Sobre o Novo Ensino Médio

Imagem: Dids
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL CARA*

Breve análise da proposta do MEC apresentada em 7 de agosto

O MEC divulgou os resultados da Consulta Pública sobre o Novo Ensino Médio e apresentou uma proposta. Se mantida, ela traz avanços, mas precisa ser aperfeiçoada.

O Ministério da Educação (MEC) assumiu as 2400 horas de Formação Geral Básica (FGB) que propusemos no PL 2601/2023 (apresentado em maio/2023), questão também reiterada na colaboração da USP à matéria, enviada ao MEC em julho. Essa é uma boa notícia.

Com a Formação Geral Básica (FGB) de, no mínimo, 2200 horas, os cursos técnicos terão “exceção” de carga horária e podem ter 800 e 1000 horas dedicadas exclusivamente à formação profissional. Para cursos técnicos de 1200 horas de formação profissional haverá ampliação de jornada, com a possibilidade de apoio do Programa Escola em Tempo Integral do MEC. Interessante.

Contudo, a Formação Geral Básica de, no mínimo, 2200 horas é razoavelmente problemática. A educação técnica não pode concorrer com a FGB, ao contrário, deve ser integrada. Falo, inclusive, como egresso do modelo, por ter sido ex-aluno da Escola Técnica Estadual de São Paulo (ETESP), minha melhor e mais importante experiência educacional.

Outro importante princípio do PL 2601/2023 (mas apenas) “sugerido” na proposta do MEC: Artes, Educação Física, Literatura, História, Sociologia, Geografia, Filosofia, Química, Física e Biologia deveriam integrar a Formação Geral Básica (FGB). O espanhol figura como “alternativo” ao inglês.

Uma questão fundamental: o Brasil deve avançar para uma oferta obrigatória de espanhol como língua estrangeira, concomitante ao inglês. aliás, essa deve ser uma questão de estratégia nacional, além de um compromisso regional.

Agora uma boa “sugestão” que consta da proposta do MEC: Educação Digital. Contudo, deve ser na perspectiva da educação crítica das mídias, como defendemos no relatório da transição governamental “O extremismo de direita entre adolescentes e jovens no Brasil: ataques às escolas e alternativas para a ação governamental”.

Concluindo o tema dos componentes curriculares a serem contemplados na Formação Geral Básica (FGB): a posição do MEC deveria ser mais firme. Essa é a maior demanda das educadoras e dos educadores, para além da carga horária de 2400 horas para Formação Geral Básica. Por que? Porque estruturar bem a Formação Geral Básica significa fortalecer a profissão docente, além de ser o melhor remédio para evitar o caos vivido nas redes estaduais com as disciplinas estapafúrdias do Novo Ensino Médio que revoltaram estudantes, professoras e professores.

Outro ponto que segue a linha do PL 2601/2023: o fim do malfadado e nada rigoroso termo “itinerários formativos”. O termo é abolido no PL 2601/2023, mas substituído na proposta do MEC por “percursos de aprofundamento e integração de estudos”. O que isso pode significar na prática?

Para além da Formação Geral Básica (2400 horas), na perspectiva do tempo expandido ou “integral” (3000 hs), pode ser ofertado um aprofundamento de estudos (600 hs). Na prática, seriam 2 possibilidades: (a) Português, Inglês ou Espanhol (deveria ser “e”), Matemática e Ciências da Natureza; e, (b) Português, Inglês ou Espanhol (repito, deveria ser “e”), Matemática, Filosofia e Ciências Humanas.

Ou seja, para as 600 horas restantes da carga horária de 3000 horas, o estudante teria que escolher entre essas duas possibilidades.

Você deve se perguntar: isso não se assemelha à velha divisão do Clássico, Científico e Normal? Sim, mas devemos lembrar: há a Formação Geral Básica de 2400 horas. Ela estaria garantida. O problema maior é outro:

O Enem, corretamente e seguindo a posição que nós defendemos desde a transição governamental, será pautado na Formação Geral Básica. Reitero: corretíssimo! Mas há um grave risco de ampliação de desigualdades: os alunos da educação profissional ficarão aquém das 2400 horas da Formação Geral Básica (apenas 2200 hs). Por isso, o Ensino Técnico deve ser integrado (4200 horas).

Aliás, a Formação Técnica e Profissional é considerada um “percurso de aprofundamento e integração de estudos” pelo MEC. Não listei dessa forma porque considero que isso deva ser revisto, sob pena dos estudantes desse modelo terem muitas dificuldades de ingressar na Educação Superior.

Há outras questões importantes, como a extinção da Educação à Distância no Ensino Médio “regular”, porém sendo “permitido” o uso de 20% da carga horária da educação profissional nessa modalidade de ensino, o que é grave. e, por último, há ainda um problema de indefinição prática sobre como tratar o notório saber na educação profissional.

Após ler uma primeira versão desse texto, a professora Monica Ribeiro, da UFPR, uma das mais importantes especialistas sobre Ensino Médio no Brasil, me alertou: “sobre a formatação técnica e profissional tem ainda a possibilidade absurda de se mater os cursos de qualificação, cursos FIC, que não asseguram habilitação profissional. É uma carga horária formada pela junção de vários cursinhos descoordenados.” Isso é grave. E ela ainda chama a atenção: há outros problemas como “a vinculação obrigatória à Base Nacional Comum Curricular” e também “a obrigatoriedade de organização por áreas”, enquanto “as redes se organizam por disciplinas ainda”. Como possível ponto positivo, Ribeiro afirma: “talvez, é assim que está na apresentação, se revogue ou se reveja a BNC Formação de professores”.

Por fim, não há mais alternativas políticas: o que o MEC propôs exige a tramitação do tema no Parlamento, como alertamos desde 2016 e é congruente com o esforço do PL 2601/2023. Nesse sentido, trata-se de revogação do Novo Ensino Médio – esse é um fato que não está sendo assumido na cobertura da imprensa.

Contudo, fica o alerta: há muita água para passar por debaixo da ponte. Vamos em frente!

*Daniel Cara é professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca João Lanari Bo Sandra Bitencourt Armando Boito Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Daniel Brazil Paulo Martins Anselm Jappe Flávio R. Kothe Elias Jabbour Ari Marcelo Solon Fábio Konder Comparato Maria Rita Kehl Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Vinício Carrilho Martinez Luis Felipe Miguel André Singer Érico Andrade Marcus Ianoni Atilio A. Boron Henri Acselrad Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Rubens Pinto Lyra Michel Goulart da Silva Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Caio Bugiato Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Renato Dagnino Daniel Costa Slavoj Žižek Leonardo Avritzer José Machado Moita Neto Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Paulo Fernandes Silveira Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Ladislau Dowbor Thomas Piketty Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Fernando Nogueira da Costa Juarez Guimarães Igor Felippe Santos Andrew Korybko Salem Nasser Anderson Alves Esteves Andrés del Río Ricardo Antunes Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani Tarso Genro Matheus Silveira de Souza Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro José Raimundo Trindade Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco de Oliveira Barros Júnior José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Vanderlei Tenório Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. Samuel Kilsztajn José Dirceu Bento Prado Jr. Manchetômetro Ricardo Musse José Costa Júnior Gerson Almeida João Feres Júnior José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Fernão Pessoa Ramos Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Annateresa Fabris João Adolfo Hansen Carlos Tautz Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Ronald León Núñez Ronald Rocha Chico Whitaker Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Eduardo Borges Luís Fernando Vitagliano Luciano Nascimento Yuri Martins-Fontes Denilson Cordeiro Heraldo Campos Celso Favaretto Luiz Marques Jean Pierre Chauvin Valerio Arcary Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Lincoln Secco Julian Rodrigues Leonardo Boff Mário Maestri Remy José Fontana Berenice Bento Flávio Aguiar Leonardo Sacramento Henry Burnett Carla Teixeira Marcos Silva Luiz Roberto Alves Michael Roberts Chico Alencar Milton Pinheiro Rodrigo de Faria Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira André Márcio Neves Soares Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Gabriel Cohn João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Antonio Martins Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada