As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A era Flordelis-Witzel

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

O inferno que nos espreita

O “Inferno tão temido” é um conto de Onetti que me estimulou, para este texto, embora ele verse sobre sofrimento nas relações amorosas de um casal infeliz. As camadas, grupos e classes sociais, na formação do Estado democrático na era industrial moderna, vão educando as suas elites intelectuais, os seus dirigentes de referência, os seus “funcionários” da hegemonia e do sofrimento alheio – os seus técnicos do controle social e da produção – segundo as lutas travadas por interesses em choque. As balizas culturais e morais destas lutas são mais nítidas quando seus interesses de classe são mais transparentes e vinculados à ideia de progresso.

Quando o modo de vida, o sistema produtivo e as formas de dominação tornam-se envelhecidas – para dar amparo ao sentido capitalista do progresso – a esfera da política estável e serena da democracia burguesa clássica treme. Os seus alicerces fragilizam-se e a sociedade fica aberta aos aventureiros, aos criminosos e à bandidagem estruturada como organização política. Flordelis e Witzel certamente não são a mesma coisa mas são duas moedas de uma mesma face.

Jamais saberemos de forma detalhada quais os mecanismos políticos e até mesmo extralegais, que permitiram vir à tona as possíveis ilegalidades cometidas pelo Governador Witzel. Faço esta afirmativa porque a consistente decisão monocrática do Ministro Relator – preenchida com todos os requisitos técnicos exigíveis para o caso – incidiu sobre um Governador eleito, que decidiu fazer, sob seu comando, execuções sumárias de suspeitos, nas barbas de todas as instituições da República. E as fez – como se noticiou fartamente – sem qualquer resposta consistente do Ministério Público, o que faz do seu despacho de afastamento uma “ponderação” extrema, mas corajosa e adequada, à situação de desajuste estrutural que atravessa a nossa democracia.

Tenho a hipótese que o assassinato de suspeitos, portanto, “unifica” o campo político do bolsonarismo, do qual Witzel é fiador e originário. E que o poder exercido sobre o dinheiro – a partir do exercício de Governo – “desune” este mesmo campo. Assim, a necrofilia política “junta” as pessoas do bolsonarismo e o exercício do poder de Estado as “separa”, porque tende a premiar só os grupos mais restritos, vinculados àquela instância específica de poder.

Os diversos grupos do bolsonarismo firmaram, portanto, uma aliança-chave quando precisaram de certa estabilidade para governar, embora com propósitos distintos: uns queriam firmar o poder miliciano sobre territórios estratégicos, solução que já se alastra como um vírus da exceção fascista, nas prateleiras da direita radical; outros queriam a realização das reformas contra o estado Social – como a Globo – e transformar Guedes num Primeiro-Ministro “ad hoc” do Presidente da Câmara Federal.

Como estas duas tarefas estão em curso, mas também enfrentam determinados impasses – não por obra da oposição democrática desunida, mas em virtude da crise econômica e sanitária – as alternativas para enfrentar os impasses promovem, entre eles, duros confrontos: ameaçam o Papa das reformas, desenterram corrupções recíprocas, inundam as redes com ofensas e calúnias (antes reservadas só aos políticos de esquerda), ofendem jornalistas e órgãos de imprensa (muitos deles seus aliados de ontem), unificando-se, todavia, em questões fundamentais: as cotas de sacrifício para “recuperar” a economia devem ser distribuídas entre os “de baixo” e a Universidade, como centro de inteligência científica e política da nação, deve ser destroçada.

Os grupos marginais emergentes na política nacional, que controlam territórios criminalizados e aparelham mandatos parlamentares e instituições para desviar recursos públicos – para uso pessoal e familiar – dominam a cena política do bolsonarismo. Ele é negacionista e necrófilo, mas a disputa interna entre eles não é uma crise determinada por estes pressupostos ideológicos. É crise das formas de dominação pela força bruta exclusiva, que ele pretendia impor pela “arminha”.

Para ter a aceitação do velho “establishment” e das agências financeiras globais, que orientam a elite rentista, Bolsonaro hoje precisa apressar as reformas, pois assim como FHC é o elo do bolsonarismo, supostamente civilizado, com as reformas, Bolsonaro – já domesticado – deve ser o elo entre o rentismo e o fascismo. E assim eles se completam.

A corrupção da esfera política tradicional, que pulula no Estado brasileiro há séculos, hoje foi agravada pela legitimidade conquistada nas urnas de forma irregular. A conquista do Estado por grupos de intelectuais extremistas de direita, empresários “lumpens”, achacadores de ordem Feliciana (sem a experiência dos salões das negociações banqueiras), é orientada agora por partidos sem rumo, sem programa e pelas religiões do dinheiro, combinadas com seitas criminosas. Se estes grupos não forem atacados por investigações policiais e judiciais em profundidade poderão, um dia, tornar-se o próprio Estado. É o que pode nos esperar numa sociedade em que o crime comum se torne a elite do Estado em decadência e os seus cidadãos sejam governados por Damares, Flordelis e Weintraubs.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lorenzo Vitral João Lanari Bo Gilberto Maringoni Renato Dagnino João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero Francisco Fernandes Ladeira Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Milton Pinheiro Jean Pierre Chauvin Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Armando Boito Elias Jabbour Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Anderson Alves Esteves Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Berenice Bento Luiz Marques Luiz Roberto Alves Liszt Vieira Antonino Infranca Andrew Korybko Roberto Noritomi Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior Manchetômetro Daniel Costa Gerson Almeida Remy José Fontana Mário Maestri Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Celso Frederico Ricardo Antunes Michael Löwy Valério Arcary Claudio Katz José Costa Júnior Luiz Costa Lima Gilberto Lopes Mariarosaria Fabris Marcos Silva Lincoln Secco José Luís Fiori Eleonora Albano Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Annateresa Fabris Marcelo Módolo Celso Favaretto Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Igor Felippe Santos Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade João Carlos Salles Daniel Afonso da Silva Marilena Chauí João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Abramovay Chico Alencar Chico Whitaker Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Brazil Eduardo Borges Boaventura de Sousa Santos Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Henri Acselrad Luciano Nascimento Heraldo Campos José Geraldo Couto Juarez Guimarães Anselm Jappe Gabriel Cohn José Machado Moita Neto Tadeu Valadares Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Otaviano Helene Carlos Tautz Caio Bugiato Vladimir Safatle Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Denilson Cordeiro Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Alexandre de Lima Castro Tranjan Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Boff Henry Burnett Manuel Domingos Neto Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Samuel Kilsztajn Eugênio Bucci José Raimundo Trindade Jorge Branco André Singer Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Ricardo Musse Thomas Piketty Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Maria Rita Kehl Carla Teixeira Airton Paschoa Leonardo Avritzer Leda Maria Paulani Salem Nasser Luiz Renato Martins Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid João Sette Whitaker Ferreira Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada