As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lava Jato – a força-tarefa em seu labirinto

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TÂNIA MARIA SARAIVA DE OLIVEIRA*

Todo o enredo da Lava Jato era um reducionismo fictício da realidade, onde os fatos eram descontextualizados e apresentados em perspectiva maniqueísta, como uma luta entre o bem e o mal

Durante sete anos o Brasil e o mundo assistiram a um espetáculo midiático digno dos filmes hollywoodianos de roteiro fácil, em que mocinhos e heróis defensores da ética e da moralidade pública lutavam contra vilões corruptos. Uma representação da vida real. Uma operação de investigação criminal chamada Lava Jato criou uma narrativa ficcional, reproduzida na imprensa, estabelecendo uma estratégia de guerra não convencional contra inimigos determinados, com o uso do aparato do sistema de justiça.

Nessa guerra de modelo indireto, para usar livremente o termo adotado por Andrew Korybko no livro “Guerras Hibridas – das revoluções coloridas aos golpes”, seus atores contavam com o apoio de diversos segmentos sociais e da mídia empresarial, parceiros na disseminação da mensagem e fundamentais na construção da popularidade, o que tornava substancialmente difícil qualquer tentativa de conter ilegalidades e abusos da operação, por mais evidentes que fossem as provas e mais intensas as denúncias.

Todo o enredo da Lava Jato era um reducionismo fictício da realidade, onde os fatos eram descontextualizados e apresentados em perspectiva maniqueísta, como uma luta entre o bem e o mal. No mundo real, que ocorria no submundo, o respeito à legalidade e às garantias dos acusados era uma piada, a ética não passava nem perto como parâmetro de conduta a ser adotado.

O fator psicológico da popularidade dos membros da força-tarefa da operação Lava Jato e do juiz que a conduzia era o sentimento da sociedade de impunidade de pessoas poderosas. O sucesso de audiência que se apresentava com os mandados de prisões, conduções coercitivas e busca e apreensão, com chamadas ao vivo em jornais de televisão, a criação de expectativas com as listas “reveladas” por delatores, tratando o processo penal como verdadeiro espetáculo, alimentou e cultivou o apoio popular à Lava Jato, o que somente seria abalado com as revelações do portal The Intercept Brasil e parceiros, a partir de junho de 2019, com as conversas travadas entre procuradores e entre eles e o juiz Sérgio Moro em um aplicativo de celular.

As condições político-jurídicas subjetivas e objetivas trazidas a partir dessas divulgações possibilitaram uma mudança de olhar sobre os fatos.

A suspeição de Moro declarada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) já neste ano de 2021, também em uma intensa disputa jurídica interna, foi a resposta jurídica e política sobre a perseguição implacável que o juiz operou sobre o ex-presidente Lula, o vilão escolhido para o “Show” e a quem foram negados os mais elementares direitos de defesa.

Mesmo tendo sido encerrada formalmente em fevereiro de 2021, e em meses subsequentes em outros estados, a operação Lava Jato, seus atores e consequências seguem sendo notícia e motivando debates no país.

O julgamento de um Processo Administrativo Disciplinar – PAD, proferido no dia 18 de outubro pelo Conselho Nacional do Ministério Público – CNMP, que determinou a demissão do ex-membro da Lava Jato, Diogo Castor de Mattos, é mais um passo no caminho de racionalização dos fatos havidos e tratados como parte do entretenimento, sem limites ao exercício do poder. No caso, a colocação de um outdoor na entrada da cidade de Curitiba com foto e autoelogios aos procuradores da República.

A demissão, bom que se esclareça, só terá validade após decisão da Justiça Federal. Para que o afastamento sem vencimentos se efetive é necessário o ajuizamento da ação.

Em paralelo, a revelação de que Deltan Dallagnol e Athayde Ribeiro Costa falsificaram a delação premiada de Pedro Barusco, ex-executivo da Petrobras, com o objetivo de prejudicar o PT; a abertura de Processo Administrativo Disciplinar no CNMP no dia 19 de outubro contra 11 ex-membros da Lava Jato do Rio de Janeiro por vazamento de informações; e a votação da PEC 5 no Congresso Nacional, que altera composição e competência do CNMP, formam o todo de um debate atual forjado em torno da personagem chamada operação Lava Jato. Como o general de Garcia Marquez, a operação padece de crises respiratórias e um corpo que diminui de tamanho ao passar dos dias, não mais amada por todos, como em tempos anteriores.

Investigar e processar tudo que ocorreu no passado recente do país com o uso do aparato do sistema de justiça, resgatar sua verdade e trazer à tona seus acontecimentos, com responsabilização dos atores, são passos fundamentais para a recuperação da própria credibilidade do Ministério Público e do Poder Judiciário e fortalecimento da democracia. Ao mesmo tempo em que devemos buscar novas conformações e fórmulas para o funcionamento eficaz das instituições, com controles que tenham participação social.

*Tânia Maria Saraiva de Oliveira é advogada e historiadora. Membra da Coordenação Executiva da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia – ABJD.

Publicado originalmente no portal Brasil de Fato.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Branco Tadeu Valadares Osvaldo Coggiola Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Roberts Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Bento Prado Jr. Roberto Bueno Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Bernardo Ricupero Atilio A. Boron Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Dênis de Moraes Lorenzo Vitral Everaldo de Oliveira Andrade Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Roberto Noritomi Priscila Figueiredo João Paulo Ayub Fonseca Rafael R. Ioris Celso Frederico Otaviano Helene Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Leonardo Avritzer Armando Boito Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Manchetômetro Eleonora Albano Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Dennis Oliveira Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Luiz Costa Lima Claudio Katz Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Gilberto Lopes Ricardo Abramovay Tarso Genro Yuri Martins-Fontes João Adolfo Hansen Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Benicio Viero Schmidt Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo Manuel Domingos Neto João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff Carlos Tautz Antonino Infranca Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento José Luís Fiori Ricardo Antunes Milton Pinheiro Juarez Guimarães Remy José Fontana Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris João Carlos Salles Jean Marc Von Der Weid João Feres Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Martins Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins Andrew Korybko Érico Andrade Daniel Costa Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Luís Fernando Vitagliano André Singer Igor Felippe Santos Flávio Aguiar Luiz Werneck Vianna Francisco Pereira de Farias Marcelo Módolo Chico Whitaker Lincoln Secco Celso Favaretto João Carlos Loebens Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary Gabriel Cohn Carla Teixeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Elias Jabbour Heraldo Campos José Geraldo Couto Marcos Silva Caio Bugiato Maria Rita Kehl Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Eugênio Bucci José Costa Júnior Anderson Alves Esteves Marcos Aurélio da Silva José Dirceu Mário Maestri Gilberto Maringoni Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse Bruno Machado Anselm Jappe Julian Rodrigues Eugênio Trivinho Eduardo Borges Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada