Nota sobre a padronização da cultura

Imagem: Julio Nery
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO HENRIQUE M. ANICETO*

A superficialização dos objetos de cultura tem se tornado um fenômeno cada vez mais presente

No mundo contemporâneo, a superficialização dos objetos de cultura tem se tornado um fenômeno cada vez mais presente. Essa tendência pode ser compreendida sob uma lógica econômica e antropológica, relacionada à indústria cultural e à evolução das mídias sociais associadas à sociedade do espetáculo. Neste artigo, iremos explorar esse fenômeno, porém, vale ressaltar que essa análise não tem como objetivo criar juízo de valor em relação à suposta “alta” e “baixa” cultura, mas sim evidenciar um fenômeno global que ocorre no mundo contemporâneo.

A indústria cultural, conforme teorizada pelos filósofos Theodor Adorno e Max Horkheimer, descreve a produção em massa de bens culturais como filmes, músicas, programas de televisão e outros produtos midiáticos. Nessa perspectiva, a cultura é tratada como uma mercadoria e seu principal objetivo é gerar lucro. Sob essa lógica econômica, os objetos culturais são produzidos de forma padronizada, visando alcançar um público amplo e maximizar os ganhos financeiros.

Essa padronização da cultura contribui para a sua superficialização, uma que para atingir um público maior, muitas vezes é necessário simplificar e diluir os conteúdos, resultando em uma perda de complexidade e profundidade. Nesse sentido, elementos reflexivos e desafiadores são frequentemente substituídos por narrativas previsíveis e estereotipadas. Assim, a criatividade e a originalidade são sacrificadas em favor de fórmulas já testadas e comprovadas de sucesso. Por fim, a cultura se torna rasa, desprovida de significado e de uma análise mais profunda.

A evolução das mídias sociais desempenha um papel fundamental na superficialização dos objetos de cultura, já que com o surgimento e a popularização das redes sociais, a atenção do público tornou-se uma mercadoria valiosa. As plataformas digitais competem entre si pela atenção dos usuários e o conteúdo que consegue capturar essa atenção de forma rápida e fácil acaba sendo privilegiado.

Nesse contexto, a sociedade do espetáculo, conceito desenvolvido pelo filósofo Guy Debord, exerce uma influência significativa, uma vez que valoriza a imagem e a aparência em detrimento da essência e do conteúdo. Nas redes sociais, é comum observar a busca por uma imagem perfeita, o culto à superficialidade e o consumo instantâneo. A atenção do público é frequentemente direcionada para o espetáculo momentâneo, enquanto a reflexão crítica e a análise aprofundada são deixadas de lado.

Para ilustrar esse processo de superficialização, podemos analisar algumas letras de músicas contemporâneas. Embora seja importante ressaltar que esses exemplos não refletem toda a diversidade da produção musical atual, eles nos permitem observar alguns elementos característicos desse fenômeno. Por exemplo, muitas músicas populares apresentam letras que se concentram em temas superficiais, como festas, relacionamentos superficiais, consumo excessivo e imagem corporal. As letras tendem a ser simplificadas, com estruturas repetitivas e rimas fáceis. A criatividade lírica e a profundidade temática são frequentemente sacrificadas em prol da capacidade de capturar a atenção imediata do ouvinte.

Por outro lado, ao examinarmos obras musicais de épocas anteriores, como canções dos movimentos de contracultura dos anos 1960, encontramos uma abordagem mais engajada e crítica. Letras como Blowin’ in the Wind, de Bob Dylan, ou Imagine, de John Lennon, eram marcadas por uma profundidade conceitual e um apelo à reflexão sobre questões sociais, políticas e existenciais. Essas músicas buscavam estimular a consciência do ouvinte, questionar o status quo e propor transformações sociais.

O mesmo fenômeno pode ser observado no cinema contemporâneo. Muitos filmes se concentram em narrativas superficiais, cheias de clichês e efeitos especiais deslumbrantes, mas que carecem de uma abordagem mais aprofundada dos temas. Enredos previsíveis, personagens estereotipados e diálogos simplificados são características comuns. Em contraste, clássicos do cinema, como Cidadão Kane, de Orson Welles, ou 2001: Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick, apresentam uma complexidade narrativa e simbólica que desafia o espectador a refletir sobre os aspectos mais profundos da existência humana.

É importante ressaltar que não se trata de menosprezar ou desqualificar essas produções, mas sim de identificar um padrão presente em uma parcela significativa da música popular contemporânea. A análise dessas letras não tem como objetivo julgar a qualidade artística, mas evidenciar o processo de superficialização cultural que ocorre em nosso contexto sociocultural.

Tem-se, dessa forma, que esse é um fenômeno complexo, relacionado à lógica econômica da indústria cultural e à influência das mídias sociais associadas à sociedade do espetáculo, que resulta na perda de complexidade e profundidade dos objetos culturais, que são produzidos de forma padronizada e simplificada para atender a uma demanda de consumo imediato. A análise de letras de músicas contemporâneas nos permite observar esse processo, com ênfase em temas superficiais e estruturas líricas simplificadas.

Para lidar com essa tendência de superficialização, é necessário promover uma cultura que valorize a diversidade, a criatividade e a reflexão crítica. É importante buscar uma apreciação mais ampla e inclusiva das diversas expressões culturais, reconhecendo que a cultura é um fenômeno multifacetado e dinâmico. Somente assim poderemos desenvolver uma sociedade que valorize a profundidade e a complexidade cultural, indo além das aparências e do consumo superficial.

*Pedro Henrique M. Aniceto é graduando em ciências econômicas na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek Ricardo Abramovay Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Leda Maria Paulani Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Carlos Tautz Michael Roberts Jorge Branco Eugênio Bucci João Carlos Salles Heraldo Campos Maria Rita Kehl Julian Rodrigues Ricardo Fabbrini João Adolfo Hansen Henry Burnett Lorenzo Vitral Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Rodrigo de Faria Osvaldo Coggiola Antonio Martins Manuel Domingos Neto Bruno Machado Alexandre Aragão de Albuquerque José Dirceu Celso Favaretto Dennis Oliveira Vladimir Safatle José Raimundo Trindade Atilio A. Boron Francisco Fernandes Ladeira Paulo Nogueira Batista Jr Andrés del Río Ricardo Antunes Eleonora Albano Marcus Ianoni Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Chico Whitaker José Geraldo Couto Celso Frederico João Sette Whitaker Ferreira Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Flávio Aguiar Ricardo Musse Luiz Renato Martins Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares Érico Andrade José Costa Júnior Liszt Vieira André Márcio Neves Soares José Luís Fiori Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Mário Maestri Caio Bugiato Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Jean Pierre Chauvin Paulo Fernandes Silveira Armando Boito Marcelo Módolo Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva Luiz Werneck Vianna Michel Goulart da Silva João Lanari Bo José Micaelson Lacerda Morais Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Ladislau Dowbor Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Airton Paschoa Leonardo Sacramento Daniel Brazil Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Bento Prado Jr. Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Bernardo Ricupero Igor Felippe Santos João Feres Júnior Mariarosaria Fabris André Singer Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon Michael Löwy Gerson Almeida Chico Alencar Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Leonardo Boff Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Ronald Rocha Eliziário Andrade Thomas Piketty Berenice Bento Otaviano Helene Sandra Bitencourt Remy José Fontana Henri Acselrad Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Daniel Costa Fábio Konder Comparato Samuel Kilsztajn Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Fernando Nogueira da Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada