O novo Herodes

Imagem: Jeswin Thomas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Benjamin Netanyhau e a matança de inocentes em Gaza

Nos dias atuais estamos assistindo a atualização do relato bíblico: um feroz rei, cioso de seu poder, manda matar todas as crianças abaixo de um ano. O Herodes de hoje tem um nome: Benjamin Netanyhau. Em seu furor vingativo, sua força militar, aérea, marítima e terrestre assassinou milhares de crianças, sendo que muitas delas jazem sob os escombros, além de outros milhares de civis que sequer pertencem ao grupo Hamas. Não podemos deixar que esta tragédia obscureça a festa radiosa do Natal. Ela é demais preciosa para não ser recordada e celebrada.

Voltemos ao relato que nos enche de encanto, mesmo depois de mais de dois séculos. José e Maria, sua esposa, grávida de nove meses, estão a caminho vindo de Nazaré, do norte da Palestina para o sul, em Belém. São pobres como a maioria dos artesãos e camponeses mediterrâneos. Às portas de Belém, nos dias de hoje arrasada pelas tropas de Benjamin Netanyahau, Maria entra em trabalho de parto: segura a barriga, pois a longa caminhada acelerou o processo de gestação. Batem à porta de uma hospedaria. Ouvem o que os pobres na história sempre ouvem: “não tem lugar para vocês na hospedaria” (Lucas 2,7).

Abaixam a cabeça e se afastam preocupados. Como ela vai dar à luz? Sobrou-lhes, na vizinhança, uma estrebaria de animais. Ali há uma manjedoura com palhas, um boi e um jumento que, estranhamente, permanecem quietos, observando. Ela dá a luz a um menino entre os animais. Faz frio. Ela o envolve com panos e ajeita-o nas palhinhas. Choraminga alto como todos os recém-nascidos.

Há pastores que velam à noite, vigiando o rebanho. Segundo os critérios de pureza legal da época, os pastores, são considerados impuros e por isso desprezados – por estarem sempre às voltas com os animais, seu sangue e seus excrementos. Diferente era a visão idílica dos gregos e dos romanos que idealizam a figura dos pastores. Mas são estes pobres e impuros pastores hebreus os primeiros a verem o Puer divinus, a divina criança.

Surpreendentemente, uma luz os envolveu e escutaram do Alto uma voz lhes anunciando: “não temais anuncio-vos uma grande alegria que é para todo o povo; acaba de nascer o Salvador; este é o sinal: encontrareis um menino envolto em panos, deitado numa manjedoura”. Ao porem-se, pressurosos, a caminho ouviram um cântico mavioso, de muitas vozes, vindo do Alto: “Glória a Deus nas alturas e paz na Terra aos homens por Deus amados” (Lucas 2, 8-18). Chegam e se confirmou tudo o que lhes fora comunicado: aí está um menino, tiritando, enfaixado em panos e deitado na manjedoura, na companhia de animais.

Algum tempo depois, eis que vem descendo o caminho, três sábios do Oriente. Sabiam interpretar as estrelas. Chegam. Extasiam-se pela misteriosidade da situação. Identificam no menino aquele que iria sanar a existência humana ferida. Inclinam-se, reverentes, e deixam presentes simbólicos: ouro, incenso e mirra. Com o coração leve e maravilhados, tomam o caminho de volta, evitando a cidade de Jerusalém, pois aí reinava um “Netanyhau” terrivelmente belicoso, pronto a mandar matar quem visitara a criança divina.

Lição: Deus entrou no mundo, na calada da noite, sem que ninguém o soubesse. Não há pompa nem glória, que imaginaríamos adequadas a um menino que é Deus. Mas preferiu chegar fora da cidade, entre animais. Não constou na crônica da época, nem em Belém, nem em Jerusalém, muito menos em Roma. No entanto, aí está Aquele que o universo estava gestando dentro de si há bilhões de anos, aquela “luz verdadeira que ilumina cada pessoa que vem a este mundo” (Jo 1,10). Deus não veio para divinizar o ser humano, Ele veio para se humanizar junto conosco.

Devemos respeitar e amar a forma como Deus quis entrar neste mundo: anônimo como anônimas são as grandes maiorias pobres e menosprezadas da humanidade. Quis começar lá em baixo para não deixar ninguém de fora. A situação humilhada e ofendida deles foi aquela que o próprio Deus quis fazer sua.

Mas há também sábios e homens estudiosos das estrelas do universo, os cosmólogos e que captam atrás das aparências o mistério de todas as coisas. Entreveem neste menino de corpinho tiritante, que molha os paninhos, choraminga e busca, faminto, o seio da mãe, o Sentido Supremo de nossa caminhada e do próprio universo. Para eles é também Natal.

É verdade o que se diz por aí: “Todo menino quer ser homem. Todo homem quer ser rei. Todo rei quer ser Deus. Só Deus quis ser menino”.

Esse é um lado, alvissareiro: um raio de luz no meio da noite escura. Um pouco de luz tem mais direito que todas as trevas.

Mas há o outro lado, sombrio e também trágico, referido anteriormente. Há um “Netanyhau” que não teme assassinar inocentes. José, atento, logo se dá conta: ele quer mandar matar o menino recém-nascido. Foge para o Egito com Maria e o menino ao colo que dorme, busca o seio e volta a dormir.

Milhares de crianças foram assassinadas em terras da Faixa de Gaza. Então se ouviu um dos lamentos mais comoventes de todas as Escrituras: “Em Ramá se ouviu uma voz, muito choro e gemido: é Raquel que chora os filhos assassinados e não quer ser consolada porque os perdeu para sempre”(Mt 2,18).

Os Herodes se perpetuam na história também durante quatro anos no Brasil sob o inelegível e atualmente na Palestina. Não obstante, haverá sempre uma estrela, como a de Belém, a iluminar nossos caminhos.Por mais perverso que sejam os Herodes, eles não podem impedir que o sol nasça cada manhã nos trazendo esperança,especialmente aquele que foi chamado “o sol da esperança”.

Essa alegria é inaudita: a nossa humanidade, fraca e mortal, a partir do Natal começou a pertencer ao próprio Deus. Por isso algo nosso já foi eternizado pelo Puer aeternus que nos garante que os Herodes da morte jamais triunfarão.

Feliz Natal a todos com muita compaixão por tantas vítimas em Gaza, com luz e discreta alegria.

*Leonardo Boff é teólogo. Autor, entre outros livros, de O sol da esperança: Natal, histórias, poesias e símbolos (Mar de Ideias).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Roberto Alves Eduardo Borges Celso Frederico Marcelo Módolo Valerio Arcary José Dirceu José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Tarso Genro Michael Roberts Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe Ronald Rocha Michael Löwy Ricardo Musse Annateresa Fabris Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Gerson Almeida Tadeu Valadares Alexandre Aragão de Albuquerque Sandra Bitencourt Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Werneck Vianna Eleonora Albano Luiz Marques Leonardo Sacramento Marcos Silva Jean Pierre Chauvin Leonardo Boff Marcelo Guimarães Lima José Machado Moita Neto Matheus Silveira de Souza André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Claudio Katz Boaventura de Sousa Santos Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Julian Rodrigues Francisco Fernandes Ladeira Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle Gilberto Maringoni João Adolfo Hansen Airton Paschoa Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana João Lanari Bo Celso Favaretto Chico Whitaker João Carlos Salles Paulo Fernandes Silveira Slavoj Žižek Denilson Cordeiro Eliziário Andrade Maria Rita Kehl Renato Dagnino Marilena Chauí Bernardo Ricupero João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Michel Goulart da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Liszt Vieira Carla Teixeira Heraldo Campos Antonino Infranca Andrés del Río Thomas Piketty Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior Francisco de Oliveira Barros Júnior Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Dênis de Moraes Berenice Bento Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto Ladislau Dowbor Bruno Machado André Singer Luis Felipe Miguel Daniel Afonso da Silva Salem Nasser Milton Pinheiro Armando Boito Mário Maestri Antonio Martins Andrew Korybko Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Luís Fiori Eugênio Bucci Ricardo Antunes Henry Burnett Chico Alencar João Carlos Loebens Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Gabriel Cohn Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bento Prado Jr. Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Anselm Jappe Eleutério F. S. Prado Everaldo de Oliveira Andrade Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior Luciano Nascimento Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Otaviano Helene Lincoln Secco Érico Andrade Jorge Branco Leda Maria Paulani Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Luiz Carlos Bresser-Pereira João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Dennis Oliveira Marilia Pacheco Fiorillo Vanderlei Tenório Jean Marc Von Der Weid Elias Jabbour Paulo Martins Daniel Costa Ricardo Fabbrini

NOVAS PUBLICAÇÕES