Qual democracia?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Luís Felipe Miguel*

Do começo de 2014 ao final de 2018, o jornal Folha de S. Paulo disputou, com todo o resto da grande imprensa brasileira, o título de “Diário Oficial da Lava Jato”.

Exaltou Sergio Moro e Deltan Dallagnol como salvadores do Brasil, embarcou alegre em qualquer denúncia que atingisse Lula, fez tabelinha com policiais e procuradores para criminalizar o PT e a esquerda. Foi mesmo precursora daquilo que hoje se conhece como “doutrina Gebran da propriedade”, com os infames “furos” de reportagem sobre os pedalinhos e o “iate de lata”.

Quando a sua campanha pela vitória daquele homem santo, Aécio, não deu certo, a Folha aderiu imediatamente à ideia de um golpe.

Diante de Bolsonaro, hoje, a Folha diz: é preciso contê-lo. Diante de Dilma, ela dizia: é preciso derrubá-la.

Basta comparar os noticiários de uma e outra época. Quem lia a Folha nos últimos anos de Dilma via um país a caminho do caos. Moeda desvalorizada, carestia, desemprego, crescimento econômico pífio – e um governo envolvido em escândalos de corrupção.

Hoje temos moeda desvalorizada, carestia, desemprego e crescimento econômico pífio, mas a Folha não retrata a economia como estando à beira do abismo. Ao contrário, não cansa de exaltar a política econômica de Guedes. Os escândalos de corrupção são noticiados, mas de forma intermitente. E o envolvimento da cúpula do poder com a criminalidade comum é praticamente escamoteado do noticiário.

Quando o golpe de 2016 logrou êxito, a Folha saudou o governo Temer. Fiel a seu estilo, com críticas pontuais, mas apoiando fortemente o congelamento do gasto social, a entrega do patrimônio nacional, a redução dos direitos trabalhistas. Nunca descuidou de negar o golpismo do golpe e manifestou simpatia às tentativas de censura de quem tentava debater o caráter ilegítimo da derrubada de Dilma.

A Folha endossou a condenação forjada e a prisão inconstitucional de Lula. Sua adesão às regras da democracia mostrou-se tão lassa que se dispôs a participar de uma fraude eleitoral – o afastamento ilegal do candidato favorito – para garantir uma legitimação de fachada para o golpe que apoiara.

Nas eleições de 2018, insistiu na tese ridícula dos “dois extremos”, equiparando o amigo de milicianos e entusiasta de torturadores Jair Bolsonaro a um político de credenciais democráticas irretocáveis (e além disso bem palatável para os grupos liberais), Fernando Haddad. Continua batendo nessa mesma tecla, aliás, como mostra o lamentável artigo de Hartung, Lisboa e Pessôa, com chamada de capa na edição do dia 01 de dezembro, cujo título, na edição digital, é “Brasil vive entre riscos de extrema direita e recaída lulista” – e cujo resumo é que o país “precisa retomar diálogo para evitar radicalismos”.

Com Bolsonaro no poder, a Folha trabalhou ativamente para cercear a discussão sobre as políticas destrutivas de Paulo Guedes.

A “democracia” que o jornal defende é compatível com a interdição da participação da classe trabalhadora no debate público e o cerceamento de suas organizações.

É a mesma Folha, não esqueçamos, que até hoje não foi capaz de fazer sequer um mea culpa hipócrita de seu apoio, inclusive material, ao golpe de 1964 e à ditadura militar. Ela fará mea culpa de sua participação ativa na destruição da ordem definida pela Constituição de 1988? Certamente não.

Os ataques de Bolsonaro à Folha são, sem dúvida, condenáveis demonstrações de autoritarismo. Mas a solidariedade que o jornal merece, mesmo com todos os seus muitos vícios, devido ao princípio da liberdade de expressão que nós gostaríamos de ver estendido também aos grupos historicamente silenciados, é freada pela repulsa à sua tentativa desavergonhada de se promover como mártir da democracia brasileira.

Como eu já escrevi outro dia: se é para dar dinheiro em favor da pluralidade de informação, que seja para os portais alternativos, para a Rede Brasil Atual, para o Brasil de Fato, para a TVT. Quanto à Folha, que seja bancada por aqueles a quem ela quer dar voz: a burguesia “ilustrada” paulista, a direita “civilizada”, os conservadores “descolados”. Que, aliás, têm condições materiais mais do que suficientes para manter seu órgão de imprensa, caso desejem.

*Luís Felipe Miguel é professor de ciência política na UnB.

Publicado originalmente em https://www.facebook.com/luisfelipemiguel.unb

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Michael Löwy Eliziário Andrade Francisco Pereira de Farias Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto João Lanari Bo Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Gabriel Cohn Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Henri Acselrad Gilberto Lopes Armando Boito Osvaldo Coggiola Antonino Infranca Mariarosaria Fabris José Machado Moita Neto Thomas Piketty Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Salem Nasser Vanderlei Tenório Lorenzo Vitral Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Marcus Ianoni Alexandre de Freitas Barbosa Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Marjorie C. Marona Eduardo Borges Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Andrés del Río Sandra Bitencourt Alexandre de Lima Castro Tranjan Remy José Fontana Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Érico Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Celso Favaretto Mário Maestri Lincoln Secco Eleonora Albano Maria Rita Kehl José Luís Fiori Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Anderson Alves Esteves Elias Jabbour Leonardo Avritzer Julian Rodrigues Antonio Martins João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães Eugênio Bucci Igor Felippe Santos José Raimundo Trindade Rubens Pinto Lyra Luiz Roberto Alves Francisco de Oliveira Barros Júnior Michel Goulart da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Boaventura de Sousa Santos Manuel Domingos Neto Matheus Silveira de Souza Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Ricardo Musse Luciano Nascimento Manchetômetro Otaviano Helene Vladimir Safatle Airton Paschoa Chico Alencar André Márcio Neves Soares Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Leonardo Boff José Costa Júnior Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Ronald León Núñez Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Salles Renato Dagnino Heraldo Campos João Sette Whitaker Ferreira Dênis de Moraes Marcelo Módolo Caio Bugiato Jorge Branco Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Michael Roberts Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris André Singer José Dirceu Tadeu Valadares Andrew Korybko Claudio Katz Celso Frederico Ronald Rocha Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Tarso Genro Carla Teixeira Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Carlos Tautz Berenice Bento Atilio A. Boron Lucas Fiaschetti Estevez Anselm Jappe Leonardo Sacramento Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Dennis Oliveira João Carlos Loebens Daniel Costa Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada