Terceira via – as lições de Bobbio para o Brasil

Imagem: Evie Shaffer
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE FELIX*

Na ausência de outra candidatura viável eleitoralmente, tudo aponta para uma eleição a ser decidida entre Lula e Bolsonaro

Desde a eleição presidencial de 1994, o tema da chamada “terceira via” estava ausente do debate político eleitoral no país. Naquele ano, o mainstream da economia e da política procurava por uma alternativa entre Paulo Maluf, então prefeito de São Paulo (à época no PPB, antigo PDS) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em outubro de 1993, sentado em um dos sofás de seu apartamento em Brasília, o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, ao lado do amigo Sérgio Motta, e do então presidente do PSDB Tasso Jereissati, ouvia Antônio Carlos Lavareda, então “guru” do partido quando o assunto era pesquisas de intenção de votos. Avaliavam o sonho de o sociólogo, aparentemente sem nenhuma sustentação na conjuntura, candidatar-se a presidente.

Os números enterraram o sonho de Tasso, com apenas 2% nas pesquisas, sendo que 60% do eleitorado jamais havia ouvido falar o nome dele. Esse quadro, no entanto, impedia qualquer comemoração do sociólogo dentro da acirrada disputa interna no PSDB. FHC estava em situação tecnicamente empatada com Tasso. Quanto mais Lavareda falava e explicava seu monte de números, FHC arregalava os olhos, disfarçadamente, para Serjão que o conhecia bem a ponto de entendê-lo pelo olhar: “Vamos pular fora dessa o mais rápido possível”. Não decidiram de pronto.

A opção para a chamada “terceira via” passou a ser o então ministro da Previdência Social, Antônio Britto. Era o que estava em melhor situação nas planilhas de Lavareda: 15%. O motivo era sua imagem simpática com o eleitorado idoso ou aposentado. Britto havia reduzido as filas do INSS. Jornalista e ex-repórter da Rede Globo, era popular. Seu recall em parte do eleitorado ainda era o do porta-voz de Tancredo Neves, que esteve ao lado da nação naqueles 38 dias de martírio em 1985. Mas os números sinalizavam que a construção da “terceira via” passava pela questão da Seguridade Social, de uma gestão e de uma discussão sobre esse “seguro coletivo”, ou seja, da coesão social. Em outras palavras, pela capacidade de dar respostas às tormentas do dia a dia da população.

A menos de um mês para o prazo de definição do candidato, noutra reunião, na casa do então deputado tucano Sérgio Machado (CE), FHC chegou a dizer: “Tem dois candidatos, eu e o Britto. Topo o ministério se o Britto aceitar ser candidato”. Naquele momento, a aprovação do Fundo Social de Emergência (FSE, anos mais tarde FEF, Fundo de Estabilização Fiscal, e depois Desvinculação das Receitas da União, DRU), base orçamentária para a execução do Plano Real, tinha chances mínimas de obter dois terços das duas casas legislativas. O programa econômico com a cara da candidatura presidencial tinha a oposição de todos os pré-candidatos.

FHC disse que permaneceria no governo para aprovar o Real e Britto, surpreendendo a todos, preferiu fugir da briga com o correligionário Orestes Quércia, e disputar o governo do Rio Grande do Sul. Em poucos meses, FHC estava devidamente incorporado nesse papel com o Plano Real, o FSE foi aprovado, retirando recursos da Seguridade Social, no entanto, abrindo caminho para a estabilidade monetária. A história, todo mundo conhece, fez do próprio FHC o eleito, livrando o PSDB do apoio a Lula ou à ala antiquercista do PMDB, as alternativas possíveis. FHC acabou sendo a “terceira via” – coisa que nunca mais se ouvira falar até esse ano.

A lembrança de 1994 é necessária para a discussão de tema tão presente na literatura das ciências sociais e, nesse momento, tão levianamente citada por políticos e pela imprensa como se a construção de uma “terceira via” fizesse parte do cardápio ou da vontade de um grupo de filiados a essa ou àquela legenda. Nenhum outro tema em ciência política é mais complexo do que a tal da “terceira via”, pois ela – e é isso que geralmente se ignora – é a própria construção da paz. Sua emergência requer a postura do magistrado mais ilibado e a capacidade de se desenhar perspectivas concretas em favor do bem-estar coletivo. É uma tarefa das mais complexas e, no debate atual, está fulanizada ou vulgarizada, daí suas chances mínimas de ser bem-sucedida.

É preciso retornar a Norberto Bobbio (1909-2004) para compreender suas nuances. Bobbio tratou diretamente do tema em duas conferências. A primeira sob o título “O terceiro ausente”, em 30 de dezembro de 1983, e, a segunda, sob o título “O terceiro na política”, em 22 de agosto de 1986[i]. As duas diziam respeito mais à Guerra Fria e ao risco de um conflito atômico entre União Soviética e Estados Unidos. O filósofo italiano começa com o diagnóstico do momento: “A humanidade encontra-se pela primeira vez na sua história em uma situação-limite, além da qual poderia ocorrer uma catástrofe sem precedentes. (…) Todos estão convencidos de que é preciso urgentemente fazer alguma coisa. Mas ninguém sabe exatamente o quê”. E resume a situação da época com uma frase que hoje cabe àqueles interessados na “terceira via” brasileira: “Quem os detém, quem os deterá?”. Bobbio constata que uma vez que a paz só é estabelecida com a vitória de um dos lados ou a intervenção de um “terceiro”, enquanto esse estivesse ausente, o quadro da geopolítica permaneceria o mesmo. Bobbio, mais tarde, identificaria vários terceiros que puseram fim à guerra fria.

No segundo texto, Bobbio é mais explícito e talvez essa sua lição sirva mais aos contendores de Jair Bolsonaro e de Lula. O que faz o “terceiro” de fato ser identificado como “terceiro”, ensina ele com base na “sociologia do conflito” de George Simmel (1858-1918), é uma postura equidistante, acima e legítima em relação aos dois polos.

Talvez essa seja a maior deficiência daqueles que postulam esse papel na eleição do ano que vem. Por enquanto, de acordo com Bobbio, estamos no estágio de “terceiro ausente” e esse cenário alimenta o “estado polêmico”. Os postulantes a terceiro certamente seriam identificados por Bobbio como “casos graves de crise de legitimidade” ou, como ele denomina, “terceiro aparente” – aquele que na postura ou nas propostas “se enfileira ao lado de um ou outro dos concorrentes”.

No primeiro debate entre os pré-candidatos do PSDB à presidência, os dois principais contendores fizeram mea-culpa por apoiarem e votarem em Bolsonaro em 2018. Outro pretendente é apontado como parcial pelo Supremo Tribunal Federal. E outro carece de equidistância histórica do polo oposto. Esse histórico – e Bobbio destaca que o passado importa na cristalização do terceiro – distancia a pretensão do “neutro” da imagem do que ele realmente é: “terceiro passivo e frágil”.

O primeiro passo para a construção do terceiro, ensina Bobbio, é assumir a condição de “mediador”, aquele que se coloca “entre” e aqui justifica-se ter contado a história de 1994. FHC dialogou com o PT e com o PMDB e, até mesmo, com a direita a ponto de coligar-se com o PFL. Bobbio afirma que, mesmo falida a missão de quebrar a lógica diádica, o candidato a terceiro precisa antes demonstrar o esforço de equilibrar os dois lados.

A “terceira via” nesse período pré-eleitoral, sempre seguindo Bobbio, remete ao que o filósofo classifica de tertius gaudens – aquele que totalmente diferente do neutro aparenta [ao eleitorado] “querer tirar vantagem do conflito” entre os dois polos, ou o tertius dolens – aquele que sofreu alguma desvantagem com o estabelecimento do conflito e, agora, se arrepende ou quer “se fazer de vítima por incapacidade ou por vilania”.

Bobbio remete sua análise aos clássicos da filosofia política e do direito internacional que oferecem um generoso punhado de exemplos de construção do terceiro na política, sua complexidade e, em geral, sua ausência. E conclui com seu colega Pier Paolo Portinaro, autor do livro Il Terzo, una figura del politico?: “Falta o único terceiro que poderia fazer com que a sociedade internacional saísse definitivamente do estado polêmico, o Terceiro acima das partes”. E o que seria isso hoje no Brasil? O que falta?

Lembremos agora a lição de Michelangelo Bovero, sucessor de Bobbio no cargo de chefe da cátedra de filosofia política da Universidade de Turim, em conversa que tivemos, em 2014, na casa do ex-ministro Celso Lafer, em São Paulo. Bovero alertava para a epidemia de “caras vazias” da política.[ii] Ou a ausência de projetos consistentes – e, mais uma vez, retornemos a 1994 – que dissessem respeito às necessidades do cotidiano da população – em particular à seguridade social.

Segundo Bovero, um dos motivos de ser difícil diferenciar candidatos é “a usurpação do meio político pela esfera econômico-financeira” que teria, em sua análise, homogeneizado as propostas e provocado a crise no sistema presidencialista e nas democracias. Essa realidade alimenta o “liderismo” ou o populismo dos “caras vazias”.

Após a queda do muro de Berlim e de duas décadas de thatcherismo, o sociólogo inglês Anthony Giddens emergiu como o grande formulador de uma “terceira via”.[iii] Seus valores, de acordo com Giddens, seriam: igualdade, proteção aos vulneráveis, liberdade como autonomia, não há direitos sem responsabilidades, não há autoridade sem democracia, pluralismo cosmopolita e conservadorismo filosófico. No entanto, a formulação de Giddens, personificada em Tony Blair, fracassou por seu caráter “passivo”, “gaudens” e “dolens”, sobretudo depois de descoberto um plano de privatização do metrô – a la Thatcher – dentro de uma pasta esquecida por Blair num estúdio de televisão. E também porque Giddens defendia uma seguridade social potencialmente produtora de Daniel Blakes, o personagem do filme de Ken Loach, em larga escala. Essa fragilidade fez o próprio Giddens abandonar essa, digamos, linha de pesquisa.

Recentemente, o exemplo mais bem-sucedido de “terceira via” foi o francês Emmanuel Macron, autor da proeza de destruir dois partidos tradicionais e vencer a extrema-direita. Seu projeto foi construído, sobretudo, defendendo um novo modelo de seguridade social diante do envelhecimento da população e da crise migratória, o que ele chamou de “reconstrução da Europa”. Deu certo até as manifestações dos “coletes amarelos” que o obrigaram a rever todos os seus planos ao desnudar sua tática “gaudens”. Daqui a alguns meses, um Macron bem diferente enfrenta as urnas para disputar mais um quinquennat provando outra lição de Bobbio: “Nenhum movimento político pode ser simultaneamente de direita e de esquerda”. A pandemia, ao que parece, fez Macron inclinar para uma maior participação do Estado na economia e maior proteção social.

Esse parece ser o ponto principal nesse momento no Brasil. É também a falha na construção periclitante da terceira via nas eleições presidenciais desse ano. Os postulantes estão ausentes ou insipientes no debate sobre a seguridade social. Enquanto isso, os dois polos reafirmam suas convicções e históricos ou, mesmo de forma inverossímil ou insustentável economicamente, ensaiam arremedos de redesenhar a proteção social diante do desemprego alto e da desigualdade crescente entre ricos e pobres – e extremos pobres! A razão da política, como ensinou Bobbio, é a igualdade e a dignidade dos homens e para trilhar essa via é preciso, antes de tudo, reconhecer e valorizar os direitos do homem.

*Jorge Felix é jornalista e professor de economia Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP).

Versão ampliada de artigo publicado originalmente no Jornal da USP.

 

Notas


[i] Bobbio, N. (2009) O terceiro ausente: ensaios e discursos sobre a paz e a guerra, trad. Daniela Beccaccia Versiani, São Paulo, Ed. Manole.

[ii] FELIX, J. (2014). Caras vazias em ação, entrevista com Michelangelo Bovero, Caderno EU & Fim de Semana, jornal Valor Econômico, disponível em https://valor.globo.com/eu-e/coluna/caras-vazias-em-acao.ghtml

[iii] GIDDENS, A. (1998) A terceira via, Rio de Janeiro, Ed. Record.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Fabbrini Vladimir Safatle Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Dennis Oliveira Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Milton Pinheiro Bruno Machado Ladislau Dowbor Flávio R. Kothe Bernardo Ricupero Tales Ab'Sáber Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Marcos Silva Paulo Nogueira Batista Jr Michel Goulart da Silva Chico Alencar Afrânio Catani José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Musse Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Valerio Arcary Marilena Chauí Sandra Bitencourt Liszt Vieira Paulo Martins Luis Felipe Miguel Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Samuel Kilsztajn Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado Andrés del Río Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Igor Felippe Santos André Singer Lorenzo Vitral João Lanari Bo Atilio A. Boron Leonardo Sacramento Celso Favaretto Flávio Aguiar Otaviano Helene Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes Gerson Almeida Leonardo Avritzer Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Ricardo Abramovay Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Henri Acselrad João Carlos Loebens Marjorie C. Marona Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Caio Bugiato Ronald Rocha Marcelo Guimarães Lima Gabriel Cohn João Carlos Salles Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Lincoln Secco Rodrigo de Faria Eliziário Andrade José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira Jorge Branco Marcelo Módolo Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Eugênio Trivinho Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Elias Jabbour Luciano Nascimento Henry Burnett Fábio Konder Comparato Matheus Silveira de Souza Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias Carla Teixeira Luiz Marques Maria Rita Kehl Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Michael Löwy Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior José Dirceu Rubens Pinto Lyra Remy José Fontana Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Sérgio Pinheiro Armando Boito Airton Paschoa Manuel Domingos Neto Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Celso Frederico José Machado Moita Neto José Costa Júnior Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro Carlos Tautz Valerio Arcary Salem Nasser Gilberto Maringoni João Feres Júnior Michael Roberts José Luís Fiori Daniel Costa Andrew Korybko Antonio Martins Bento Prado Jr. Leonardo Boff João Adolfo Hansen Claudio Katz Osvaldo Coggiola Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Vanderlei Tenório Ricardo Antunes Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES