As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Nota sobre a comunicação do novo governo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SANDRA BITENCOURT*

Compreender e dominar o campo simbólico onde tudo se disputa

A sequência de acontecimentos estranhos desta última semana provocou esta tentativa de reflexão sobre a tarefa árdua (mas inescapável) de compreender e dominar o campo simbólico onde tudo se disputa – e não raro se decide –, o campo da comunicação. Trata-se de comunicação pública e sua teia de atores, vozes, espaços, sistemas, estruturas, estratégias e interesses. Tudo tornado mais complexo pela velocidade e alcance das hiper conexões. Nesse território online e ininterrupto está colocada a vitrine para uma esfera de produção e circulação de opiniões e imagem, muito mais complexa e alargada.

Antes, o dono da vitrine era o jornalismo – ou a tal da mídia –, mas hoje há outros com a chave, incontáveis promotores de conteúdos e, vá lá, narrativas, com capacidade de disputar holofotes (ou cliques). Sim. Muita coisa mudou e requer adaptação, respostas rápidas e muito mais controle e centralidade das vozes públicas que comunicam um governo. Essa urgência que muitos demandam, sobretudo por estarmos diante de grupos extremistas e exímios na lida dos meandros digitais, é justificada e gera angústia de quem acha demasiado tempo para que a comunicação do novo governo ajuste sua ação ou pelo menos seja capaz de evitar crises desnecessárias no auge do capital político do novo governante.

Muitos já interpretaram a sequência de equívocos que catapultou um senador pouco expressivo, uma espécie de escroque do sistema jurídico, preterido em suas pretensões de disputar a presidência, reprovado como juiz parcial e finalmente tornado figura de segunda linha no jogo político, à condição de oponente principal do maior líder político do país.

O artigo de Wilson Gomes na revista Cult sob o título “Vão deixar o Presidente da República lutar na lama?” traz insights muito interessantes sobre o conjunto de fatos e discursos que redundaram em um desgaste para Lula e uma certa restauração da figura de Sérgio Moro, que já parecia definitivamente desidratada daquela mística do justiceiro contra a corrupção. Havia um Sérgio Moro sem toga e sem prestígio e então ele foi reabilitado por pura incapacidade estratégica de comunicação. Diz o autor: “A condição de inimigo mor de Lula é um ativo disputadíssimo entre bolsonaristas e moristas, por isso Moro e o seu eterno Sancho Pança, Deltan Dallagnol, correram para recolher os louros decorrentes desse imbróglio de comunicação”.

A revista Carta Capital mostrou que depois de alguns meses de pouca expressão como senador, nos últimos dois dias, o interesse pelo nome do ex-juiz no Google chegou a disparar 3200%.

É uma espécie de construção do inimigo às avessas. O senador quase folclórico no seu modelito de paladino da moral viu uma oportunidade de constituir-se no inimigo do petismo e com isso mobilizar a base desamparada por um líder fujão que chora e esconde joias roubadas. Ele não conseguiria constituir-se como inimigo sozinho, tirando o bolsonarismo do páreo. Só outro ator poderia outorgar esse papel: o principal líder do PT. Foi isso que Lula brindou em dois atos. E claro que a reverberação da mídia que finge não ser responsável pelo maior engodo da República ao promover a Lava Jato, foi prestativa para o desfecho.

Na disputa eleitoral, a estratégia para estabelecer diferenças entre os candidatos muitas vezes torna o debate qualificado sobre projeto político com o adversário em embate, no qual o processo de construção do inimigo torna-se vital (Weber et al, 2018).

Mas se essa disputa transborda a campanha eleitoral, é fundamental estar preparado para uma comunicação de caráter público que precisa analisar de modo permanente a relevância dos quadros, histórias e jogos de linguagem no espaço informacional da Internet, novidade histórica que atua nas duas dimensões da comunicação política: a agonística da democracia e o laço social.

Estamos diante de uma agência permanente na construção de crenças sociais, narrativas do passado e orientações emocionais coletivas sobre o inimigo que aguçam a polarização política.

A polarização se manifesta como fragmentação social entre extremos antagônicos, que são rígidos em suas posições e exigem filiação a apenas um deles. Hoje, podemos pensar que será uma conquista conseguir o lugar no outro pólo que se oponha a Lula e seu percurso extraordinário na defesa de interesses coletivos e na unidade para salvar a República. Para os autores Martín-Baró (1989), as condições de polarização desenvolvem um processo psicossocial onde as posições se reduzem a dois esquemas opostos e mutuamente excludentes; referenciando como negativa a posição contrária à do grupo de pertença.

Portanto, a aproximação e identificação com um pólo supõe distanciamento e rejeição total da posição oposta e das pessoas que a defendem em termos conceituais, afetivos e comportamentais. Há um constante contraste e exclusão do outro conforme divergências políticas e ideológicas, estabelecendo distanciamento social, discriminação e desqualificação do adversário. É que ocorre na luta moderna entre os dois polos “extremos”, no atual curso da História: o fascismo e a democracia são mutuamente excludentes e suas oposições estão inscritas no humanismo e o anti-humanismo que representam.

A construção do inimigo absoluto, que encarna a causa de todos os males, favorece a representação da imagem do outro como um “objeto” desvinculado de sua humanidade. É a principal estratégia da direita extremista. E tem funcionado. Assim, sua eliminação ou maus-tratos é justificada com base na proteção do “nós” (Martín- Baró, 2003), sem sentir culpa e sem estabelecer limites morais em relação a esse tratamento. É essa lógica que a direita utiliza e agora cinicamente reclama como se fosse dela vítima. O faz porque a despeito dos fatos encontrou discursos que auxiliaram na farsa.

O fato concreto é que uma investigação bem conduzida pela PF preservou com rigor técnico e discrição a vida do oponente que perseguiu o Presidente. A comunicação do governo deveria se dar nesse terreno. Informar os detalhes da operação inteira, reiterar sua confiança na instituição e se abster de tecer maiores considerações sobre a suposta vítima. Não é razoável embarcar nessa dinâmica de polarização discursiva. O governo nem tem tempo para isso. Há demasiado a restaurar depois do desmanche provocado por esses mesmos personagens.

O processo de polarização não se restringe a uma simples divisão da opinião pública, mas também estreita o campo perceptivo para desqualificar quem representa o “eles”, acompanhado de uma carga emocional que acarreta rejeição. Não se pode permitir construir uma interpretação paranoica da realidade. O senso comum quebra, as posições tornam-se inflexíveis e o diálogo impossibilitado, criando um clima emocional onde instituições e espaços sociais são cooptados por um dos polos em tensão.

A polarização e o processo subjacente de construção do inimigo tem sido um fenômeno sociopolítico identificado em cenários de conjuntura eleitoral, em divisões políticas e partidárias, como aquelas entre esquerda e direita, liberais e conservadores, bem como em momentos de tensão nacional gerados por processos de mobilização social. As conjunturas política, econômica e social são erguidas como um espaço fértil para a emergência da polarização. Esta não interessa ao campo progressista que conseguiu trancar a porta antes que a barbárie entrasse de modo definitivo.

A tarefa é realmente árdua, o tempo é ainda curto, mas a decisão deve ser tomada logo. Não me parece um problema de comunicação do governo. Bem mais é um problema de governo na elaboração de suas diretrizes estratégicas que devem estar espelhadas na comunicação, não apenas como mero aparato operacional, mas como centro estratégico. Nesse sentido, e seguindo Butler (2017), é importante reconhecer que os media constroem enquadramentos dominantes de significado, “campos de inteligibilidade que ajudam a enquadrar a nossa capacidade de resposta ao mundo.

É preciso disputar e entregar a eles enquadramentos compatíveis com o projeto político vitorioso que temos, não esperar que compreendam contextos de fala ou aliviem mancadas. E, sobretudo, não dar aos fantoches derrotados minutos de glória ao seu cinismo iletrado.

*Sandra Bitencourt é jornalista, doutora em comunicação e informação pela UFRGS, diretora de comunicação do Instituto Novos Paradigmas (INP).

Referências


Butler, J. (2017). Marcos de Guerra: las vidas no lloradas. Barcelona: Paidós Básica.

Martín-Baró, I. (2003). Poder, ideología y violencia. Madrid: Trotta.

Monroy Rodríguez, A.A. (2015) Construcción del enemigo. Del derecho penal desde los medios de comunicación. Advocatus, 12, 24, 31-45

Weber, Maria Helena, LUZ, Ana Javes; BITENCOURT, Sandra- Equação da política provisória: A comunicação na disputa de afetos e votos– Revista Compolítica. Salvador, BA: Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política. Vol. 8, n. 2, (2018), p. 41-68.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Mário Maestri Bernardo Ricupero Chico Alencar Flávio R. Kothe Caio Bugiato Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald León Núñez Luiz Marques Daniel Brazil Anselm Jappe Antonio Martins Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan João Feres Júnior Celso Frederico Marilia Pacheco Fiorillo Gabriel Cohn Eugênio Bucci Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona Luís Fernando Vitagliano Renato Dagnino Celso Favaretto Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Bento Prado Jr. Airton Paschoa Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Sandra Bitencourt Ricardo Musse Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Henri Acselrad Michael Roberts José Dirceu Jean Marc Von Der Weid João Lanari Bo Gerson Almeida Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Ladislau Dowbor Roberto Bueno José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Juarez Guimarães Thomas Piketty Liszt Vieira Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Henry Burnett Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Afrânio Catani Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Rafael R. Ioris Fernando Nogueira da Costa Carlos Tautz Igor Felippe Santos Vanderlei Tenório Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto Sergio Amadeu da Silveira Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Vinício Carrilho Martinez Chico Whitaker Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Ronaldo Tadeu de Souza João Adolfo Hansen Atilio A. Boron Eliziário Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Leonardo Boff João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay Paulo Martins Fernão Pessoa Ramos Tarso Genro André Márcio Neves Soares Ricardo Antunes Jorge Branco Lincoln Secco Flávio Aguiar André Singer Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca Marcos Silva Dennis Oliveira Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Marilena Chauí Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Claudio Katz Otaviano Helene Luiz Costa Lima Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes Salem Nasser Manchetômetro Valério Arcary Marcos Aurélio da Silva Eduardo Borges Bruno Machado Armando Boito Fábio Konder Comparato Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Marcus Ianoni Carla Teixeira José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Annateresa Fabris Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira José Raimundo Trindade Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada