O jogo começou

Imagem: Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RODRIGO VIANNA*

O erro político é considerar Tatto derrotado antes do jogo começar

As primeiras pesquisas eleitorais na capital paulista levaram a alguma conclusões apressadas, especialmente no campo da esquerda.

É verdade que Guilherme Boulos começa num patamar surpreendente. É verdade também que os 9% obtidos pelo candidato do PSOL no DataFolha devem-se ao fato de Boulos ter avançado sobre parte do eleitorado simpático ao PT.

Boulos obteve esse bom resultado por uma soma de fatores: consistência política, compromisso social, recall da eleição presidencial, e lealdade a Lula no episódio da prisão em Curitiba. Tudo isso fez de Boulos um candidato mais amplo, que dialoga para além da base organizada do PSOL. Méritos dele e do partido – que ganha corpo.

A partir dessas premissas, alguns concluem que Boulos já é – definitivamente – o “candidato da esquerda”, e que não há outro caminho ao PT que não seja apoiar o PSOL em São Paulo.

Para justificar essa conclusão apressada, apresenta-se o resultado da eleição de 2016, quando Haddad obteve 16% dos votos no primeiro turno. Esse seria o novo “patamar da esquerda” em São Paulo. Portanto, se Boulos hoje tem 9%, Orlando Silva (PCdoB) tem 1% e Jilmar Tatto (PT) larga com 2%, haveria margem muito pequena para o petista – que poderia chegar no máximo a 4% ou 5% dos votos no primeiro turno.

Há nessa conta um duplo erro: aritmético e político.

Em São Paulo, há um “campo popular” que se identifica com as três administrações petistas na cidade, desde 1988: Erundina, Marta e Haddad. Ora, em 2016 Haddad obteve de fato apenas 16% (isso em meio ao Golpe contra Dilma, e a uma campanha de extermínio do PT).

Foi o momento mais difícil para o partido. É preciso lembrar, no entanto, que naquela eleição Marta (MDB) e Erundina (pelo PSOL) também foram candidatas e obtiveram somadas 14% dos votos.

Isso quer dizer que o campo popular (ou “simpático ao PT”) na cidade pode chegar a 30% dos votos – mesmo que esse total se divida em várias candidaturas.

Relembremos que em 2018 o PT ainda estava sob ataque e, mesmo assim, o candidato do PT ao governo de São Paulo (Luiz Marinho) obteve 16% dos votos na capital. E isso em meio a uma campanha que levou muitos eleitores petistas a votarem em Marcio França (PSB) já no primeiro turno, para evitar que Skaf enfrentasse Dória.

Mas voltemos a 2020…

O DataFolha mostrou Russomano em primeiro com 29%, Covas em segundo com 20%, Boulos com 9%, França com 8%. Mas a pesquisa indicou também (e aqui saímos da aritmética e entramos na política) quem é o cabo eleitoral mais forte na capital paulista: Lula!

O ex-presidente tem menos rejeição do que Bolsonaro e Dória. Além disso, 20% dos eleitores paulistanos afirmam que votariam “com certeza” num candidato indicado por Lula; e outros 21% dizem que “poderiam votar” num candidato indicado pelo petista.

O erro político, portanto, é considerar Tatto derrotado antes do jogo começar. Com a entrada de Lula em campo, o candidato do PT tende a subir… As sondagens eleitorais indicam que parte dos que hoje escolhem Russomano, especialmente nas periferias, pode migrar para Tatto.

Dessa forma, chegaríamos a novembro com o “campo simpático ao PT” na maior cidade brasileira dividido entre Boulos e Tatto (cada um na faixa entre 10% e 15% dos votos), e em menor medida espraiando-se também entre Orlando Silva e Márcio Franca.

Há a possibilidade real dessa divisão favorecer um segundo turno entre Covas e Russomano. Isso é fato.

Mas não acho razoável supor que a única forma de evitar esse quadro seja o PT desde logo retirar a candidatura. Pode ser que toda essa pressão hoje a favor de Boulos (“o mais bem posicionado da esquerda”) mais adiante se volte contra ele.

O que farão os apoiadores de Boulos se Tatto se mostrar o mais competitivo nas pesquisas, quando novembro chegar?

O provável é que – a poucos dias da eleição – tenhamos uma corrida ao “voto útil”, com os eleitores desse campo fazendo informalmente a escolha que os partidos não costuraram antes da eleição. A aritmética eleitoral e a política indicam que essa corrida pode se dar tanto em favor de Boulos, quanto na direção de Tatto.

Mas essa é uma eleição complicada porque há divisão também no campo da direita.

O atual líder nas pesquisas se desmanchou nas campanhas anteriores. Dessa vez, sem debates na Globo, e com apoio mais orgânico do bolsonarismo e de Edir Macedo, a tendência é que Russomano consiga se manter mais competitivo. Pode perder votos, nas franjas da periferia, para “o candidato do Lula”. Mas acho improvável que ele fique fora do segundo turno.

A vida de Covas é mais difícil. Carrega uma bola de ferro nos pés, chamada Dória. O melífluo governador do PSDB não é perdoado por abandonar a cidade, com apena 1 ano e meio de mandato na Prefeitura, pra se candidatar em 2018. Covas é o candidato com mais rejeição – acima de 30%.

Parte do eleitorado de classe média pode se desprender em direção a Marcio França (um quase tucano, que precisa descobrir se há espaço para ficar no meio do caminho, entre esquerda e direita). França, no entanto, enfrenta a dificuldade de correr na mesma raia que Covas, mas sem a máquina administrativa que o favorecia em 2018.

Se isso tudo acontecer, o mais provável é que Russomano siga líder, e Covas tenha que lutar para evitar que França ou Boulos ou Tatto tirem sua vaga no segundo turno.

A esquerda cometerá um erro grave se bater apenas em Covas para tirá-lo do segundo turno, deixando Russomano livre e solto. É preciso desde logo lembrar que Russomano é o candidato da Igreja Universal e que pode transformar São Paulo num novo Rio de Janeiro, com a administração capturada pelos adeptos do bispo.

Russomano, por sua vez, parece torcer para que o adversário no turno final seja Boulos. Com isso, poderia fazer uma campanha “ideológica”, em que o fato de ser o candidato de Edir Macedo ficaria em segundo plano.

Covas, França, e mesmo Tatto, teriam em tese mais chances de vencer Russomano.

O jogo está aberto

*Rodrigo Vianna é mestre em História Social pela USP. Jornalista, apresenta atualmente o programa Boa Noite 247.

Publicado originalmente no portal Brasil 247 .

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão José Dirceu Luis Felipe Miguel Henry Burnett Milton Pinheiro José Geraldo Couto João Lanari Bo Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Manchetômetro Vanderlei Tenório Andrew Korybko Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento André Márcio Neves Soares José Costa Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Michel Goulart da Silva Tarso Genro José Luís Fiori Fábio Konder Comparato Érico Andrade Rafael R. Ioris Paulo Martins Vladimir Safatle José Machado Moita Neto Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Eliziário Andrade Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio Berenice Bento Thomas Piketty Carlos Tautz Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Eleonora Albano Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Chico Alencar Matheus Silveira de Souza Eleutério F. S. Prado Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar José Micaelson Lacerda Morais Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Jorge Branco Celso Frederico Ronald León Núñez João Carlos Salles Salem Nasser Annateresa Fabris Eduardo Borges Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Manuel Domingos Neto Slavoj Žižek Claudio Katz Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Marcelo Módolo Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Priscila Figueiredo João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Samuel Kilsztajn Leonardo Boff Marcelo Guimarães Lima Daniel Costa Marilena Chauí Tales Ab'Sáber Luiz Marques Francisco de Oliveira Barros Júnior Remy José Fontana Michael Löwy Maria Rita Kehl Henri Acselrad Dênis de Moraes Fernando Nogueira da Costa Igor Felippe Santos Celso Favaretto Mariarosaria Fabris Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Andrés del Río Liszt Vieira Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Afonso da Silva Michael Roberts Atilio A. Boron Anderson Alves Esteves Daniel Brazil Eugênio Trivinho Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Paulo Nogueira Batista Jr Gilberto Lopes João Feres Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Heraldo Campos Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro André Singer Bruno Machado Armando Boito Chico Whitaker Leonardo Avritzer Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Ricardo Fabbrini José Raimundo Trindade Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada