Valerio Arcary

Barbara Hepworth, Vermelho em Tensão, 1941
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Homenagem ao intelectual e ativista na data de seu aniversário

“Não sou nada. \ Nunca serei nada. \ Não posso querer ser nada. \ À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo” (Fernando Pessoa)

Uberabense, filiei-me ao PT com 16 anos, na campanha Lula-89. Havia lá três tendências organizadas: Articulação, Democracia Socialista e O Trabalho. Ao começar a militar em nível estadual conheci a Convergência Socialista. Talvez a mais estigmatizada tendência no senso comum petista (ah, tinha os excêntricos da Causa Operária que logo foram expulsos).

Apesar desde sempre alinhar-me com a velha e boa Articulação, sempre mantive boas relações políticas e intelectuais com os mandelistas da Democracia Socialista e com os lambertistas de O Trabalho. E depois também com a Convergência Socialista.

No final dos anos 1990 fui um dos dirigentes a operar uma aproximação, no movimento estudantil universitário, da tendência petista Articulação de Esquerda (corrente na qual militava) com o PSTU. Um período rico onde conheci grandes quadros e fiz muitos amigos.

Intelectualmente curioso, lia o jornal da O Trabalho, adorava o maravilhoso Em tempo da Democracia Socialista e também as publicações da Convergência Socialista/PSTU.

Foi significativa no final dos anos 1990 a aproximação tática e política da Articulação de Esquerda no movimento estudantil universitário, que ajudei a operar. Foi na época que o meu amigo-irmão Linbergh Farias largou o PCdoB e aderiu ao PSTU.

Conto isso tudo para dizer que, embora sempre tenha combatido as posições morenistas, cultivei e cultivo boas relações políticas – e um profundo respeito pelos camaradas dessas organizações (CST também).

Obviamente sempre combati a lenda urbana de que a Convergência Socialista foi expulsa do PT. Não foram.

Eu gosto de usar um exemplo de relação trabalhista: quando um funcionário faz tudo para ser demitido e o patrão também não o quer mais. Para criar o PSTU era imprescindível o mito fundador dos perseguidos, expulsos, dos puros que se rebelaram contra a burocracia traidora do PT. Faz parte do DNA dessa corrente política desde sempre.

Ocorre que posição firme não é sinônimo de cara feia, sectarismo, mau humor, arrogância. É aí que entra o personagem desse artigo, Valerio Arcary. Desde sempre ouvido e querido, por todos. Justamente por fugir do estereótipo de trosco chato. Elegância, gentileza, humor, fina ironia.

Valerio cultiva certa eloquência própria de um encantador de serpentes, singular prosódia que soa lusitana, retidão argumentativa impecável, denso conteúdo político, paixão e combatividade. Quando fala, todos param para ouvir.

Ademais, respeita como poucos a última flor do Lácio, inculta e bela – crescentemente vilipendiada.

Paro por aqui, porque panegíricos de amigos deve ter sua credibilidade questionada, a priori. Mas é preciso celebrar os nossos, todavia. E todos os dias.

*Julian Rodrigues, Jornalista e professor, é militante do PT e ativista do movimento LGBTI e de Direitos Humanos.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES