República do capital

Imagem: Wassily Kandinsky
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANGELITA MATOS SOUZA & DANILO ENRICO MARTUSCELLI*

Apresentação da nova edição, recém-lançada, do livro de Décio Saes

É com muita satisfação que apresentamos a segunda edição do livro República do capital: capitalismo e processo político no Brasil, de Décio Azevedo Marques de Saes. A primeira edição reunia um conjunto de sete artigos acompanhados de uma introdução geral que abordavam os seguintes temas: o caráter da revolução política burguesa no Brasil, a natureza e as mudanças das formas de Estado e de regime político no país, o papel do Estado e dos conflitos de classes no processo político nacional em diferentes contextos históricos, abrangendo desde a conjuntura da transição do escravismo moderno para o capitalismo até os governos neoliberais dos anos 1990.

A obra destaca-se pelo amplo panorama apresentado sobre as mudanças político-institucionais e os conflitos de classe do período republicano, vindo a estabelecer uma série de teses e conceitos sobre a formação social brasileira, inspirados em uma leitura original do marxismo estrutural de Louis Althusser e Nicos Poulantzas. Em confronto com outras perspectivas teóricas influentes no debate político-intelectual brasileiro, as interpretações do Brasil presentes nos capítulos aqui reunidos dão continuidade a trabalhos precedentes do professor Décio Saes, tais como: o livro resultante de sua tese de doutorado intitulada Classe média e sistema político no Brasil, lançado pela editora T. A. Queiroz em 1985, e a obra seminal correspondente à sua tese de livre-docência e que se tornou uma das referências incontornáveis para abordar o tema da revolução burguesa no Brasil: A formação do Estado burguês no Brasil (1888-1891), publicado pela editora Paz e Terra também em 1985.

Na presente edição, mantivemos os artigos publicados na primeira, porém sua disposição foi alterada com vistas a realizar uma espécie de agregação por blocos temáticos. Certamente, o leitor encontrará intersecções entre temas e problemas de pesquisa ao realizar a leitura do livro na íntegra, mas consideramos importante fazer essa agregação para fins de exposição didática.

Além disso, foram inseridos nesta edição seis textos que não compunham a edição anterior, configurando assim uma versão significativamente ampliada do livro. Mantivemos a Introdução da primeira edição e os capítulos reunidos em blocos temáticos foram organizados da seguinte maneira:

Bloco 1. Revolução burguesa no Brasil. Capítulos: “A participação das massas brasileiras na revolução antiescravista e antimonárquica (1888-1891)”, publicado no primeiro número da Revista Brasileira de História em 1981; “Florestan Fernandes e a revolução burguesa no Brasil”; e “A evolução do Estado no Brasil (uma interpretação marxista)”, textos estes que já haviam sido publicados na versão original do livro;

Bloco 2.Balanço dos impactos da revolução burguesa no Brasil na configuração político-institucional e econômica do período republicano. Capítulos: “Capitalismo e processo político no Brasil: a via brasileira para o desenvolvimento do capitalismo”, publicado no Boletim Campineiro de Geografia em 2016; “Democracia e capitalismo no Brasil: balanço e perspectivas”, presente na primeira edição; “A questão da evolução da cidadania política no Brasil”, lançado pela revista Estudos Avançados em 2001; e “Direitos sociais e transição para o capitalismo: o caso da Primeira República brasileira (1889-1930)”, publicado em Estudos de Sociologia em 2006.

Bloco 3. Classes e conflitos de classe na longa história da política brasileira (1889-1989). Capítulos: “Estado capitalista e classe dominante”, publicado na revista Crítica Marxista em 2001; “Classe média e política no Brasil (1930-1964)”, que compõe o volume 10 da coleção História da Civilização Brasileira, organizada pelo historiador Boris Fausto; além do artigo já publicado na primeira edição do livro: “Estado e classes sociais no capitalismo brasileiro dos anos 70/80”;

Bloco 4. Da transição ao regime democrático na década de 1980 à política neoliberal nos anos 1990. Capítulos: “A questão da transição do regime militar à democracia no Brasil”; “A política neoliberal o campo político conservador no Brasil atual”; e “Populismo e neoliberalismo”, todos eles publicados na versão original do livro.

Não poderíamos finalizar essa apresentação sem prestar alguns agradecimentos. Em primeiro lugar, ao nosso grande mestre, professor Décio Saes, figura central à formação de diversas gerações de estudantes, pesquisadores, professores e militantes políticos, bem como à renovação e atualização da teoria política marxista e à difusão da teoria crítica sobre o capitalismo brasileiro desde o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp.

O professor confiou-nos a tarefa de elaborar essa apresentação e agradecemos sua generosidade. Também gostaríamos de agradecer a iniciativa de republicação desta obra pela editora Boitempo, especialmente a Ivana Jinkings, por acolher a proposta de publicar uma versão ampliada do livro.

*Angelita Matos Souza é cientista política e professora no Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp. Autora, entre outros livros, de Dependência e governos do PT (Appris). [https://amzn.to/47t2Gfg]

*Danilo Enrico Martuscelli é professor de ciência política na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e editor do blog marxismo21.

Referência


Décio Saes. República do capital: capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo, Boitempo, 2023, 304 págs. [https://amzn.to/3uRPiUL]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES