Yupuri – um intelectual orgânico do alto rio Negro

Imagem: Sergio Souza
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SAMUEL KILSZTAJN*

Yupuri está empenhado em preservar a cultura e a autoestima dos povos indígenas e lutar por seus direitos e sobrevivência

Em 1951, a Unesco financiou um projeto sobre relações raciais no Brasil, com o propósito de utilizar a “democracia racial brasileira” como material de propaganda para a superação do racismo a nível internacional. O sociólogo brasileiro Luiz Aguiar da Costa Pinto, que participou do Projeto Unesco, em resposta a uma crítica a seu trabalho por parte de intelectuais negros, declarou no periódico carioca O Jornal de 10 de julho de 1954 que micróbios não deveriam escrever sandices a respeito de um estudo no qual participaram apenas como material de laboratório.

Na introdução da dissertação Wai-Mahsã: peixes e humanos, um ensaio de Antropologia Indígena, João Paulo Lima Barreto conta que, antes de ingressar no mestrado em Antropologia Social, perguntou a seu futuro orientador se poderia “estudar os brancos”.

Em 2022, a Capes escolheu Kumuã na kahtiroti-ukuse: uma “teoria” sobre o corpo e o conhecimento prático dos especialistas indígenas do Alto Rio Negro a melhor tese de doutorado do país em Antropologia e Arqueologia de 2021. Defendida na Universidade Federal do Amazonas – UFAM, sua tese foi publicada pela Editora Mil Folhas com o título O mundo em mim, uma teoria indígena e os cuidados sobre o corpo no Alto Rio Negro.

Yupuri-ʉremiri-sararo-buberaporã, indígena Yepamahsã (Tukano), nascido e criado na Corredeira do Rouxinol, filósofo com mestrado e doutorado em Antropologia Social, é professor e pesquisador da UFAM. Yupuri, que consegue traduzir o mundo indígena para o mundo branco e vice-versa, sobreviveu aos brancos arrogantes sem perder a sua integridade. E foi a partir de sua força de caráter que pôde defender e afirmar a cultura indígena em meio à cultura ocidental dominante.

Em entrevista, declarou que a diferença fundamental entre os indígenas e os brancos é que os indígenas são o povo da oralidade, o povo da palavra; e os brancos são o povo da escrita. Para os indígenas a palavra é sagrada; para os brancos o papel é que fala. Para os indígenas a palavra é concreta e tem o poder de construir, destruir, transformar, organizar, desorganizar, curar ou matar. Eu diria que os indígenas são autênticos, íntegros, e que a verdade do branco é o seu dom de iludir. O branco, além de conversador e dissimulado, é traiçoeiro. Está sempre buscando algo, está sempre inquieto e não conhece o repouso. Começa querendo aniquilar os animais, as plantas, os rios, a terra, os outros povos, seus vizinhos, seus parentes, para acabar brigando com a própria sombra.

Na introdução da tese, o antropólogo apresenta sua trajetória, da comunidade indígena à universidade, porque sua produção acadêmica se confunde com a sua história de vida. Passou a infância imerso na cultura de seu povo, orientado principalmente pelo seu avô paterno, que era um renomado especialista em Medicina Indígena. Aos sete anos começou a frequentar a escolinha, a catequese e os cultos da igreja católica. Aos onze anos foi transferido para o colégio salesiano, em regime de internato, onde era proibido de falar sua língua materna. “O padre ameaçava colocar uma placa com a frase ‘sou burro’ em nosso pescoço se descobrisse que alguém estava se comunicando em sua língua materna.”

João Paulo Lima Barreto saiu de sua comunidade pela primeira vez aos 16 anos de idade, para cursar o ensino médio em Manaus, onde enfrentou dificuldades linguísticas e discriminação, só escapando do desespero e da loucura devido às orientações e às ervas que seu pai, especialista em Medicina Indígena, lhe repassara antes da viagem. Depois de concluir o ensino médio, por três anos, atuou como professor do internato em sua comunidade.

Mais tarde, foi para o Seminário Salesiano e cursou Filosofia Seminarística. Em 2000, desistiu da carreira de sacerdócio e voltou a estudar Filosofia na UFAM e Direito na Universidade do Estado do Amazonas. Neste percurso, reconheceu na filosofia grega os ensinamentos de seu avô, mas era reprimido quando tentava traçar algum paralelo entre as culturas grega e indígena, “os professores logo diziam que isso era mito”, não era filosofia. No curso de Direito perguntou ao professor por que os Direitos Indígenas estavam dentro do ordenamento jurídico do Direito Ambiental.

Pouco antes de se graduar em Filosofia na UFAM, a filha de doze anos do irmão de João Paulo foi picada por uma cobra venenosa e acabou sendo encaminhada para um hospital em Manaus, onde os médicos decidiram amputar o seu pé. A assistente social e a equipe médica pressionaram seu irmão a autorizar a amputação do pé da menina, dizendo que, caso contrário, ela morreria dentro de três dias. O pai e os tios de Yupuri, que eram todos especialistas em Medicina Indígena, garantiram que não era necessário amputar o pé da menina e que poderiam tratá-la de acordo com a Medicina Indígena.

Em reunião, o chefe da equipe médica do hospital, raivoso, arrogante e visivelmente irritado, disse a seu pai, esmurrando a mesa, “eu estudei oito anos para ter autoridade para decidir o que é melhor para um paciente, enquanto o senhor, com muito respeito, não frequentou um dia sequer a medicina”; e se retirou da sala levando consigo toda a equipe médica. O Ministério Público Federal e a mídia foram mobilizados e a menina conseguiu ser retirada do hospital. Tratada pelos especialistas em Medicina Indígena, a menina reagiu, o pé desinchou e ela teve alta.

Depois de se graduar em Filosofia, Yupuri trancou a matrícula em Direito, ingressou na pós-graduação em Antropologia Social e passou a integrar o Núcleo de Estudos da Amazônia Indígena – NEAI, da UFAM, que conta com a participação de estudantes e pesquisadores indígenas. O NEAI dedica-se à produção de conhecimentos para a melhor compreensão dos conceitos nativos e da complexa realidade cultural da Amazônia. Em 2017, fundou o Centro de Medicina Indígena Bahserikowi, com sede em Manaus. A Medicina Indígena considera que o ser humano é constituído pelos elementos animal, vegetal (floresta), água, terra (mineral), ar e luz; o corpo humano é a síntese de todos esses elementos – o mundo em mim. É neste sentido que cuidar da natureza é cuidar do corpo humano.

A tese de doutorado foi desenvolvida em meio à sua atuação junto aos companheiros do NEAI e a partir da convivência e do acompanhamento diário da prática dos especialistas em Medicina Indígena que atuavam no Centro Bahserikowi, que lhe remetiam ao aprendizado de sua infância com o avô. Os especialistas em Medicina Indígena costumavam dizer que a cabeça de João Paulo “estava mais voltada para aprender coisas dos ‘brancos’”; ele não se formou para ser um especialista em Medicina Indígena, formou-se para ser antropólogo, um intelectual orgânico ou, nas palavras de Yupuri Lima Barreto, um antropólogo nativo. Na construção de uma Antropologia Indígena, busca “um diálogo mais simétrico entre os modelos de conhecimentos ocidental-científico, construídos pela via escrita, e os conhecimentos indígenas, baseados na oralidade.”

Ao lado de Ailton Krenak, Davi Kopenawa, Jaider Esbell, Raoni Metuktire e Sonia Guajajara, Yupuri está empenhado em preservar a cultura e a autoestima dos povos indígenas e lutar por seus direitos e sobrevivência.

*Samuel Kilsztajn é Samuel Kilsztajn é professor titular da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de Shulem, Returnees e Yiddish (https://amzn.to/3ZkegH7).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luís Fernando Vitagliano João Feres Júnior Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Marilena Chauí Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Pierre Chauvin Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor Leonardo Boff Gilberto Lopes Jean Marc Von Der Weid João Carlos Loebens Atilio A. Boron Juarez Guimarães Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto Heraldo Campos José Geraldo Couto Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato Berenice Bento Antonio Martins Eugênio Bucci Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. João Paulo Ayub Fonseca Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Marcus Ianoni Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Marjorie C. Marona José Costa Júnior Mário Maestri João Adolfo Hansen Bernardo Ricupero Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino Sandra Bitencourt Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Leonardo Sacramento Paulo Martins Flávio Aguiar Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Ricardo Abramovay João Carlos Salles Luis Felipe Miguel Anselm Jappe Antonino Infranca Francisco Fernandes Ladeira Chico Whitaker Liszt Vieira Rodrigo de Faria Elias Jabbour Henry Burnett Daniel Costa Celso Frederico Andrew Korybko Lorenzo Vitral Slavoj Žižek Andrés del Río Marcos Silva Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Claudio Katz José Luís Fiori Lincoln Secco José Dirceu Michael Roberts Carla Teixeira Remy José Fontana André Singer Annateresa Fabris Thomas Piketty Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Trivinho João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Rafael R. Ioris Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Lucas Fiaschetti Estevez Gerson Almeida Otaviano Helene Leonardo Avritzer Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Jorge Branco Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Paulo Fernandes Silveira Armando Boito Eleutério F. S. Prado Matheus Silveira de Souza Celso Favaretto Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Tadeu Valadares Ronald Rocha Airton Paschoa Afrânio Catani Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Henri Acselrad João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Eduardo Soares Marcelo Módolo Leda Maria Paulani Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Salem Nasser Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Manchetômetro Ricardo Fabbrini Marcos Aurélio da Silva André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz Tarso Genro Igor Felippe Santos Érico Andrade Caio Bugiato José Micaelson Lacerda Morais Michel Goulart da Silva Bruno Machado

NOVAS PUBLICAÇÕES