As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A greve nas Etecs e Fatecs

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MAX LUIZ GIMENES*

As escolas administradas pelo Centro Paula Souza correm o risco de perder a gratuidade e a qualidade frente ao cenário de descaso e de ataques recorrentes à educação

Quando ouvimos falar em Etecs ou Fatecs, nós logo pensamos em ensino público, gratuito e de qualidade. Mas essa história, que vem lá dos anos 1970 e se tornou motivo de orgulho da população de São Paulo, corre o risco de mudar frente ao cenário de descaso e mesmo de ataques recorrentes à educação nos últimos anos.

E em 2023 tem sido ainda pior. Por isso, os trabalhadores dessas instituições, que são administradas pelo Centro Paula Souza, uma autarquia do governo de SP vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, decidiram entrar em greve no último dia 8 de agosto. Dois dias depois, quase metade das unidades já estavam total ou parcialmente paralisadas (143 de 305), evidenciando, com isso, a insatisfação generalizada da categoria. Mas essa mobilização, infelizmente, mostrou-se insustentável com o tempo, culminando na votação pela saída da greve em reunião realizada logo no dia 21 do mesmo mês.

A pauta de reivindicações do movimento, fechada no final de fevereiro e desde então apresentada ao governo pelo sindicato que representa a categoria, o Sinteps, continha basicamente quatro itens: (i) reajuste salarial, (ii) bônus, (iii) revisão de carreira e (iv) defesa das Etecs. Mesmo sabendo dessas demandas havia meses, o governo Tarcísio recebeu o Sinteps para conversar somente no dia 3 de agosto. E apenas para pedir que a categoria não entrasse em greve.

A proposta de reajuste salarial do governo de SP para este ano foi de 6% para quase todos os servidores, o que equivale praticamente à inflação medida pelo IPCA para o ano passado (5,8%). Isso é insuficiente para repor as perdas salariais da categoria nos últimos anos, que segundo cálculos do mandato do vereador Paulo Bufalo, do PSOL de Campinas, somam 53,9% na última década (reajuste médio de 15,77% ante uma inflação acumulada de 69,67%).[i]

Além, é claro, de destoar dos 50% de aumento recebidos em silêncio pelo governador e seus secretários[ii] e dos 13 a 34% recebidos por alguns setores da segurança pública por iniciativa do governo,[iii] discrepâncias que, por si só, evidenciam as prioridades da atual gestão, entre as quais claramente não se encontra a educação.

O índice atualmente reivindicado como referência pelo Sinteps para reajuste é a correção do Piso Nacional da Educação (33,24% em 2022 e 14,95% em 2023 – que juntos, e acrescentando-se a inflação do último ano, dariam um reajuste equivalente ao valor da perda salarial mencionada acima, de 53,9%).

Quanto à bonificação pelos resultados alcançados por cada escola em relação às metas de concluintes e notas estabelecidas pela administração em 2022, o pagamento, que costumava ser feito no primeiro semestre, ainda não aconteceu, nem tem prazo definido para ocorrer. Com a iminência da greve, o governo chegou a anunciar ao sindicato que ele aconteceria até o final de outubro e que haveria um “esforço” de antecipá-lo para setembro, mas nada além disso. E o valor, que no ano passado chegou a corresponder a até 2,4 salários, neste ano voltou a ser limitado a apenas um.

Já a revisão de carreira tem como objetivo corrigir uma série de problemas que a tornam cada vez menos atrativa e estimulante. Entre os muitos exemplos que poderiam ser citados, no caso dos professores é possível mencionar a inexistência de uma jornada de trabalho (o regime vigente é horista), a ausência de promoção imediata mediante a obtenção de títulos (hoje eles só contam após seis anos), a inexistência de vale-refeição e o oferecimento de um vale-alimentação de apenas R$ 12 reais por dia de trabalho (sendo que, para outros setores do mesmo serviço público estadual, esse valor pode chegar a R$ 60) etc.

Por fim, sobre a defesa das Etecs, trata-se de uma reação à ameaça do governo de SP de criar uma rede de ensino técnico paralela,[iv] no fundo baseada nos mesmos pilares  do modelo que o atual secretário de educação paulista, Renato Feder, já tentou implementar no Paraná quando esteve à frente da mesma pasta por lá: imediatismo eleitoral (produzir uma expansão rápida e barata do ensino técnico, ainda que à custa da qualidade, para usar esses números nas próximas eleições), privatização (no caso paranaense, os 20% de aulas à distância permitidos pela “reforma” do ensino médio de 2017 eram oferecidos por uma faculdade privada) e precarização (ainda no caso paranaense, essas aulas à distância consistiam em salas com quarenta alunos assistindo a um aparelho de televisão – uma triste porém eloquente imagem do que significa o projeto de Feder, de retrocessos com aparência de modernização).[v]

Além de ruim para a educação por si mesmo, esse modelo cria duplicidade de gastos e desconsidera toda uma estrutura preexistente considerada de excelência. Apesar disso, pode levar vantagem na competição por recursos escassos, uma vez que é mais “eficiente” do ponto de vista dos interesses próprios, tanto eleitorais como de mercado, do governo Tarcísio e seus integrantes, o que prejudicaria as Etecs.

A greve, embora seja um instrumento legítimo de luta dos trabalhadores, é medida extrema, que cria incertezas e, portanto, gera insegurança e angústia para os trabalhadores envolvidos. No caso da educação, acaba acarretando também, inevitavelmente, prejuízos imediatos ao processo de ensino e aprendizagem, que podem ser minimizados mas não totalmente eliminados com a reposição das aulas. Ainda assim, ela se mostrava necessária, considerando não apenas o cenário de descaso exposto acima mas também o fato de que, sem mobilização e pressão popular, a educação paulista não apenas vai ficar como está como tende na verdade a piorar bastante, tendo em vista os inúmeros ataques recebidos da atual gestão em apenas oito meses.

Entre os muitos exemplos, é possível citar a desastrada ofensiva para digitalização da educação promovida por Feder, na contramão do que dizem os especialistas,[vi] em desacordo com a infraestrutura da maioria das escolas[vii] e em claro conflito de interesses com sua própria condição de empresário e acionista de uma empresa da área de tecnologia com contratos firmados com o governo para o oferecimento de aparelhos digitais;[viii] o projeto que coloca diretores para vigiar as aulas de professores,[ix] sobrecarregando os diretores, tratando os professores como suspeitos e jogando os profissionais do setor uns contra os outros; o plano de reduzir o investimento em educação no Estado de 30% para 25% do orçamento;[x] a instalação sem consentimento de aplicativo no celular de professores e alunos e sua respectiva captação de dados pessoais, como já havia ocorrido no Paraná;[xi] uma medida para expulsar alunos com 15 faltas seguidas;[xii] as apostilas digitais próprias com erros grosseiros de conteúdo, como a suposta existência de praias na capital paulista ou a assinatura da Lei Áurea atribuída a D. Pedro II[xiii] etc.

Por razões variadas, que passam pela insegurança dos muitos contratos temporários, o desânimo de uma categoria desvalorizada e o individualismo característico de nossa sociedade contemporânea, a greve não conseguiu avançar na direção do atendimento de suas reivindicações. Mas conseguiu, ao menos, acelerar a apresentação de diretrizes para uma futura revisão da carreira, que contém, entre outros pontos, a possibilidade de mudança do regime horista para a jornada, como defende o sindicato da categoria.

Embora a preferência manifestada pelo governo seja pelo regime de horas, que supostamente seria mais vantajoso também para os trabalhadores por em teoria poder remunerar pouca coisa a mais, na prática a jornada é mais interessante porque melhora as condições de trabalho de uma maneira geral: não forçaria o professor a lecionar em várias escolas diferentes ao mesmo tempo nem o amarraria a uma dedicação exclusiva, uma vez que a jornada seria flexível (10, 20, 30 ou 40h) e poderia ser cumprida em até duas escolas; poderia acabar com as inúmeras janelas não remuneradas entre uma aula e outra, aproveitando o professor que está na escola para o desenvolvimento de projetos; poderia aproximar mais o docente da escola e da comunidade escolar, com a possibilidade de desenvolvimento de projetos de ensino, pesquisa e extensão; poderia proporcionar maior estabilidade e integração do quadro docente, o que indiretamente poderia influenciar, inclusive, as condições de mobilização da categoria para futuros movimentos de reivindicação de melhores condições de trabalho e de defesa da educação.

Mas essa ainda é apenas uma proposta, que acabou de ser colocada em consulta pública, de 24 de agosto a 1º setembro. Ela ainda precisa passar por todos os trâmites burocráticos, correndo o risco de ser alterada ou mesmo rejeitada no meio do caminho. E o atual governo tem motivos de sobra para não querer aprová-la, uma vez que o regime de jornada é considerado mais caro e também mais perigoso politicamente do ponto de vista de quem não se importa com a educação, ou até se importa, mas apenas como oportunidade de negócio.

Enquanto isso, cabe à população de São Paulo estar alerta para se somar à luta em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade sempre que necessário, como aconteceu de maneira bem-sucedida, recentemente, em relação à defesa do livro didático nas escolas, em que o governo de SP foi obrigado a recuar de um ataque sem precedentes à educação pública ao encontrar forte resistência da sociedade.

*Max Luiz Gimenes é professor do Centro Paula Souza e doutorando em sociologia na USP.

Notas


[i] Disponível em: https://www.instagram.com/p/CvxCrt1OL9F/.

[ii] Disponível em: https://veja.abril.com.br/coluna/radar/tarcisio-se-isenta-e-assembleia-sanciona-aumento-dos-proprios-salarios#:~:text=Tarc%C3%ADsio%20tamb%C3%A9m%20n%C3%A3o%20sancionou%20o,e%20o%20secretariado%2031.115%20reais.

[iii] Disponível em: https://www.estadao.com.br/sao-paulo/governo-sanciona-reajuste-medio-de-20-no-salarios-dos-policiais-veja-valores-nprm/.

[iv] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2023/06/gestao-tarcisio-prepara-novo-modelo-de-ensino-tecnico-com-100-mil-vagas.shtml.

[v] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2022/04/alunos-se-recusam-a-assistir-aulas-pela-tv-em-escolas-estaduais-do-parana.shtml.

[vi] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2023/08/suecia-decidiu-voltar-a-livros-fisicos-na-contramao-do-que-planeja-governo-tarcisio.shtml.

[vii] Disponível em: https://www.estadao.com.br/educacao/maioria-das-escolas-estaduais-de-sp-nao-tem-computador-e-conexao-suficientes-wifi-nao-pega/.

[viii] Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/secretario-de-educacao-de-sp-e-investigado-por-conflito-de-interesses-em-contrato-de-notebooks,139a20cea60af463d58d40bf6e9c761feun26uql.html.

[ix] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2023/08/gestao-tarcisio-determina-que-diretores-observem-aulas-dos-professores.shtml.

[x] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2023/08/tarcisio-planeja-enviar-projeto-a-assembleia-para-flexibilizar-uso-de-recursos-da-educacao.shtml.

[xi] Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/educacao/secretaria-da-educacao-instala-aplicativo-em-celular-de-professores-e-alunos-de-sao-paulo-sem-autorizacao/.

[xii] Disponível em: https://educacao.uol.com.br/noticias/2023/08/25/tarcisio-norma-que-pode-expulsar-aluno-com-mais-de-15-faltas.htm.

[xiii] Disponível em: https://exame.com/brasil/apostila-do-governo-de-sp-diz-que-capital-tem-praia-e-que-pedro-ii-assinou-lei-aurea/


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anselm Jappe Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Eugênio Bucci José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleonora Albano Ronald Rocha Sandra Bitencourt Michael Löwy Denilson Cordeiro Marcelo Guimarães Lima Luiz Costa Lima Samuel Kilsztajn Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Eugênio Trivinho Vladimir Safatle Afrânio Catani Érico Andrade Thomas Piketty Antonino Infranca Milton Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Lincoln Secco Fernão Pessoa Ramos Michael Roberts Juarez Guimarães Elias Jabbour João Carlos Salles Ricardo Musse Carla Teixeira Gabriel Cohn Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Rodrigo de Faria Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco João Sette Whitaker Ferreira Daniel Brazil Luciano Nascimento Dennis Oliveira Chico Whitaker Caio Bugiato Berenice Bento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar Roberto Bueno Gilberto Maringoni Fábio Konder Comparato Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser André Singer Daniel Costa José Dirceu Luiz Bernardo Pericás Paulo Martins Ronald León Núñez Paulo Nogueira Batista Jr Roberto Noritomi Leonardo Boff Paulo Capel Narvai Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz João Lanari Bo João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves Bento Prado Jr. Ladislau Dowbor Gilberto Lopes Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Marilena Chauí Ronaldo Tadeu de Souza Chico Alencar Bruno Machado Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tarso Genro José Machado Moita Neto Annateresa Fabris Luiz Marques João Feres Júnior Manchetômetro José Luís Fiori José Geraldo Couto Liszt Vieira Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade José Costa Júnior Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Mário Maestri Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Armando Boito Airton Paschoa Henry Burnett Celso Favaretto Leda Maria Paulani Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Remy José Fontana Marcus Ianoni João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Rubens Pinto Lyra Marcos Silva Andrew Korybko Mariarosaria Fabris Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada