As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O plano Biden

Imagem de autor desconhecido, sob domínio público
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SERGE HALIMI*

Biden avança em relação as políticas adotadas por Obama, e um dos elementos mais promissores do plano Biden é a sua universalidade

Três dias antes de Trump mudar-se para a Casa Branca, o presidente chinês Xi Jinping viajou a Davos, onde advertiu os Estados Unidos contra o protecionismo. Hoje, é a política de relançamento impulsionada por Joseph Biden que deixa os dirigentes chineses alarmados. Eles veem nela um “risco sistêmico” à ordem econômica atual.

Os Estados Unidos, de todo modo, acabam de aprovar uma das leis mais progressistas de sua história. Ela abandona estratégias econômicas adotadas nas últimas décadas que favoreceram os rendimentos do capital – as “start-ups” e os rentistas – e agravaram o abandono das classes populares. Ela rompe com as políticas públicas assombradas pelo medo de um retorno da inflação e de uma explosão de endividamento. E ela não procura mais convencer os neoliberais e seus financiadores com reduções fiscais cujos resultados acabam desaguando na bolsa de valores, inflando a bolha financeira.

Com o seu plano emergencial de 1.9 trilhões de dólares (quase 10% da produção anual de riqueza do país), que deverá ser seguido por um programa de investimentos em infraestrutura, energia limpa e educação (3 trilhões de dólares em 10 anos), o ex-vice-presidente de Barack Obama parece ter enfim aprendido a lição de toda esta história e, também, do fracasso de seu antigo “patrão” que, sendo demasiado prudente e centrista, não quis aproveitar a oportunidade gerada pela crise financeira de 2007-2008 para impulsionar um novo New Deal. “Com uma economia mundial em queda livre”, justificou-se Obama, “minha tarefa prioritária não era reconstruir a ordem econômica, mas evitar um desastre suplementar”[i][ii]. Enquanto isso, obcecada com a dívida, a Europa infligia a si mesma uma década de desmonte orçamentário, fechando leitos hospitalares…

Um dos elementos mais promissores do plano Biden é sua universalidade. Mais de cem milhões de americanos com renda anual inferior a 75 000 dólares já receberam um novo cheque de 1400 dólares do Tesouro. Ora, já faz um quarto de século que a maioria dos Estados ocidentais condicionam suas políticas sociais a tetos de recursos cada vez mais baixos e a dispositivos de emprego punitivos e humilhantes[iii]. O resultado disso foi que aqueles que não recebem mais nada, apesar de sua necessidade, são encorajados a detestar as políticas públicas que eles mesmos financiam, mas que beneficiam outras pessoas. Então, atiçados pela mídia, terminam por acreditar que seu dinheiro acaba nas mãos de ladrões e parasitas.

A crise da Covid-19 deu fim a essa conversa. Não é mais possível responsabilizar os assalariados e os trabalhadores independentes por sua condição, uma vez que todo seu trabalho foi brutalmente interrompido. Em certos países, 60% daqueles que receberam algum auxílio associado à pandemia jamais haviam recebido qualquer outro[iv]. O Estado os socorreu sem atraso, “custando o que custar” e sem fazer qualquer triagem. Até o momento, poucos foram aqueles que reclamaram – para além do jornalismo financeiro e… da China popular.

*Serge Halimi é jornalista do jornal francês Le Monde diplomatique.

Tradução: Daniel Pavan

Publicado originalmente no jornal Le Monde diplomatique.

Notas


[i] Barack Obama, A Promised Land, Crown, New York, 2020.

[ii] Barack Obama, A Promised Land, Crown, New York, 2020.

[iii] Ver Anne Daguerre, « Emplois forcés pour les bénéficiaires de l’aide sociale », Le Monde diplomatique, junho de 2005.

[iv] Segundo o órgão de conselho Boston Consulting Group (BCG), citado por The Economist, Londres, 6 de março de 2021.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Luiz Marques Gabriel Cohn Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Marcos Aurélio da Silva Luiz Bernardo Pericás Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro Afrânio Catani Rafael R. Ioris Bruno Machado Eleonora Albano Ronald León Núñez Liszt Vieira Julian Rodrigues Luiz Carlos Bresser-Pereira José Dirceu Leda Maria Paulani Carlos Tautz Manuel Domingos Neto Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa Luiz Eduardo Soares Ladislau Dowbor Luiz Roberto Alves Flávio Aguiar Leonardo Boff Sandra Bitencourt Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek Antonino Infranca Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Valerio Arcary Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Tadeu Valadares Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Leonardo Avritzer Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Manchetômetro Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Érico Andrade Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Costa Lima Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento João Carlos Loebens José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber Gerson Almeida Gilberto Maringoni Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Walnice Nogueira Galvão Jorge Branco João Adolfo Hansen Luciano Nascimento Henry Burnett Andrew Korybko Vanderlei Tenório Valério Arcary Anderson Alves Esteves Mário Maestri Marcos Silva Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Michael Roberts Elias Jabbour João Feres Júnior Chico Whitaker André Márcio Neves Soares Antonio Martins Ricardo Antunes Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Eduardo Borges Roberto Bueno Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Caio Bugiato José Machado Moita Neto Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Otaviano Helene Daniel Brazil Luiz Renato Martins Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Igor Felippe Santos Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Osvaldo Coggiola Armando Boito Leonardo Sacramento Francisco Fernandes Ladeira Roberto Noritomi Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Benicio Viero Schmidt Marcelo Guimarães Lima Eugênio Bucci Juarez Guimarães Claudio Katz Vladimir Safatle Flávio R. Kothe Heraldo Campos Bernardo Ricupero Celso Frederico José Geraldo Couto Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Bento Prado Jr. Marcus Ianoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada