260 mil mortes

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

O pessimismo dos velhos e o dever de esperança dos jovens.

O Brasil passa pela pior crise sanitária e humanitária dos últimos cem anos. O crescente número de mortes, a falta de rumo na economia, o desemprego em massa, os choques políticos, a miséria social e as sucessivas medidas do governo federal para sabotar qualquer ação da parte civilizada da sociedade para conter o avanço da pandemia, nos coloca diante de uma tragédia que provoca profunda desesperança, principalmente à população mais velha da nossa sociedade.

Há aqueles que vaticinam o fim do Brasil, há os privilegiados da classe média que lamentam a impossibilidade de deixar o país, sem contar outros que, afogados na nostalgia, são incapazes de enxergar qualquer saída para o poço sem fundo que nos enfiamos. Todos esses sentimentos são compreensíveis. A geração que participou da redemocratização e enxergou na Constituinte de 1988 a possibilidade de fundação de um país democrático, com inclusão e justiça social, certamente fica entregue ao desalento e à desorientação com o adorador de torturadores que hoje ocupa a presidência da República, fazendo perceber um passado que nunca passa.

É possível afirmar que, entre outros motivos, a atual situação institucional é fruto do limitado acordo de redemocratização dos anos 1980, conciliado e acomodado, que permitiu aos torturadores e assassinos, assim como as corporações e instituições que compunham, serem alçados à nova ordem democrática sem qualquer responsabilização pelos atos violentos praticados contra a população. A manutenção da ideologia golpista e fantasiosa que impera nas Forças Armadas só poderia dar em Bolsonaro. As elites, oportunistas e parasitas, que historicamente demonstraram desprezo pelos valores da democracia sempre que estes entraram em choque com os seus interesses pessoais e de grupo, também anunciaram em seus comportamentos as fragilidades das instituições democráticas. Até aqui, o desfecho foi anunciado e não temos sequer o direito à surpresa.

Apesar dos pesares, é inegável que o país avançou em temas importantes: a saúde e a educação públicas e gratuitas são uma realidade, o desenvolvimento social, a proteção dos povos originários, das mulheres, da população LGBTQI+, dos quilombolas e a instituição de políticas de ações afirmativas demonstraram uma significativa caminhada rumo à ampliação da cidadania com direitos e justiça social. Estamos longe do ideal, mas é um erro histórico negar os avanços. Se o Brasil hoje parece horrível, nosso passado nos mostra que a situação já foi muito pior.

A República Velha (1889-1930) foi um momento de grande penúria para a população. O passivo social provocado pela abolição sem cidadania significou o surgimento de uma massa de marginais sem direitos num Estado liberal excludente, cuja principal função era garantir a hegemonia e os privilégios dos neorrepublicanos escravocratas do café. A Revolução de 1930, que desembocou na Ditadura do Estado Novo(1937-1945), pode ser considerada o evento fundador do Estado Brasileiro, que passou a preocupar-se com a administração das suas riquezas naturais, com a construção de uma economia nacional-desenvolvimentista, a soberania nacional e a institucionalização de direitos sociais aos trabalhadores.

Entre as décadas de 1940 e 1960, o país viveu um inédito período democrático (ainda que limitado, pois analfabetos não tinham o direito de votar, por exemplo), que resultou no avanço da organização dos trabalhadores e na demanda por reformas de base (reforma agrária, urbana, eleitoral etc) que não chegaram a se efetivar devido ao golpe de 1964. Durante a Ditadura Militar (1964-1985),vivemos o nosso pior período republicano, tendo a década de 1970 como o mais dramático momento político do país, apesar do crescimento econômico, com a perseguição e assassinato dos opositores ao governo, aumento da concentração de riqueza e renda, e a ampliação da miséria a partir do crescimento urbano desordenado que resultou no surgimento das grandes favelas nas capitais.

Entre acertos e tropeços, um elemento fundamental de toda a nossa trajetória republicana é a mobilização popular. Foi a partir da organização do povo em associações, ligas e sindicatos que se conquistaram todos os direitos que os trabalhadores hoje dispõem. As grandes manifestações de massa, dos anos 1980, foram a pá de cal que obrigaram os militares a deixarem o poder e entrega-lo aos civis. Não é invenção, é a história.

Eduardo Galeano disse que a “história é uma senhora gorda, lenta e caprichosa”. Enquanto nos debatemos em tédio e horror, ela ri de nós. Nossa vida, limitada a algumas décadas, é incapaz de participar individualmente dos seus ciclos centenários, às vezes milenares. A história é como o curso de um rio: há momentos em que observamos seu movimento e este parece fazer uma curva voltando pra trás, mas na verdade o rio vai sempre adiante, em direção à sua foz, e é essa certeza que nos permite navegar com segurança na direção adequada, a despeito das surpresas e perigos que qualquer rio abriga.

Apesar das quase 260 mil mortes, acreditar que tudo está perdido é privilégio de quem tem onde dormir e o que comer. Para aqueles entregues à miséria a partir do rompimento do pacto democrático, com o golpe de 2016, apenas a esperança de um futuro com dignidade e justiça social importa. Aos velhos, que têm como expectativa de vida mais 10 ou 20 anos, é compreensível imaginar que o país está perdido. Quebrar a esperança era a tática utilizada pelos torturadores para subjugar os presos políticos nos porões da ditadura. Conhecendo esta prática, não podemos nos render a ela.

Aos jovens cabem cultivar em si o dever da esperança que mobiliza e movimenta na construção de um país mais justo, inclusivo e democrático, uma nação que corresponda aos anseios da sua população que quer pão e moradia, trabalho e dignidade, escola e saúde, não armas e violência. Nossa história republicana é marcada por ditaduras e violações superadas em seu tempo, de acordo com a maturidade política e a capacidade de organização popular. Não será Bolsonaro e sua destruição que nos tirará o desejo de aprofundar a democracia e promover a revolução social que o Brasil precisa, e a história exige.

*Carla Teixeira é doutoranda em História na UFMG.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins José Raimundo Trindade Gerson Almeida Antonino Infranca Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Luciano Nascimento Marcus Ianoni Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Vladimir Safatle Luís Fernando Vitagliano João Carlos Salles Daniel Costa Paulo Nogueira Batista Jr Vanderlei Tenório Carla Teixeira Caio Bugiato José Dirceu Bruno Machado Armando Boito Ricardo Abramovay Gabriel Cohn André Singer Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Celso Favaretto Paulo Capel Narvai Airton Paschoa Valerio Arcary Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Chico Alencar Michel Goulart da Silva Dennis Oliveira Andrés del Río Rafael R. Ioris Ronald León Núñez Manuel Domingos Neto Jorge Luiz Souto Maior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Denilson Cordeiro Henri Acselrad Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Sérgio Pinheiro José Machado Moita Neto Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Osvaldo Coggiola Michael Löwy Ricardo Antunes Thomas Piketty Priscila Figueiredo Liszt Vieira Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Eduardo Borges Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse Flávio R. Kothe Marcelo Módolo Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Samuel Kilsztajn Celso Frederico Jorge Branco Marilia Pacheco Fiorillo Matheus Silveira de Souza Paulo Fernandes Silveira Sandra Bitencourt Boaventura de Sousa Santos Luiz Renato Martins Eleonora Albano Michael Roberts Elias Jabbour Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Bucci Heraldo Campos Luiz Bernardo Pericás Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima João Feres Júnior Claudio Katz Renato Dagnino Mariarosaria Fabris João Adolfo Hansen Antonio Martins Kátia Gerab Baggio Ari Marcelo Solon Andrew Korybko Remy José Fontana Henry Burnett Salem Nasser Leonardo Boff Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Lopes Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Manchetômetro Slavoj Žižek Tarso Genro Marcos Silva Fernão Pessoa Ramos José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Lucas Fiaschetti Estevez Érico Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Rodrigo de Faria Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Daniel Brazil Gilberto Maringoni Otaviano Helene João Carlos Loebens Ronaldo Tadeu de Souza João Sette Whitaker Ferreira Juarez Guimarães Marilena Chauí Anselm Jappe Luiz Marques Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Roberto Alves Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Dênis de Moraes André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira João Lanari Bo Lorenzo Vitral Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Leda Maria Paulani Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES