O imposto global

Imagem: Silvia Faustino Saes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSEPH E. STIGLITZ*

É crucial abordar a série de específicas questões necessárias para um acordo tributário global

Parece que a comunidade internacional está se movendo em direção ao que muitos estão chamando de um acordo histórico para definir uma alíquota tributária global mínima para empresas multinacionais (EMNs). Já estava na hora – mas pode não ser o suficiente.

De acordo com as regras existentes, as empresas conseguem escapar do pagamento de sua justa parte dos impostos registrando suas receitas em jurisdições de baixa tributação. Em alguns casos, quando a lei não lhes permite mentir que uma parte de sua receita se origina em algum paraíso fiscal, elas têm transferido partes de seus negócios para essas jurisdições.

A Apple se tornou o garoto propaganda da evasão fiscal ao registrar lucros obtidos em suas operações europeias para a Irlanda e, em seguida, usar outra brecha para evitar a maior parte do notório imposto de 12,5% da Irlanda. Mas a Apple não foi a única a direcionar a engenhosidade por trás dos produtos que amamos para evitar impostos sobre os lucros obtidos com sua venda para nós. Eles acertadamente alegaram que estavam pagando por cada dólar devido; eles estavam simplesmente aproveitando ao máximo o que o sistema lhes oferecia.

Sob essa perspectiva, um acordo para estabelecer um imposto global mínimo de pelo menos 15% é um grande passo adiante. Mas o diabo está nos detalhes. O imposto oficial médio atual é consideravelmente mais alto. Assim, é possível, e até provável, que o mínimo global se torne o imposto máximo. Uma iniciativa que começou como tentativa de forçar as multinacionais a contribuir com sua devida quota de impostos poderia gerar uma receita adicional muito limitada, muito inferior aos US$ 240 bilhões pagos a menos anualmente. E algumas estimativas sugerem que os países em desenvolvimento e os mercados emergentes também veriam uma pequena fração dessa receita.

Prevenir esse resultado depende não apenas de evitar uma convergência descendente global mas também de garantir uma definição ampla e abrangente de lucros corporativos, como aquela que limita a dedução de despesas relativas a aplicação de capital mais juros, mais perdas antecipadas, mais… provavelmente seria melhor concordar com a contabilidade padrão para que novas técnicas de evasão fiscal não substituam as antigas.

Especialmente problemático nas propostas apresentadas pela OCDE é o Pilar Um, que visa abordar os direitos tributários e se aplicam apenas às maiores empresas globais. O antigo sistema de transferência de preços claramente não estava à altura dos desafios da globalização do século 21. As multinacionais aprenderam como manipular o sistema para registrar lucros em jurisdições de baixa tributação. É por isso que os Estados Unidos adotaram uma abordagem em que os lucros são alocados entre os estados por uma fórmula que contabiliza vendas, empregos e capital.

Países em desenvolvimento e desenvolvidos podem ser afetados de diferentes maneiras, dependendo da fórmula usada: uma ênfase nas vendas prejudicará os países em desenvolvimento que produzem produtos industrializados, mas pode ajudar a resolver algumas das desigualdades associadas aos gigantes digitais. E para as empresas da Big Tech, o valor das vendas precisa refletir o valor dos dados que obtêm, o que é crucial para seu modelo de negócios. A mesma fórmula pode não funcionar em todos os setores.

Não obstante, é preciso reconhecer os avanços das atuais propostas, inclusive o afastamento do teste da “presença física” para a cobrança de impostos – algo que não faz sentido na era digital.

Alguns consideram o Pilar Um como um reforço do imposto mínimo e, portanto, não se preocupam com a ausência de princípios econômicos que orientem sua construção. Apenas uma pequena fração dos lucros acima de um certo limite deverá ser tributada – o que implica que a parcela total dos lucros a ser cobrada é de fato pequena. Mas com as empresas autorizadas a deduzir todos os insumos de produção, incluindo capital, o imposto de renda corporativo é na verdade um imposto sobre aluguéis ou lucros puros, e todos esses lucros puros deveriam ser alocados. Assim, a demanda por alguns países em desenvolvimento de que uma parcela maior dos lucros corporativos fique sujeita a realocação é mais do que razoável.

Existem outros aspectos problemáticos das propostas, tanto quanto se pode descobrir (houve menos transparência, menos discussão pública dos detalhes do que seria de se esperar). Uma diz respeito à resolução de disputas, que claramente não pode ser conduzida usando os tipos de arbitragem que agora prevalecem em acordos de investimento; nem deveria ser deixado para o país de “origem” de uma corporação (especialmente com corporações livres em busca de residências fiscais favoráveis). A resposta certa é um tribunal tributário global, com a transparência, os padrões e os procedimentos esperados de um processo judicial do século 21.

Outra das problemáticas características das reformas propostas diz respeito à proibição de “medidas unilaterais”, aparentemente destinadas a conter a disseminação dos impostos digitais. Mas o limite proposto de US$ 20 bilhões deixa muitas grandes multinacionais fora do escopo do Pilar Um, e quem sabe quais lacunas os inteligentes advogados tributaristas encontrarão? Dados os riscos para a base tributária de um país – e com os acordos internacionais tão difíceis de concluir e as multinacionais tão poderosas – os formuladores de políticas podem precisar recorrer a medidas unilaterais.

Não faz sentido que os países abram mão de seus direitos tributários pelo limitado e arbitrário Pilar Um. Os compromissos exigidos são incomensuráveis diante dos benefícios concedidos.

Os líderes do G20 farão bem em chegar a um acordo sobre um imposto mínimo global de pelo menos 15%. Independentemente da porcentagem final que define o piso para os 139 países que atualmente negociam essa reforma, seria melhor se pelo menos alguns países introduzissem uma porcentagem mais alta, unilateralmente ou como um grupo. Os EUA, por exemplo, estão planejando uma alíquota de 21%.

É crucial abordar a série de específicas questões necessárias para um acordo tributário global, e é especialmente importante envolver-se com os países em desenvolvimento e os mercados emergentes, cuja voz nem sempre foi ouvida com a clareza que deveria.

Acima de tudo, será fundamental revisitar o tema em cinco anos, não em sete, como se propõe atualmente. Se as receitas fiscais não aumentarem, como prometido, e se os mercados em desenvolvimento e emergentes não conseguirem obter uma parcela maior dessas receitas, o imposto mínimo terá de ser aumentado e as fórmulas para alocação de “direitos fiscais” reajustadas.

*Joseph E. Stiglitz é professor de economia, administração de empresas e negócios internacionais na Columbia University (New York). Autor, entre outros livros, de O preço da desigualdade (Bertrand Brasil).

Tradução: Anna Maria Dalle Luche.

*Publicado originalmente em Project Syndicate.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Carlos Tautz Armando Boito Eleutério F. S. Prado Anderson Alves Esteves Ronaldo Tadeu de Souza Liszt Vieira Ricardo Antunes Lincoln Secco José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko Alexandre de Lima Castro Tranjan Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Eleonora Albano Vanderlei Tenório Jorge Luiz Souto Maior Luiz Bernardo Pericás Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Atilio A. Boron Leonardo Sacramento Francisco Fernandes Ladeira Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Ronald León Núñez Gilberto Maringoni Ladislau Dowbor Érico Andrade Chico Alencar Lorenzo Vitral Luiz Eduardo Soares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Osvaldo Coggiola Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Heraldo Campos Michael Löwy Airton Paschoa Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Eliziário Andrade Luis Felipe Miguel Michel Goulart da Silva Ricardo Abramovay Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Celso Frederico José Geraldo Couto Eduardo Borges Daniel Afonso da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Carla Teixeira João Carlos Salles Vladimir Safatle Valerio Arcary Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Thomas Piketty Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Juarez Guimarães Caio Bugiato Daniel Brazil Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Eugênio Bucci André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts José Dirceu João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Antonio Martins João Lanari Bo Lucas Fiaschetti Estevez Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Antonino Infranca Paulo Capel Narvai Bernardo Ricupero Marcelo Módolo Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Matheus Silveira de Souza Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Leonardo Boff Renato Dagnino Manuel Domingos Neto Manchetômetro Marcus Ianoni Luiz Roberto Alves Luiz Marques Ricardo Musse Annateresa Fabris Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Mário Maestri Luiz Renato Martins Remy José Fontana Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Paulo Fernandes Silveira Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Afrânio Catani Andrés del Río Leonardo Avritzer Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí Berenice Bento Marcos Silva Maria Rita Kehl Bento Prado Jr. Tarso Genro Samuel Kilsztajn Paulo Martins Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Tadeu Valadares Gerson Almeida José Costa Júnior João Feres Júnior José Raimundo Trindade Ronald Rocha João Paulo Ayub Fonseca Bruno Machado Daniel Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada