A democracia amputada

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DENNIS DE OLIVEIRA*

As eleições no Brasil foram a expressão da territorialização da luta de classes

Em 2019, apresentei um conceito – ainda em desenvolvimento – que trata das lideranças de formas inovadoras de organização popular. Chamei estas lideranças de “intelectuais periféricos” aproveitando do conceito proposto brilhantemente por Tiaraju Andrea de “sujeito periférico” e também retomando a discussão do professor Milton Santos do papel do capital na organização territorial dos espaços urbanos. Para Milton Santos, o capital se realiza e se reproduz organizando os seus fluxos e, para tanto, impõe determinada organização espacial.

Retomo estas reflexões como base para a análise das eleições realizadas no Brasil no dia 30 de outubro em que se contrapuseram dois projetos distintos, um de extrema-direita, de natureza fascista representado pelo presidente em exercício (Jair Bolsonaro); e outro que representou tanto uma frente em defesa da democracia como também de políticas de inclusão social realizadas durante o seu governo anterior (Lula).

A extrema direita guarda em si uma situação contraditória. Ao mesmo tempo que representa a constituição de um arranjo institucional até mais adequado a forma de reprodução do capital no neoliberalismo conforme tratei em artigo anterior; ele se choca com determinados setores sociais que se beneficiam pontualmente do capitalismo, mas que necessitam de uma ambiência social marcada pela democracia burguesa.

A democracia tem sido amputada aos poucos nos últimos tempos. Exemplos: a imposição de teto de gastos no texto constitucional aproveitando um momento conjuntural de maioria favorável a políticas econômicas contracionistas; autonomia do Banco Central transformando o campo da política macroeconômica em tema exclusivamente dos segmentos que incidem na autoridade monetária do país (o grande capital, principalmente o rentista), entre outros. Os representantes eleitos – do Executivo e Legislativo – ficam submetidos a regras impostas em determinado momento conjuntural, transformando uma política ideológica de governo em política de Estado.

O neofascismo no Brasil leva esta amputação da democracia para outro patamar, contaminando todos os aparatos institucionais – não só os diretamente ligados a gestão econômica – gerando uma forma de exercício autocrática subordinando o autoritarismo social a uma verticalização personalista – este é o desagrado de determinados setores hegemônicos em relação ao bolsonarismo.

Por isto, a principal base social de sustentação do bolsonarismo reside justamente nas territorialidades em que as relações de produção se expressam de forma mais autocrática. E isto não se limita aos territórios do agronegócio, mas também nos circuitos produtivos subalternizados formados por certas camadas de “empreendedores” que estabelecem relações de trabalho arcaicas e que resistem a qualquer normatização – este é o sentido de “liberdade” apregoado pelos bolsonaristas e pelo seu líder.

 

Intelectuais periféricos e potencialidade subversiva

Na proposição da ideia de intelectuais periféricos, apropriei-me do conceito de “intelectual dissidente” de Julia Kristeva que o define como produto de uma conjuntura de não correspondência direta entre o fenômeno observável e a sua expressão simbólica e também de uma potencialidade da subversão. O que se observa nas experiências dos intelectuais periféricos é um esforço de expressar uma voz silenciada pelos mecanismos de opressão (conforme afirma Paulo Freire, a chamada “cultura do silêncio”) que é a subversão potencial da brutal desigualdade (como fenômeno observável) não expressa simbolicamente pela narrativa institucional da democracia vigente.

Enquanto determinados setores que se beneficiam ou minimamente não são prejudicados pelas novas formas de reprodução do capital se opõem ao bolsonarismo por conta da subordinação do autoritarismo social (do qual são beneficiários) à verticalização personalista das hierarquias clamando a palavra de ordem de “defesa da democracia”, setores populares expressam sua potencialidade subversiva evidenciando uma desigualdade estrutural sempre escondida ou minimizada na narrativa institucional.

Isto explica, por exemplo, o mapa da votação de São Paulo em que a extrema periferia votou maciçamente em Lula, assim como – em menor grau – bairros de classe média e média-alta como Pinheiros e Butantã, na qual a presença de certa intelectualidade acadêmica se incomoda com esta captura do autoritarismo social pela verticalização personalizada. Entretanto, muitos outros bairros de classe média alta na cidade de São Paulo votaram no atual presidente, provavelmente mais preocupados com a manutenção dos seus privilégios econômicos, para os quais não tem nenhuma preocupação com uma subordinação a uma estrutura mais autoritária.

O sociólogo Alvaro Garcia Linera afirma que no contexto atual, em função de um crescimento do hiato entre reprodução do capital e o arranjo institucional da democracia liberal, a esquerda é levada a defender a democracia liberal. O fato de que no Brasil, a figura política que conseguiu reunir estas duas grandes vertentes para derrotar o neofascismo ter sido oriunda do campo progressista e que simbolicamente representa a periferia (trabalhador, retirante nordestino e que centrou o seu discurso no combate às desigualdades) é que a potencialidade subversiva que está se constituindo nas periferias é uma visão substantiva da democracia: uma democracia não limitada aos arranjos institucionais formais mas garantidora dos direitos para todos.

É a luta de classes territorializada nos tempos contemporâneos que foi expressa nesta eleição. Se a precarização e fragmentação do trabalho dificulta a percepção do pertencimento de classe na ambiência do trabalho, as consequências da exploração do capital são percebidas nas hierarquias territoriais. Como disse o professor Danilo Benedicto, especialista em gestão de políticas públicas, a conversa no chão de fábrica acontece agora na esquina da quebrada.

*Dennis de Oliveira é professor no curso de Jornalismo da Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros, livros de Racismo estrutural: uma perspectiva histórico-crítica (Dandara).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado Jorge Branco Michel Goulart da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rodrigo de Faria Berenice Bento Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior João Feres Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani Michael Roberts Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Bernardo Pericás Paulo Fernandes Silveira Gilberto Lopes Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Salem Nasser Luiz Roberto Alves Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Liszt Vieira Vinício Carrilho Martinez Marjorie C. Marona Luiz Marques Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Ronald León Núñez Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Annateresa Fabris Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Michael Löwy Tales Ab'Sáber Henry Burnett Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Luiz Werneck Vianna Daniel Brazil Luiz Renato Martins José Luís Fiori José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Bento Prado Jr. Andrés del Río Heraldo Campos Daniel Costa Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Antonio Martins Marcus Ianoni Ricardo Abramovay Slavoj Žižek Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Boff Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira José Dirceu Marcelo Módolo Vladimir Safatle Gerson Almeida Armando Boito Valerio Arcary Otaviano Helene Atilio A. Boron Celso Favaretto Flávio Aguiar Leonardo Avritzer Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Érico Andrade Mariarosaria Fabris André Singer Eugênio Bucci Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Paulo Sérgio Pinheiro Fábio Konder Comparato André Márcio Neves Soares José Raimundo Trindade Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Ronaldo Tadeu de Souza Afrânio Catani Henri Acselrad Francisco Pereira de Farias Alexandre Aragão de Albuquerque João Lanari Bo Tarso Genro Antônio Sales Rios Neto Rafael R. Ioris Manchetômetro Lincoln Secco João Carlos Salles Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Andrew Korybko Lorenzo Vitral Thomas Piketty Chico Whitaker Paulo Martins Eduardo Borges Antonino Infranca Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Marcos Silva Julian Rodrigues Matheus Silveira de Souza Eleonora Albano Renato Dagnino José Costa Júnior Dênis de Moraes Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Chico Alencar Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Eugênio Trivinho Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Elias Jabbour Valerio Arcary João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES