Usufruto dos demônios

Imagem: Banski
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro de Whisner Fraga

Desde o advento da literatura beat, de forma mais programática, e até em alguns precursores isolados, a escrita entrelaçada de prosa e poesia aparentando delírios verbais, mas calcada na observação da realidade, delineou uma nova estética literária.

Os epígonos do gênero pecam, de maneira geral, por sucumbirem a uma exploração de sonoridades e significados aparentemente inovadores, com ressonâncias muito mais pessoais que sociais. Exploram, tateiam, amalgamam a linguagem, porém muitas vezes se parecem com bêbados falando com o próprio umbigo. Utilizam imagens espetaculosas, eventualmente até belas, mas de significado obscuro, que não dialogam com o conjunto da escrita ou com o seu tempo-espaço. Pouca pepita para muito cascalho.

Alguns cacoetes são tão recorrentes que chegam a cansar. O uso de & em vez de e, a escrita sem pontuação ou lógica aparente. Raros são os escritores que se apropriam da riqueza que uma escrita libertária permite sem perder de vista o mundo de fato, a dimensão do social, e, principalmente, o leitor. Whisner Fraga é um desses.

Usufruto de demônios é uma coletânea de textos curtos e cortantes do romancista e contista mineiro. Cultor de imagens contundentes e adjetivos inusitados, Fraga faz a gentileza de permitir ao leitor, o tempo todo, estabelecer conexões com a vida real. Escrito sob o impacto da pandemia, mas expandindo sua visão a outros episódios, o livro pode ser lido como uma série de reflexões amadurecidas durante o trágico período.

Mas não se trata apenas disso. Os pequenos textos (poucos ultrapassam uma página) vão lentamente tecendo uma trama de significados e personagens que se delineiam no aparente caos. A interlocutora helena (Whisner Fraga não utiliza letras maiúsculas em sua escrita) surge no início, e retorna em vários momentos. Pode-se até supor que o autor dialoga com um ideal helenístico de civilização enquanto relata as agruras da peste, mas esse simbolismo se esvai nos textos seguintes, quando começa a relatar a relação com a criança, a filha. Whisner Fraga está falando de gente, de pessoas palpáveis.

O autor descreve, de forma muito original, o desmoronamento das instituições, das relações, dos alicerces de um mundo em desequilíbrio. A segurança fictícia, o emprego esgarçado, a frieza das estatísticas, a desumanidade da medicina comercial, a ruína de um Brasil flertando com o fascismo, a inoperância dos movimentos coletivos perante a perversidade do sistema.

Tudo isso emerge através uma escrita extremamente trabalhada, que amplia o universo de significados através de fragmentos onde brilham momentos de intensa carga imagética e dramática.

“Um boi uiva a trégua

É o sexto da fila e ainda mais três horas para o caminhão estacionar: o motorista abrirá o baú, como a mãe, na infância, descerrava as franjas da janela, quando uma recendência azul se movia pelas narinas dos irmãos, desviados como ele, talvez andarilhos como ele, os que restaram, estaria algum ali, naquela vastidão de farrapos sinuosamente enfileirada atrás de si? , não pode averiguar, não vale o risco de perder o lugar, dali a pouco o rugido do diesel estacará a poucos metros, e pode sonhar a janta, o almoço, o homem desliga o motor, desce, vasculha a carga; não será suficiente para todos, mas é preciso começar: um osso pra cada um.”

Whisner Fraga, autor de diversas obras, é também um dedicado divulgador da literatura brasileira contemporânea, mantendo um canal no Youtube (Acontece nos Livros), onde comenta autores novos e também clássicos. Ou seja, um escritor que lê muito, gesto mais civilizado que escrever, como afirmava Jorge Luis Borges. Só isso já o diferencia da multidão de individualistas que escreve para si ou, no máximo, para seu pequeno grupo. E o seu provocativo talento se revela essencial num “tempo de homens partidos” como o Brasil de 2022, território devastado que se tornou usufruto de demônios, e que precisamos recuperar.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Whisner Fraga. Usufruto dos demônios. Campinas, Ofícios Terrestres, 2022.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Löwy Marcus Ianoni Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Fernandes Ladeira Luiz Eduardo Soares José Raimundo Trindade Jorge Branco Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior João Feres Júnior Marilena Chauí Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Ricardo Musse Andrew Korybko Marcos Silva Osvaldo Coggiola Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Heraldo Campos Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Érico Andrade Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque André Márcio Neves Soares João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Renato Dagnino Salem Nasser João Sette Whitaker Ferreira Remy José Fontana Anselm Jappe Alysson Leandro Mascaro Michel Goulart da Silva Ari Marcelo Solon José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento José Costa Júnior Ladislau Dowbor João Carlos Loebens José Luís Fiori Luiz Renato Martins Chico Alencar Henri Acselrad Sandra Bitencourt Carla Teixeira Eliziário Andrade Elias Jabbour Lincoln Secco José Dirceu Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Marcelo Guimarães Lima Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Gerson Almeida Antonino Infranca Vladimir Safatle Thomas Piketty Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Francisco de Oliveira Barros Júnior Benicio Viero Schmidt Atilio A. Boron Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai Celso Favaretto Eleutério F. S. Prado Ricardo Abramovay Armando Boito Daniel Costa André Singer Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Luiz Roberto Alves Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Carlos Tautz Slavoj Žižek Antonio Martins Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão Flávio Aguiar Claudio Katz Gabriel Cohn Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani José Geraldo Couto Bento Prado Jr. Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Eugênio Trivinho Rafael R. Ioris Paulo Fernandes Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Lopes Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Berenice Bento Annateresa Fabris Leonardo Boff Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Caio Bugiato Ronald Rocha João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Vinício Carrilho Martinez José Machado Moita Neto Manchetômetro Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Jean Marc Von Der Weid Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Afrânio Catani Bernardo Ricupero Matheus Silveira de Souza Milton Pinheiro Eleonora Albano Michael Roberts Anderson Alves Esteves Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada