atos da produção de mercadorias e serviços; ele é, antes de mais nada, infinitas experiências de homens e mulheres em seu contínuo fazer-se, conjunto de sociabilidades.

É assim que os autores desses textos abordam temas e problemas como Patrimônio Industrial e Memória Urbana, Políticas para Infância e Família de Trabalhadores, Migração e Etnicidade, Trabalhadores e Justiça, Militares Comunistas e Direitos, Resistência Popular, Carnaval e Literatura, Mutualismo Étnico, Reciclagem e Meio Ambiente e Assistencialismo e Política. Diante desses mundos do trabalho, os historiadores são também novos sujeitos críticos que procuram analisar mulheres e homens, de diferentes faixas etárias, no fazer-se cotidiano.

A contemporaneidade tem nos colocado como certeza maior a incerteza daquilo que um dia pareceu consolidado: um “ofício”. A cada dia, os apelos da tecnologia, em ritmo acelerado, criam e destroem profissões, levando a que formas de vida, experiências, crenças e paradigmas sejam colocados em xeque.

Cabe lembrar que não há contemporaneidade sem seus antes e seus depois, que os antes nos dirigem apelos no que se refere a projetos em aberto, conforme nos ensinou Walter Benjamin em seu clássico ensaio “Sobre o conceito de História”[i], e que os depois dependem em larga escala de nossos fazeres diante dos desafios que enfrentamos, como pode ser discutido a partir de Edward Thompson em sua brilhante trilogia A formação da classe operária inglesa[ii].

Existem as memórias e os projetos de trabalhadores, que são homens e mulheres dotados de múltiplas capacidades e se expressam permanentemente diante do mundo, dentro do mundo, são eles mesmos mundo.

Falar em mundo do trabalho é indagar sobre práticas culturais e capacidades políticas dos grupos sociais, suas resistências e suas alternativas. E as falas desse volume surgem num momento político brasileiro em que políticas desastrosas destroem direitos e pioram gravemente as condições de vida dos que vivem de seu trabalho, salários são ainda mais reduzidos, garantias nos campos de Saúde e Educação desaparecem ameaçadoramente.

Seria muito cômodo apenas declarar o fim do mundo do trabalho diante das novas tecnologias, louvar a coisificação tecnológica como se fôssemos uma peça a mais na engrenagem dominante, assistir de forma impassível à consolidação de controles sobre a vida de todos através do trabalho online e da automatização expandida. Existe um perturbador silêncio, na declaração daquele suposto fim, sobre diferenças sociais, poderes de determinados grupos sobre outros, que impedem até o presente momento a vontade do acesso generalizado à riqueza e ao ócio.

Historiadores, somos mais que coisas. Falamos de trabalhadores e também somos trabalhadores. Podemos desejar a superação das forças sociais que oprimem e exploram: o mundo é muito mais que isso.

E o conhecimento histórico tem contribuído para essas lutas. O mundo do trabalho é também o mundo do historiador, como esse livro tão bem demonstra em hora mais que oportuna.

*Marcos Silva é professor do Departamento de História da FFLCH-USP.

*Marinalva Vilar de Lima é professora de história na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

 

Referência


Maria do Rosário Cunha Peixoto e Nelson Tomelin Jr. (orgs.). Mundos do trabalho: séculos XX e XXI. São Paulo, Annablume, 2020.

 

Notas


[i] BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de História”, in: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 222/232.

[ii] THOMPSON, Edward. A Formação da Classe Operária Inglesa. Tradução de Denise Bottmann, Renato Busatto Neto e Cláudia RochadeAlmeida, Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Eugênio Trivinho Eugênio Bucci Gabriel Cohn Mariarosaria Fabris João Feres Júnior Airton Paschoa Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez Afrânio Catani Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Celso Favaretto José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Michael Roberts Leonardo Avritzer Thomas Piketty Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Marcelo Módolo Rafael R. Ioris Andrew Korybko Marcos Silva Gerson Almeida Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Antonio Martins Osvaldo Coggiola Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens Henry Burnett Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Henri Acselrad Samuel Kilsztajn Tarso Genro João Carlos Salles Bento Prado Jr. Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Anselm Jappe Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Roberto Bueno Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino João Sette Whitaker Ferreira Luiz Roberto Alves Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Leonardo Sacramento Eduardo Borges Antônio Sales Rios Neto Paulo Nogueira Batista Jr Marjorie C. Marona Carla Teixeira Eleutério F. S. Prado Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Leonardo Boff Kátia Gerab Baggio Ricardo Antunes Valério Arcary Daniel Costa Ricardo Musse João Lanari Bo Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Dênis de Moraes Flávio R. Kothe José Micaelson Lacerda Morais Fábio Konder Comparato Paulo Fernandes Silveira Luiz Marques Eliziário Andrade Luiz Costa Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade Ari Marcelo Solon André Singer José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini André Márcio Neves Soares Dennis Oliveira Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Celso Frederico Mário Maestri Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro José Geraldo Couto Liszt Vieira Atilio A. Boron Luiz Renato Martins Roberto Noritomi Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos Vladimir Safatle Luciano Nascimento Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Érico Andrade Ladislau Dowbor Berenice Bento Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca Manuel Domingos Neto Igor Felippe Santos Otaviano Helene Eleonora Albano Antonino Infranca Gilberto Lopes Julian Rodrigues Claudio Katz Armando Boito Annateresa Fabris Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Chico Alencar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcus Ianoni Paulo Martins José Luís Fiori Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Milton Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada