As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O início da contraofensiva ucraniana

Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VLADIMIR KORNILOV*

A esperada contraofensiva ucraniana frustra o Ocidente ao ser barrada pelo exército russo

Ao alimentar o regime de Kiev com uma assombrosa quantidade de armamento, o Ocidente pretendia garantir para si mesmo que o sucesso da sua empreitada militar na Ucrânia seria inevitável, buscando convencer seu público de que os combatentes ucranianos treinados no exterior com os mais recentes tanques e táticas da OTAN esmagariam em questão de horas os militares russos, supostamente desmoralizados. Agora já está claro que algo deu muito errado nesses cálculos.

Não custa recordar que, há apenas uma semana, o general aposentado David Petraeus, ex-chefe da CIA e agora uma das principais cabeças falantes na mídia ocidental a respeito do caso ucraniano, havia visitado Kiev, e saiu de lá dizendo que “tudo será resolvido dentro de 72-96 horas” após o início dos ataques ucranianos. Com indisfarçável deleite, ele desfiou os detalhes de como seriam os primeiros ataques ucranianos às posições avançadas da Rússia, como os sabotadores treinados no Ocidente funcionariam perfeitamente, como os sistemas de defesa aérea ocidentais sobrepujariam instantaneamente a força aérea russa e como a guerra eletrônica causaria estragos nos sistemas de comando e controle do exército russo.

E, assim, os analistas ocidentais divagaram sobre objetivos de longo alcance, a partir dessa incensada contraofensiva. Outra cabeça falante assídua, o general norte-americano aposentado Ben Hodges, repetia incansavelmente, dia após dia, que “a Ucrânia libertará a Crimeia até o final do verão de 2023”. Agora David Petraeus é forçado a admitir a impossibilidade desses planos, depositando esperanças de que a Ucrânia consiga, ao menos, uma interrupção do abastecimento logístico da Crimeia.

Os estrategistas on-line ocidentais, lutando em seus sofás contra a Rússia, ficaram estarrecidos já nas primeiras horas do início daquela contraofensiva, vendo as imagens de tanques ucranianos abatidos e se perguntando: por que foi necessário jogar uma dúzia de veículos blindados em um campo minado no que dizem ser um “ataque de teste”? David Petraeus havia pintado o quadro das primeiras 72 horas de combate como se fosse a imagem da perfeição: sapadores, tanques, defesa aérea, guerra eletrônica e… a Blitzkrieg da Ucrânia. E agora eles não entendem quem enviou os veículos blindados ocidentais para os campos minados…

O melhor reconhecimento do fracasso dos cálculos desses estrategistas aflitos é um artigo do raivoso russófobo Julian Repke, no jornal alemão Bild, com a manchete gritante: “Os russos estão lutando melhor do que o esperado”. Todos esses Hodges, Petraeus e Repke, que há muito tempo vêm convencendo o público ocidental de que o exército russo estaria em penosa condição moral, agora se veem surpresos com a firmeza com que os combatentes russos repelem um ataque inimigo após o outro. E Julian Repke é forçado a fazer a admissão mais difícil de todas: “Está ficando cada vez mais claro que provavelmente não haverá ‘vitória até o final do ano’. (…) Em vez disso, os esforços ofensivos da Ucrânia podem se arrastar por anos”. Menos ainda querer chegar à Crimeia “até o final do verão”.

Outros ideólogos da Blitzkrieg ucraniana chegam às mesmas tristes conclusões para o Ocidente. The Economist, que até recentemente previu “uma vitória decisiva para a Ucrânia, que mudará a Europa”, repetindo as histórias de Ben Hodges de que a Crimeia estava prestes a cair, também mudou dramaticamente a retórica. Sua última edição, dedicada à ofensiva ucraniana, tem uma capa com os dedos cruzados. O que mais haveria para ajudar a Ucrânia a vencer?

Enquanto isso, uma análise dos combates que começaram na frente de Zaporozhye leva a revista a conclusões semelhantes, bem longe da retórica vitoriosa que o Ocidente ostentava há apenas algumas semanas. Não apenas isso, The Economist começa a pintar um quadro assustador do fracasso total da Ucrânia e da vitória da Rússia. Mas, no final, “tranquiliza” seus leitores: o cenário mais provável é um conflito prolongado. No entanto, a revista também vê sérios riscos nele, que dizem respeito ao “cansaço do Ocidente” e à possível mudança na Casa Branca após as eleições de 2024.

As histórias sobre a “vitória cabal da Ucrânia” evidentemente minguaram. Agora, até os “falcões” do Ocidente estão falando da necessidade de obter pelo menos pequenos ganhos territoriais durante uma contraofensiva, para que a Ucrânia tenha melhores termos numa negociação com a Rússia do que aqueles que agora dispõe. Trata-se, de fato, de uma mudança dramática de metas e objetivos.

É muito revelador que o chanceler alemão Olaf Scholz repentinamente expresse o desejo de conversar com o presidente russo Vladimir Putin, ainda que admita que o conflito ucraniano está se prolongando.

Já é seguro dizer que a Blitzkrieg ucraniana que o Ocidente esperava foi frustrada pelos competentes esforços do exército russo. Os analistas ocidentais ficam horrorizados ao ver bilhões de dólares em ajuda ocidental queimando nos campos minados de Zaporozhye, enquanto desmoronam as ações das empresas do seu complexo militar-industrial. Junto com os tanques Leopard alemães, o objetivo há muito declarado pelo Ocidente de derrotar a Rússia no campo de batalha também parece estar queimando.

*Vladimir Kornilov é jornalista da agência RIA Novosti.

Tradução: Ricardo Cavalcanti-Schiel.

Publicado originalmente na News Front.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Kátia Gerab Baggio João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Afrânio Catani Heraldo Campos Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Henri Acselrad Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Flávio Aguiar Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Ladislau Dowbor Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Bernardo Ricupero Marilena Chauí Manchetômetro Samuel Kilsztajn Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Michael Roberts Gilberto Maringoni Daniel Brazil José Geraldo Couto Jean Marc Von Der Weid Luiz Carlos Bresser-Pereira Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes José Luís Fiori Luiz Costa Lima Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva Chico Alencar João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Carlos Tautz Boaventura de Sousa Santos Marcelo Módolo Rodrigo de Faria Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Luiz Marques Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Lorenzo Vitral Lincoln Secco Thomas Piketty Michael Löwy Annateresa Fabris Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Luís Fernando Vitagliano Antonino Infranca Sergio Amadeu da Silveira Mário Maestri Gilberto Lopes Antonio Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Renato Dagnino Fábio Konder Comparato Roberto Noritomi Claudio Katz André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo Alexandre de Freitas Barbosa João Paulo Ayub Fonseca Yuri Martins-Fontes Vladimir Safatle Atilio A. Boron Andrew Korybko João Lanari Bo Remy José Fontana José Costa Júnior Flávio R. Kothe Valério Arcary Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Salem Nasser Jorge Branco Leonardo Sacramento Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Luciano Nascimento Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Tarso Genro Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Marcus Ianoni Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório Ronald Rocha Ricardo Abramovay Roberto Bueno Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Eleonora Albano André Singer José Machado Moita Neto Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Ricardo Musse Denilson Cordeiro Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães Armando Boito Gerson Almeida João Feres Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Sette Whitaker Ferreira Paulo Martins José Dirceu Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris Leonardo Boff Marcelo Guimarães Lima Igor Felippe Santos Julian Rodrigues Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Bruno Machado José Raimundo Trindade Carla Teixeira Henry Burnett Osvaldo Coggiola Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Anselm Jappe Liszt Vieira Paulo Fernandes Silveira Caio Bugiato Marcos Silva Chico Whitaker Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles Milton Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada