Neoliberalismo, globalização, desindustrialização e financeirização

Imagem: Alex Green
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

Dado o estudo de psicologia econômica por anos a fio, o economista se meteu a ser um terapeuta. Passou a orientar essa discussão em busca do entendimento do complexo mundo real

“Em companhia de dois, três resultam em complexidade”. Imagine se são quatro!

O mundo real vai muito além de pares e/ou raciocínios binários, tipo Tico-e-Teco (“2 neurônio” sem S e… sem DR). A discussão de relacionamento (DR) entre um casal, em terapia, segue um processo estruturado, facilitado pelo terapeuta.

Dado o estudo de psicologia econômica (ou economia comportamental) por anos a fio, o economista se meteu a ser um terapeuta. Passou a orientar essa discussão em busca do entendimento do complexo mundo real.

No início da terapia, o economista-terapeuta trabalha com o casal para identificar os principais problemas de relacionamento necessários de se abordar durante as sessões. Com o estabelecimento desses objetivos, partem para a exploração das questões-chaves.

O economista-terapeuta facilita a discussão aberta entre o casal (o neoliberalismo e a globalização), encorajando-os a expressar suas preocupações, sentimentos e necessidades. Cada parceiro tem a oportunidade de falar sobre como se sente em relação ao relacionamento entre ambos.

O economista-terapeuta ajuda o casal a reconhecer padrões de comportamento e interação resultantes nos conflitos e problemas no relacionamento. Escuta os padrões de comunicação negativos, falta de empatia ou desequilíbrio nas responsabilidades.

Ensina então ao casal certas habilidades de interagir, como ouvir ativamente, expressar-se de forma clara e assertiva, e resolver conflitos de forma construtiva. Eles praticam essas habilidades durante as sessões e recebem feedback do economista-terapeuta.

Passa, então, a ajuda o casal explorar emoções profundas e questões não resolvidas. Afetam seu relacionamento, como traumas passados, inseguranças ou problemas de relacionamento com outros, inclusive eventual quebra da fidelidade.

O casal neoliberalismo-globalização trabalha em conjunto para identificar áreas de conflito e encontrar soluções mutuamente satisfatórias. O economista-terapeuta facilita o processo de negociação e o ajuda a desenvolver compromissos e acordos.

Após a negociação e resolução de conflitos, auxilia o casal na criação de um plano de ação para implantar as mudanças discutidas durante a terapia. Isso pode incluir metas específicas, práticas de interação aprimoradas e estratégias para fortalecer o relacionamento.

Finalmente, nesse papel de terapeuta, o economista faz acompanhamento e avaliação de modo contínuo. Ao longo das sessões subsequentes, monitora o progresso do casal e revisa regularmente seus objetivos e estratégias. Eles ajustam o plano de tratamento conforme necessário.

Este é um esboço geral do processo de discussão de relacionamento entre o neoliberal e a globalização. Cada sessão de terapia variava, dependendo das necessidades e dinâmicas específicas do casal, bem como da abordagem terapêutica do economista-terapeuta, porém, foi surpreendente ter aparecido outros relacionamentos com o neoliberalismo, despertando um ciúme atroz na globalização.

Entraram na roda-da-conversa a desindustrialização e, depois, até a financeirização! Foram insuportáveis as acusações de infidelidade contra o neoliberalismo…

Inicialmente, o neoliberalismo e a globalização pareciam estar intimamente ligados, com políticas frequentemente promovendo a abertura de mercados, a redução de barreiras comerciais e a facilitação do movimento de capitais e mercadorias entre países. Segundo as promessas nupciais, dariam luz ao crescimento do comércio internacional e à integração econômica global.

O neoliberalismo mentiu à globalização ou não conseguiu resistir à sedução da desindustrialização? Envolveu-se, apaixonadamente, com as diversas indústrias domésticas em desaparecimento por enfrentarem a concorrência estrangeira, isto é, seu cônjuge desde o casamento, ou seja, desde a assinatura de um pacto nupcial de prestação de serviços por prazo indeterminado com a querida globalização.

Para piorar, durante a discussão de relacionamento (DR), a traída descobriu o neoliberalismo e a financeirização também estarem profundamente interligados a ponto de serem considerados “carne-e-unha” – e não apenas fenômenos complementares, surgidos em resposta às mudanças nas políticas econômicas e no ambiente global. Alguns sinais de como esses dois estavam apaixonadamente relacionados foram revelados.

O neoliberalismo promovia farras com políticas econômicas, enfatizando a desregulação dos mercados, incluindo entre os convidados o mercado financeiro e sua companheira: a financeirização. Sua redução das restrições regulatórias sobre as instituições financeiras e as transações financeiras facilitou o relacionamento íntimo com essa outra amante: a financeirização da economia.

Ele defendia a privatização de empresas estatais e a liberalização dos mercados, incluindo o mercado financeiro, com esse propósito pecaminoso! Levou ao crescimento do sistema financeiro, porque mais inovações e serviços foram paridos para a adoção do setor privado. Os rebentos nasceram, para acomodar novos investimentos e transações, como filhos naturais de pais não casados.

Suas farras eram embaladas pela maximização dos lucros e a busca pelo interesse próprio como fossem motores exclusivos da atividade econômica. Incentivava a especulação financeira e o comportamento promíscuo em curto prazo, para todo o sistema financeiro, contribuindo para sua amada financeirização emergir socialmente.

Ao reduzir o papel do Estado na economia, incluindo sua intervenção nos mercados financeiros, o neoliberalismo levou a uma menor regulação e supervisão do sistema financeiro. A financeirização ficou seduzida por as instituições financeiras operarem com mais liberdade e assumirem riscos mais elevados.

Pior ocorreu quando o neoliberalismo promoveu a liberalização dos mercados financeiros em nível global, permitindo sua nova parceira entrar na seara da antiga. Facilitou o movimento de capitais e a integração dos mercados financeiros internacionais. Aumentou a interconexão e interdependência dos sistemas financeiros nacionais, tratando a financeirização e a globalização como iguais!

Em resumo, o neoliberalismo e a financeirização estão intimamente relacionados através de políticas econômicas promotoras de desregulação, privatização, maximização de lucros e redução do papel do Estado na economia, facilitando assim o crescimento dessa amante. Passou a rivalizar com a globalização.

Então, foi dramática essas descobertas de infidelidade. Inicialmente, a globalização sofreu com o sentimento de ter sido traída, mas foi revendo seus conceitos, enquanto tomava maior conhecimento sobre as amadas amantes do seu marido. Inclusive a globalização passou a contribuir para a desindustrialização em certas regiões, porque suas filhas, empresas transnacionais, buscavam mão de obra mais barata e mercados de consumo em outros países. Isso levava ao declínio da indústria manufatureira em áreas tradicionalmente industriais, por conta de elas transferirem a produção para o exterior.

O descaramento chegou ao ponto de assumir a alcunha de “globalização financeira”, um aspecto da globalização mais ampla, relacionada à expansão dos mercados financeiros em escala global. O neoliberalismo, seu marido infiel, muitas vezes promoveu políticas favoráveis à liberalização financeira, como a desregulação dos mercados financeiros e a facilitação do movimento de capitais entre países.

Levou à financeirização da economia globalizada, com o sistema financeiro envolvendo-a ao desempenhar um papel cada vez mais dominante em relação a outras atividades econômicas. Como vingança o sistema financeiro virou o amante da globalização!

O economista-terapeuta percebeu, no caso, ser mais conveniente uma terapia de grupo para discussão de relacionamento (DR) em lugar da terapia de casal. Seria conduzida por ele mesmo e envolveria um grupo de quatro epifenômenos – o neoliberalismo, a globalização, a desindustrialização e a financeirização – para compartilharem experiências e questões relacionadas aos relacionamentos entre eles.

Uma terapia de grupo para discussão de relacionamento seria uma oportunidade valiosa para aprender com os outros, obter apoio emocional e desenvolver habilidades com finalidade de melhorar os relacionamentos. O economista-terapeuta completará a narrativa dos acontecimentos dela em outra sessão.

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Brasil dos bancos (EDUSP). [https://amzn.to/3r9xVNh]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES