As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

“Soberania” mínima

Imagem: Alfo Medeiros
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Ahmad Samih Khalidi*

Como ex-negociador palestino, sei que a solução de dois Estados de Joe Biden é pura ilusão

Ainda não é possível antever um claro desfecho político do governo israelense ou de seus aliados ocidentais, aparentemente ainda dispostos a apoiar a liberdade de Israel de punir o povo de Gaza sob o “direito de se defender”. No entanto, deixando de lado as vozes mais extremas que buscam depopular permanentemente a Faixa ou aniquilá-la com armas nucleares, dois objetivos amplamente consensuais podem ser deduzidos da postura israelense até agora.

O primeiro é que o Hamas deve ser inequivocamente derrotado e sua presença militar e político-civil erradicada de Gaza de uma vez por todas; e o segundo, que não deve haver retorno ao status quo ante – ou seja, qualquer regime pós-Hamas deve ser consistente com as necessidades de segurança de Israel e o trauma sofrido pelo povo israelense em 7 de outubro. O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, confirmou isso ao afirmar que Israel manterá o controle de segurança “indefinido” sobre a Faixa, revertendo a retirada que teoricamente terminou em 2005.

A força armada do Hamas não é páreo para o poderio militar de Israel, e o resultado imediato no campo certamente refletirá esta disparidade. Mas o Hamas não está apenas profundamente enraizado no solo de Gaza como um movimento social e político; sua presença se estende pela região com uma extensa rede de quadros, simpatizantes e patrocinadores, incluindo a Irmandade Muçulmana mais ampla e seus movimentos afiliados globalmente.

Independentemente do que aconteça no confronto militar, a presença residual do Hamas e sua reivindicação de representar o espírito da resistência palestina provavelmente aumentarão sua reputação e capacidade de se renovar entre as massas de palestinos enfurecidos, frustrados e traumatizados pelas imagens de morte despejadas sobre os civis de Gaza. Mesmo aqueles que não apoiam o Hamas podem ser atraídos pela noção de resistência.

Vale a pena lembrar que a Faixa de Gaza foi o berço do movimento nacional palestino e suas facções armadas – desde a Fatah nos anos 1950 até a Jihad Islâmica Palestina e o Hamas nos anos 1980. Todos nasceram da experiência dolorosa de 75 anos de Gaza com a força bruta israelense, desde o abate de refugiados que tentavam retornar a suas casas e campos no “envelope de Gaza” após 1948, passando pelos massacres de manifestantes desarmados durante a primeira ocupação israelense de 1956, a brutal campanha de “pacificação” de Ariel Sharon em 1970-71, a era da ocupação dos colonos até 2005, as dúzias de operações israelenses contra Gaza antes da retirada de 2005, até o cerco e os repetidos assaltos sangrentos desde então. Aqueles que pensam que o banho de sangue em andamento reverterá essa história devem repensar esta perspectiva.

Mas, em vez de aprender com a história, a tendência parece estar indo em uma direção totalmente diferente. Ao lutar para definir um claro desfecho político, o presidente Joe Biden, entre outros, pediu um “horizonte” para uma solução de dois estados como seu ponto central. Operacionalmente, isso pode envolver a formação de uma força de paz árabe-palestina-internacional para assumir o lugar das forças israelenses após a derrota do Hamas, unificando a Cisjordânia e a Faixa de Gaza sob o controle da Autoridade Palestina, revivendo as negociações israelo-palestinas sobre um acordo de status final e promovendo a segurança regional e a estabilidade buscando a normalização com Riad, junto com uma enorme quantidade de dinheiro saudita ou do Golfo para a reconstrução da Faixa de Gaza.

É difícil separar as vertentes de ilusão em um cenário como esse. Um futuro regime em Gaza baseado em um esforço policial permanente ou semi-permanente contra o Hamas ou outros elementos resistentes será percebido pelos palestinos como uma nova e hostil ocupação, agindo a serviço de Israel. Pouquíssimas forças árabes ou internacionais provavelmente serão tentadas por essa perspectiva. Se Riad pode buscar a normalização e se comprometer com a reconstrução de Gaza sem um claro senso de como a estabilidade e a liberdade da ocupação israelense serão garantidas é outra questão.

E é muito difícil ver Israel renunciando ao seu papel de segurança em Gaza para qualquer parte externa, colocando-se imediatamente em forte contenda com qualquer alternativa governamental local ao Hamas, seja palestina ou de outra forma. Por sua vez, a Autoridade Palestina precisará de mais do que palavras doces sobre um horizonte político para justificar qualquer retorno a Gaza sob controle militar israelense direto, ou com uma força de paz empenhada na des-hamização.

No entanto, talvez o maior obstáculo a qualquer solução de dois Estados revivida venha do próprio Israel. Qualquer movimento sério em direção a uma solução de dois estados necessariamente exigirá uma mudança significativa na realidade de um estado predominante em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia.

O terremoto de 7 de outubro provavelmente levará o público israelense ainda mais à direita. Os 750.000 colonos espalhados por Jerusalém Oriental e pela Cisjordânia – agora buscando armas para criar “zonas estéreis” ao redor de cidades e vilas palestinas em busca de afirmar a soberania israelense e negar quaisquer direitos nacionais palestinos – formarão uma barreira política e psicológica ainda mais intransponível para alterar o status quo a favor dos palestinos. A posição palestina após a guerra pode tornar mais difícil para qualquer autoridade ou líder adotar uma posição mais conciliatória em relação a um acordo político, ou qualquer presença israelense em Gaza.

Com seu abraço incondicional e armamento persistente do ataque de Israel, a administração de Joe Biden pode achar difícil pregar a pacificação. Mas, acima de tudo, é o enorme peso necessário para traçar linhas de separação sustentáveis que atendam tanto às demandas de segurança israelenses quanto aos requisitos palestinos para uma “soberania” mínima. E aqueles – principalmente os EUA – que terão que implantar esforços políticos e diplomáticos sem precedentes para desfazer a realidade de um estado em um clima local e regional carregado sem precedentes terão que enfrentar as consequências de um fracasso ou, talvez pior, acabar possuindo o que estão tentando consertar.

Um ano eleitoral nos EUA com um titular visceralmente pró-Israel em aparente desvantagem eleitoral crescente não parece oferecer as condições mais propícias para que tal esforço tenha sucesso.

A guerra em Gaza ameaça mais do que a estabilidade regional, com o aumento das manifestações de antissemitismo e as imagens horríveis de mortes civis gerando profundas fraturas políticas e pessoais em todo o mundo. Mas todos aqueles que pensam que este poderia ser o momento de finalmente resolver o conflito de 100 anos sobre a Palestina devem lembrar que não é suficiente traçar uma linha pelas estradas sinuosas e wadis da Cisjordânia.

A esperança nos diz que sempre há um caminho a seguir, mas a história nos diz que isso pode ser uma cruel ilusão.

*Ahmad Samih Khalidi é professor no St. Antony’s College, Oxford, e co-editor do Journal of Palestine Studies. Autor, entre outros livros, de A Palestinian National Security Framework (Chatham House).

Tradução: Lucius Provase.

Publicado originalmente no jornal The Guardian.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Luciano Nascimento Roberto Noritomi Claudio Katz João Paulo Ayub Fonseca Remy José Fontana Lucas Fiaschetti Estevez Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Carla Teixeira André Singer Jorge Branco Alysson Leandro Mascaro Valério Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Carlos Tautz Ricardo Abramovay Caio Bugiato Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento Michael Löwy Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Tarso Genro Marcos Silva Atilio A. Boron José Machado Moita Neto José Dirceu Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Roberto Bueno Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Milton Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Anselm Jappe Manchetômetro Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Ronald Rocha Gilberto Lopes Renato Dagnino Paulo Capel Narvai Francisco Fernandes Ladeira Mário Maestri Osvaldo Coggiola Annateresa Fabris Manuel Domingos Neto Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Boaventura de Sousa Santos Eleonora Albano André Márcio Neves Soares Bernardo Ricupero Anderson Alves Esteves Ricardo Musse Sandra Bitencourt Eliziário Andrade Paulo Martins Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Fábio Konder Comparato Luiz Marques Marcelo Guimarães Lima Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Salem Nasser Chico Alencar Dennis Oliveira Heraldo Campos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Módolo Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl João Carlos Salles Ronald León Núñez Luiz Costa Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Celso Frederico Gabriel Cohn Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro Mariarosaria Fabris Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Gerson Almeida Antonio Martins Liszt Vieira Ricardo Fabbrini Érico Andrade Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Celso Favaretto Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio Aguiar Henry Burnett Henri Acselrad Tadeu Valadares Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Rodrigo de Faria Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento José Luís Fiori Andrew Korybko Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Ladislau Dowbor Samuel Kilsztajn Lincoln Secco José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Chico Whitaker Elias Jabbour Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Yuri Martins-Fontes Bruno Machado José Geraldo Couto José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Leonardo Boff João Feres Júnior Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada