A justiça e a boiada

Imagem: Quino.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Considerações sobre as charges de Marcos Ravelli, o Quinho

As artes plásticas, historicamente, portam características narrativas muito específicas, como a capacidade de tocar de forma sensível corações e mentes. Por “mente” entenda-se a cultura, a inteligência, a capacidade de interpretar símbolos e mensagens ocultas. O antigo adágio de que uma imagem vale por mil palavras nada mais é que uma definição popular desta qualidade.

Mais velha que a palavra, a imagem está presente desde os primórdios da humanidade, como guardam testemunho cavernas e rochedos em todo o mundo. Mesmo após a revolução de Gutemberg, continuou tendo espaço em todo tipo de publicação, através de gravuras, desenhos e pinturas. Com o advento da fotografia, abriu um novo campo de atuação simbólica, que só se ampliou na era digital.

A velha charge, aquele desenho-comentário sobre situações ou pessoas, geralmente com conteúdo crítico ou irônico, surgida em meados do século XVIII e indispensável a partir da popularização da imprensa escrita, continua presente e forte em todas as redes sociais. E é sobre uma delas que me detenho, após um 7 de setembro de tantas expectativas e tanto fiasco.

Marcos Ravelli, que assina suas charges como Quinho, tem produzido peças antológicas. Aliando economia de traços com humor atento e refinado, é um artista com pleno domínio dos recursos narrativos da imagem. Atentem para a capacidade de síntese da ilustração acima, divulgada em vários veículos nos últimos dias.

Quinho coloca com central a figura da Justiça. Não uma justiça qualquer, mas aquela representada pela escultura de Alfredo Ceschiatti, que ornamenta o Ministério da Justiça, em Brasília, reconhecível pela cabeça singular, com a parte superior coberta pela tradicional venda (“A justiça é cega”). A estátua original está placidamente sentada, com a espada sobre as coxas. Na obra de Quinho, a estátua se levanta, empunhando a espada em atitude de defesa. No outro braço, segura umpano vermelho, que imediatamente nos remete à figura de um toureiro.

Completando a analogia, vemos a sombra de um enorme touro, reconhecível pelos chifres, projetar-se sobre a personagem central. Ao lado, várias outras sombras simbolizam o gado, a boiada que acompanha o líder, o chifrudo-mor.

É perfeita a representação do embate atual entre os poderes, no Brasil. De um lado a Justiça, poder absoluto – que não pode ser confundida com alguns de seus representantes terrenos, por vezes covardes e caricaturais -, de outro o ocupante do Executivo, insuflador de golpes e ataques à democracia.

Algum distraído poderá argumentar que falta nesse embate a presença do povo, das organizações sociais e populares que também estão na rua defendendo o Estado de Direito. Bem, voltemos ao pano vermelho. A cor da fraternidade, conforme os princípios da revolução francesa, pode também ser entendida como uma provocação a uma das frases favoritas dos ativistas de direita: “nossa bandeira jamais será vermelha”.

Mas quando a Justiça empunha uma bandeira vermelha para enfrentar os desvarios totalitaristas do presidente e seus sequazes, abre-se caminho para duas linhas de interpretação. Ou a Justiça usa o povo para defender seus próceres, ou, o que é mais provável, precisa do povo para enfrentar os ataques aos seus princípios. Partindo de um humanista como Quinho, optamos sem dúvida pela segunda hipótese, embora a ironia da primeira não possa ser totalmente descartada.

Nesse retrato sintético do momento convulso que vivemos, a bandeira precisa ser vermelha (também de forma simbólica, claro), uma vez que a boiada ameaçadora usurpou a tradicional verde-amarela. Tanto para preservar o que nos resta de Justiça, como para reforçar a necessidade da fraternité, driblando divergências políticas eventuais, é com ela que vamos superar a crise e restaurar a plena democracia, da qual experimentamos o gosto não faz tanto tempo assim.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Remy José Fontana Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Marcelo Módolo Matheus Silveira de Souza Eduardo Borges Ricardo Abramovay Armando Boito André Singer Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão André Márcio Neves Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Luiz Marques Chico Whitaker Ronaldo Tadeu de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Benicio Viero Schmidt Eugênio Trivinho Michael Roberts Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Milton Pinheiro Afrânio Catani Lorenzo Vitral Daniel Costa Tales Ab'Sáber Luiz Werneck Vianna Henri Acselrad Carla Teixeira Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Eliziário Andrade Marcos Aurélio da Silva Antonino Infranca Alexandre Aragão de Albuquerque Denilson Cordeiro Andrew Korybko Boaventura de Sousa Santos Celso Favaretto Bernardo Ricupero Daniel Brazil João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves Salem Nasser Luiz Eduardo Soares João Lanari Bo Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Tarso Genro José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Michel Goulart da Silva Bruno Machado Flávio R. Kothe Jean Pierre Chauvin Dênis de Moraes Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Atilio A. Boron Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Mariarosaria Fabris Samuel Kilsztajn José Dirceu Osvaldo Coggiola Julian Rodrigues Leonardo Boff Maria Rita Kehl Paulo Martins Leda Maria Paulani Gabriel Cohn Bento Prado Jr. José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva Thomas Piketty Manuel Domingos Neto Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Érico Andrade Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Ricardo Musse Caio Bugiato Claudio Katz Michael Löwy Anselm Jappe Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Rubens Pinto Lyra Annateresa Fabris Celso Frederico Liszt Vieira Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Jorge Branco Flávio Aguiar Otaviano Helene Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Marilena Chauí Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto Andrés del Río Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Igor Felippe Santos Leonardo Sacramento João Carlos Salles Luiz Renato Martins Rodrigo de Faria Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Francisco Pereira de Farias Mário Maestri Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Marcus Ianoni João Carlos Loebens Heraldo Campos Elias Jabbour Leonardo Avritzer Marcos Silva João Feres Júnior João Sette Whitaker Ferreira Henry Burnett

NOVAS PUBLICAÇÕES